Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Julho de 2020

Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Julho de 2020

Previsões Agrícolas

As previsões agrícolas, em 30 de junho, apontam para a manutenção dos rendimentos unitários no trigo e triticale e para a diminuição na cevada e aveia (-5%), contrariando as primeiras projeções que indicavam aumentos generalizados nos cereais de inverno (apenas no centeio se mantém a previsão de aumento, de 5%, face a 2019). Quanto às culturas de primavera/verão, prevê-se a manutenção da área de milho (83 mil hectares) e a redução da de arroz (-10%), resultado das intervenções na obra de regadio do Vale do Sado. Na batata as colheitas apontam para produtividades semelhantes às alcançadas na campanha anterior, enquanto no tomate para a indústria e girassol, as perspetivas são de boas campanhas, com rendimentos unitários superiores à média dos últimos cinco anos (+5% e +7%, respetivamente).

Nos pomares o cenário é de quebra generalizada nas produções. Nas prunóideas, a ocorrência de forte precipitação no interior Centro (finais de março e de maio), contribuiu para quebras no pêssego (-10%) e na cereja (-60%). Nas pomóideas, também em resultado de condições meteorológicas adversas, o vingamento dos frutos foi deficiente, provocando diminuições de produtividade da ordem dos 15% na maçã e dos 35% na pera.

Gado, aves e coelhos abatidos

O peso limpo total de gado abatido e aprovado para consumo em maio de 2020 foi 37 245 toneladas, o que correspondeu a um decréscimo de 6,6% (-13,7% em abril), devido ao volume de abate inferior registado nos suínos (-8,5%), ovinos (-13,3%), caprinos (-29,1%) e equídeos (-43,3%). O peso limpo total de aves e coelhos abatidos e aprovados para consumo foi 28 308 toneladas, o que representou um decréscimo de 7,5% (+3,7% em abril), devido ao menor volume de galináceos (-7,8%), perus (-7,5%) e patos (-7,4%).

Produção de aves e ovos

O volume de produção de frango aumentou 2,5%, com 27 682 toneladas (+2,4% em abril). O número de cabeças foi também superior em 5,6% (+1,6% em abril), resultado de animais com peso médio inferior à altura do abate. A produção de ovos de galinha para consumo apresentou um aumento de 9,2% (-0,4% em abril), com 9 733 toneladas produzidas, volume semelhante ao registado no mês anterior.

Produção de leite e produtos lácteos

A recolha de leite de vaca foi 175,2 mil toneladas, o que representou um ligeiro aumento de 0,5% (+0,7% em abril). Os produtos lácteos tiveram um decréscimo de 3,3% (-0,6% em abril), devido sobretudo à menor produção de leite para consumo (-3,0%) e de leites acidificados (-9,1%), tendo-se registado também uma redução no queijo de vaca (-5,2%) e na manteiga (-1,0%).

Pescado capturado

O volume de capturas de pescado em Portugal diminuiu 12,0% (-21,4% em abril), justificado pela menor captura de peixes marinhos (nomeadamente de cavala, atuns e sardinha) bem como de crustáceos e moluscos. Às 8 898 toneladas de pescado correspondeu uma receita de 20 064 mil euros, valor que representou um decréscimo de 20,4% (-27,9% em abril).

O preço médio do pescado descarregado foi 2,16 Euros/kg, ou seja, um decréscimo de 9,8% (-9,2% em abril).

Preços e índices de preços agrícolas

Em junho de 2020, as variações mais significativas, em módulo, no índice de preços de produtos agrícolas no produtor foram observadas nos frutos (+25,7%), hortícolas frescos (+6,3%), batata (-42,2%), suínos (-14,5%), ovinos e caprinos (-8,9%) e azeite a granel (-6,0%).

Em comparação com o mês anterior, as variações de maior amplitude verificaram-se nas aves de capoeira (+25,0%), frutos (+9,4%), batata (-57,6%) e ovos (-7,2%).

Em março de 2020, o índice de preços de bens e serviços de consumo corrente (INPUT I) diminuiu 0,5% e o índice de preços de bens e serviços de investimento (INPUT II) aumentou 1,2%. Relativamente ao mês anterior, assistiu–se a um decréscimo de 0,5% no índice de preços de bens e serviços de consumo corrente e a uma diminuição de 0,2% no índice de preços de bens e serviços de investimento.

COVID-19

Em maio de 2020 assistiu-se a uma redução do volume de abate de gado (-6,6%) para todas as espécies exceto bovinos, bem como do volume de abate de aves e coelhos (-7,5%) para as principais espécies (galináceos, perus e patos). As medidas de desconfinamento e a reabertura da restauração a partir do dia 18 de maio não se traduziram no aumento da produção, tendo-se observado neste mês que o decréscimo da produção foi acompanhado pela diminuição em 7,0% do índice de preços no produtor para a Produção Animal, nomeadamente para bovinos (-4,7%), suínos (-9,4%), ovinos e caprinos (-17,6%) e aves de capoeira (-17,4%).

Os produtos lácteos tiveram um decréscimo do volume de produção de 3,3%, sendo de assinalar a redução no leite para consumo, leites acidificados e queijo de vaca.

Continuou a assistir-se igualmente a uma menor quantidade de pescado capturado (-12,0%) e a uma descida do preço médio em lota (-9,8%).

→ Consulte aqui o documento ←

Comente este artigo
Anterior Açores já receberam 21 candidaturas para reconversão de explorações leiteiras em produção de carne de bovino
Próximo Parlamento Europeu não aceita acordo do Conselho Europeu tal como está. E faz exigências

Artigos relacionados

Eventos

Desafios do Setor do Azeite e PAC pós 2020 debatidos em Murça – 20 de outubro

A Cooperativa Agrícola dos Olivicultores de Murça (CAOM) e a CONFAGRI organizam, no próximo dia 20 de outubro, em Murça, […]

Nacional

Só 14% das empresas pagam a tempo e horas

Construtoras e empresas agrícolas e de outros recursos naturais são os piores pagadores, com prazos acima de 100 dias. Energia e Ambiente e alojamento e restauração são os que pagam mais cedo. […]