ADACO: Obras hidroagrícolas – Central Termo-electrica

ADACO: Obras hidroagrícolas – Central Termo-electrica

Obras hidroagrícolas – Central Termo-electrica

Obras no Vale do Pranto

Governo tem que assumir a sua execução

Central termo-elétrica de lares

Que impacto na produção de arroz

Em 2018 assistimos ao anúncio com pompa e circunstância do Governo, de que as Obras no Vale do Pranto iriam arrancar no final do mesmo ano.

Foi anunciado o início do projeto a que deram o nome de “Pranto I”, com uma área de cerca de 700 hectares, nos concelhos de Soure e Figueira da Foz, com um investimento na ordem dos 25 milhões de euros no âmbito do PDR 2020.
Esta obra segundo o anúncio feito, inclui trabalhos de emparcelamento, construção das redes de rega, drenagem e viária e , ainda, regularização dos terrenos, estando prevista a conclusão para 2022.

Mas até agora tudo não passou do papel; estamos quase em Março, e os produtores que seriam avisados da paragem da produção de arroz durante a execução do projecto, com as respectivas indemnizações, não foram ainda informados de nada, começando daqui a um mês o início da cultura do arroz. Entre os orizicultores, a ideia é de que em 2019 as Obras não se vão iniciar

O Governo ao entregar à Associação de Beneficiários do Baixo Mondego a responsabilidade da execução da Obra, lavou as mãos como Pilatos.

A Associação de Beneficiários assumiu responsabilidades, que, pelo que vemos, tem dificuldades em executar, devido ás suas limitações técnicas, financeiras, e de recursos humanos.

Dada a urgência destas Obras o Governo tem que assumir a responsabilidade da execução da Obra o mais urgente possível.

Os orizicultores não podem continuar á espera.

Em 2008 foi instalado em Lares-Figueira da Foz uma Central Termo-Elétrica para produção de energia.
Esta Central expele gases para o meio ambiente , derivado do consumo de químicos aplicados nas torres de arrefecimento da Central.

Ao que é voz corrente na zona, parece haver a emissão de certas substâncias poluentes as quais podem estar a contaminar o ambiente e os recursos naturais como solos e águas pois até se constata já uma redução da produtividade dos terrenos próximos com a cultura do arroz, o que pode não ser simples coincidência.. E a questão também é já a de se saber, com segurança, se a saúde pública não poderá vir a ser afectada por tais emissões. Assim, a ADACO reclama ao Ministério da Agricultura e ao Ministério do Ambiente e da Transição Energética que tudo façam, e depressa, para esclarecer esta situação, designadamente:

• monitorização através de análises sistemáticas às emissões em causa;

• se tem sido assegurada a desinfecção e limpeza do sistema;

• divulgação pública dos resultados que obtenham.

Coimbra, 19 de Fevereiro de 2019

Comente este artigo
Anterior “O comércio tradicional local de produtos nacionais terá uma década de ouro pela frente”
Próximo Produção de azeitona para azeite deve registar quebra de 20% nesta campanha

Artigos relacionados

Últimas

2ª Edição do Mondego Agrícola 2019 Feira das Culturas

Realizou-se no passado dia 6 de setembro a 2ªedição do Mondego Agrícola 2019, Feiras das culturas. […]

Últimas

Setor da cunicultura ultrapassa crise do COVID-19 sem ruturas de abastecimento

O estado de emergência decretado em março de 2020 determinou o encerramento de restaurantes e cantinas, tendo provocado excedentes em […]

Comunicados

Criadores da Raça Bísara Excluídos dos Apoios de Medida Excecional e Temporária

A Portaria n.º 268/2020 de 18 de Novembro estabelece o regime de aplicação da medida excecional e temporária de apoio, do Fundo Europeu Agrícola para o Desenvolvimento Rural (FEADER), em resposta ao surto pandémico e às suas […]