Produção de azeitona para azeite deve registar quebra de 20% nesta campanha

Produção de azeitona para azeite deve registar quebra de 20% nesta campanha

[Fonte: Observador]

A produção de azeitona para azeite deverá registar este ano uma quebra de 20% face à campanha anterior, penalizada pelas condições meteorológicas adversas, enquanto a área de cereais de outono/inverno deverá diminuir 3%, prevê esta terça-feira o INE.

Segundo as previsões agrícolas do Instituto Nacional de Estatística (INE), a colheita da azeitona está “praticamente terminada, confirmando-se um atraso significativo na maturação face ao habitual, efeito das condições meteorológicas adversas, que ocasionaram um início de ciclo demorado e uma suspensão do amadurecimento dos frutos no período das ondas de calor de agosto”.

“Após uma campanha com um máximo histórico de produção, os olivais tradicionais de sequeiro apresentaram uma carga de frutos heterogénea, prevendo-se que globalmente se registe um decréscimo de 20% na produção de azeitona para azeite”, antecipa. “A funda (rendimento da azeitona em azeite) — acrescenta — aumentou com o decorrer da colheita, se bem que, previsivelmente, ficará abaixo da alcançada na última campanha”.

De acordo com o INE, apesar da “instalação significativa” de novos olivais intensivos e semi-intensivos, com maior controlo sanitário e fisiológico — o que permitiu que, desde 2009, a produção não tenha baixado das 400 mil toneladas — continua a ser “bem evidente” a alternância anual de produção na cultura de azeitona em Portugal, sendo que este é um ano de contrassafra (em que, por oposição a um ano de safra, a produção é baixa).

Quanto aos cereais de outono/inverno, e numa altura em que as sementeiras foram concluídas “sem contratempos”, o instituto nota que, “apesar das condições meteorológicas favoráveis”, se prevê um decréscimo de 3% na área instalada face a 2018, sobretudo devido às reduções de 5% das superfícies de trigo mole, triticale e cevada e da quebra de 10% de trigo duro. Já no centeio e na cevada, as previsões apontam para a manutenção da área.

Conforme nota o INE, este decréscimo global da área de cereais de inverno “mantém a tendência observada nos últimos seis anos”, destacando-se esta campanha “como a que regista menor área desde a adesão de Portugal à União Europeia (cerca de 1/8 da área observada em 1986)”.

No que respeita à aveia, que é um cereal mais precoce, as previsões apontam para a manutenção dos níveis de produtividade alcançados na campanha anterior (8% acima da média do último quinquénio).

Quanto às pastagens e forragens, viram o respetivo desenvolvimento vegetativo ser travado pela chuva escassa, frio e geadas, pelo que, apesar de o gado continuar “sem dificuldades de acesso” às pastagens, “de uma forma generalizada a matéria verde disponível nas áreas forrageiras não é suficiente para colmatar as necessidades alimentares”.

De acordo com o INE, o recurso a alimentos conservados (palhas, fenos e silagens) e concentrados (rações industriais) tem decorrido “dentro dos parâmetros normais para a época”.

  1. Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:
  2. Pode preencher este formulário;
  3. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  4. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  5. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Comente este artigo

O artigo Produção de azeitona para azeite deve registar quebra de 20% nesta campanha foi publicado originalmente em Observador

Anterior ADACO: Obras hidroagrícolas - Central Termo-electrica
Próximo Nortada lança cerveja aromatizada com flores de cânhamo

About author

Artigos relacionados

Comunicados

VITIS 2016/2017 – Prorrogação da data dos pedidos de alteração

[Fonte: IFAP]
Informa-se que a data para apresentação dos pedidos de alteração das candidaturas apresentadas ao Regime de Apoio à Restruturação e Reconversão das Vinhas (VITIS)- Campanha 2016/2017 foi prorrogada para 15 de Junho de 2016. Esta prorrogação aplica-se às candidaturas individuais da campanha de 2016/2017, […]

Nacional

AEA promoveu visita de estudo a explorações hortícolas e frutícolas

Decorreu no passado dia 26 de setembro, mais uma sessão de trabalho, destinada a criar mais dinâmica no sector agroalimentar da região, no âmbito da estratégia da Associação Empresarial de Amarante, desta vez sob a forma de Visita de Estudo. Subordinada ao tema “Produtos do Agroalimentar do Baixo Tâmega”, […]

Últimas

Apoios à vinha e ao vinho: da cepa ao copo

[Fonte: Jornal de Negócios]
 
GUIA DE FUNDOS
 
As ajudas à produção de vinho, gestão de risco e promoção externa estão previstas na política agrícola comum da UE, na programação nacional e nas iniciativas de desenvolvimento regional.
 
 
 
O QUE É O VITIS? […]