Traders recorrem a aplicações de streaming para negociar milho chinês

Traders recorrem a aplicações de streaming para negociar milho chinês

[Fonte: Jornal De Negócios]

As aplicações de streaming conquistaram a China com vídeos curtos de adolescentes a dançar e a fazer brincadeiras estranhas. Agora, os operadores estão a usá-las para prever o futuro dos preços dos cereais.

Por exemplo, um agricultor da zona rural no nordeste do país usa o seu telefone para filmar caminhões em fila, prontos para carregar montes de milho dourado. A cerca de 3.200 quilómetros de distância, no seu escritório em Shenzhen, Honda Wei observa atentamente, examinando os comentários entusiasmados do produtor e as imagens dos campos à procura de pistas sobre a oferta e a procura.

“Isso dá-nos informações intuitivas sobre os mercados”, disse Wei, de 33 anos, sobre a sua experiência na aplicação Kuaishou, uma plataforma de vídeos curtos financiada pela gigante da tecnologia Tencent Holdings. “Os traders estão à procura de correlações entre o sentimento dos agricultores e a flutuação dos preços futuros.”

Com mais de 700 milhões de utilizadores combinados, as aplicações Kuaishou e Douyin, da Bytedance, oferecem uma enorme fonte potencial de informações no pouco transparente mercado chinês, onde os dados do governo nem sempre são os mais confiáveis ou eficientes. Recorrendo também a redes sociais, como a Weibo, os traders recolhem informações sobre plantações de safras, colheitas, reservas e vendas em tempo real, em vez de passarem horas a fazer pesquisas por telefone ou visitas presenciais, como era necessário antigamente.

Redes sociais

“A comunidade dos traders monitoriza os agricultores, que partilham o seu sentimento nas redes sociais”, disse Zhang Yan, analista da Shanghai JC Intelligence, que acompanha utilizadores no Kuaishou.

Embora internacionalmente os operadores tenham usado o Twitter para rastrear oportunidades, reagindo a tudo, desde incêndios em refinarias e encalhamentos de navios até o sentimento do mercado acionista, isso não é uma opção na China, país onde a rede social com sede nos EUA está bloqueada.

Na sua avidez por dados, muitos operadores na China recorreram às aplicações de streaming, porque os agricultores começaram a filmar-se para estar em contato com outros e ajudar a melhorar a produtividade, gerir custos e maximizar os lucros. Mudanças no mercado interno de commodities contribuíram para esta tendência.

Em 2016, o país aboliu o seu programa de armazenamento de milho na região nordeste para deixar que o mercado definisse os preços. Em vez de comprar a produção, o governo agora concede subsídios aos agricultores para os incentivar a plantar. Os rendimentos na China são contidos pela restrição de variedades geneticamente modificadas e por limites às transferências de terras, o que contribui para a sensibilidade do mercado interno.

Os mistérios da produção e das reservas no principal comprador de “commodities” têm confundido operadores e analistas, agitando os mercados globais. O milho oscilou acentuadamente em novembro, quando o Departamento de Agricultura dos EUA revelou grandes mudanças nos números das reservas mundiais depois de a China ter ajustado as estatísticas da última década.

Isso tornou a disseminação e a coleta de informações nas redes sociais uma prática comum.

Em novembro, quando os preços de referência do milho na China atingiram o patamar mais alto em mais de três anos, traders com gigantes do setor – como Archer-Daniels-Midland, Cargill e Cofco – começaram a partilhar vídeos. Houve uma correlação entre os vídeos que mostravam os stocks dos agricultores e os movimentos reais dos preços, e isto bastou para estimular os operadores a instalar as aplicações. No mês passado, o contrato de futuros mais ativo da Dalian Commodity Exchange caiu 10% em relação ao pico e atingiu o ponto mais baixo desde julho.

(Texto original: Forget Crazy Stunts, Use That Streaming App to Wager on Corn)

Conheça mais sobre as soluções de  trading online da DeGiro.

Comente este artigo

O artigo Traders recorrem a aplicações de streaming para negociar milho chinês foi publicado originalmente em Jornal De Negócios

Anterior Los huevos están un 36% más baratos que del año pasado
Próximo Exportações agroalimentares pesam quase tanto quanto as do calçado e têxtil, diz António Costa

About author

Artigos relacionados

Últimas

Sem glúten, sem lactose e biológicos. Especialistas alertam para riscos destes alimentos

[Fonte: Rádio Renascença]

A moda dos alimentos sem glúten e sem lactose fez disparar o seu consumo nos últimos anos, mas há nutricionistas que dizem que este tipo de alimentos só deve ser retirado da alimentação quando existe uma razão clínica para o fazer. […]

Últimas

Seia: Pedido de colaboração para fornecimento de alimento para os animais

O concelho de Seia foi devastado por 4 incêndios durante os dias 15, 16 e 17 de outubro. Estes incêndios consumiram muita floresta, mas principalmente campos agrícolas e pastagens.
Enquanto o acompanhamento do Ministério da Agricultura não chega, o Município decidiu socorrer os produtores de gado do concelho, […]

Nacional

Primeiro-ministro ambiciona uma floresta que seja “um factor de riqueza colectiva”

[Fonte: Público]

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu nesta quarta-feira, em Figueiró dos Vinhos, que o desafio do Estado é transformar a grande ameaça que tem sido a floresta numa fonte de riqueza para o território.

Mais populares

Na apresentação da estratégia da Florestgal – […]