Tempestade “arruinou todo o ano agrícola” da Cova da Beira

Tempestade “arruinou todo o ano agrícola” da Cova da Beira

Uma forte tempestade, com chuva, granizo e vento, “abalou” na tarde deste domingo a Cova da Beira e pode ter arruinado em definitivo aquela que já estava a ser um ano muito negativo em termos agrícolas nos concelhos do Fundão, Covilhã e Belmonte.

Em termos humanos, não há registos de feridos. Veja algumas imagens em baixo e o testemunho do empresário agrícola Paulo Ribeiro logo a seguir.

As quedas de árvores e de estruturas, as inundações e alguns despistes de automóveis em diversos locais lançaram o susto e a preocupação em muitas localidades, mas é na agricultura que os danos vão ter um impacto mais significativo.

“Quando pensávamos que nada podia piorar um ano que já estava a ser mau, acontece uma calamidade destas. Andávamos a contar as cerejas boas, para as colhermos nas próximas semanas, mas se calhar vamos verificar que pouco ou nado restou. Começo a pensar que o prejuízo este ano vai chegar aos 90 por cento”, explica ao JF o empresário Paulo Ribeiro, que lidera uma das maiores empresas do setor na região.

Para além da cereja, “também o pêssego, a maçã e a pêra levaram uma ‘pancada’ muito grande com este granizo tão forte. Na Capinha, por exemplo, há locais que acumularam 20 centímetros de granizo, uma coisa indescritível. O granizo fere a pele dos frutos. Vamos tentar tratá-la, mas mesmo que ainda consiga recuperar, vai ficar machada e perder quase todo o valor comercial”, conta o empresário, que imediatamente se deslocou para os terrenos: “Já passei em diferente propriedades nossas e é difícil descrever. Também os meus colegas do setor andam na rua. Como deve compreender, toda a gente está em choque com esta situação. Isto arruinou o ano agrícola.”

Fundão, Covilhã e Belmonte serão os concelhos mais afetados, embora a tempestade também tenha atingido zonas agrícolas de Penamacor e Castelo Branco.

Os bombeiros e restante autoridades da região não têm tido mãos a medir, como se pode ver pelo número de ocorrências na página oficial da Proteção Civil. Em Portugal, desde as 17 horas que o distrito de Castelo Branco é o que tem mais ocorrências ativas, mobilizando quase uma centena de operacionais e quase 40 viaturas.

A estrada Fundão-Souto da Casa, por exemplo, esteve cortada devido à queda de uma árvore de grandes dimensões, entretanto removida.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Castelo Branco adiantou ao JF que, felizmente, não há registo de quaisquer feridos (informação às 19 horas).

Filipe Sanches

O artigo foi publicado originalmente em Jornal do Fundão.

Comente este artigo
Anterior Os Agricultores e as Cooperativas Agrícolas Europeias apelam ao reforço do apoio ao setor agrícola
Próximo Chuva intensa e granizo destruíram produção agrícola em Tarouca

Artigos relacionados

Últimas

“Chamar contentores dá ideia errada sobre excelentes condições que existem”

Segundo a ministra da Agricultura, está a trabalhar-se para acautelar que a PAC “vai ajudar os agricultores a criar, em Odemira ou noutros pontos do país e Estados-membros, uma dimensão […]

Dossiers

Mercadona inicia processo de recrutamento para as novas lojas de Setúbal e Montijo

No âmbito do seu plano de expansão em Portugal, a Mercadona vai dar início ao processo de recrutamento para 2022 e procura colaboradores para […]

Últimas

Melo acusa ministra da Agricultura de esconder representação da DGAV em plataforma europeia

Eurodeputado do CDS considera que “sucesso” português devia ter sido divulgado de forma mais evidente. […]