Ministra da Agricultura apela aos portugueses para não deixarem de comprar cabrito nacional na Páscoa

Ministra da Agricultura apela aos portugueses para não deixarem de comprar cabrito nacional na Páscoa

A ministra da Agricultura apela aos portugueses para não quebrarem a tradição e consumirem cabrito nacional na Páscoa. Maria do Céu Albuquerque acredita que com a ajuda dos hipermercados, dos consumidores e do sector vai ser encontrada uma solução para os produtores de cabritos, suínos e bovinos de raças autóctones que por esta altura tem os animais prontos para abate mas não tem mercado para escoar a carne.

Em declarações à RTP e em resposta ao desabafo dos produtores que afirmam sentir-se “encurralados”, Maria do Céu Albuquerque assegura que neste momento toda a cadeia alimentar “está embuída num espírito de ajuda” e isso significa que a resolução do problema passa por três níveis: pelo retalho que deve comprar produto nacional, pelos consumidores que devem optar pelo que é produzido em Portugal e pelo sector que em conjunto tem de encontrar “ formas alternativas” que podem passar, nomeadamente, pelo congelamento.

“Aquilo que faz sentido é garantir que não temos problema no escoamento da produção nacional e dar preferência aos nossos alimentos porque são seguros e devemos confiar”, afirma a ministra.

Com o encerramento de restaurantes, hotéis e talhos, os produtores de raças autóctones que tem os ciclos produtivos centrados na Páscoa e nas grandes feiras agrícolas do primeiro trimestre, como é o caso do cabrito, do leitão e da carne de bovino, ficaram sem mercado. Em declarações à RTP apelaram ao patriotismo dos hipermercados para aceitarem os seus produtos, mesmo que isso significasse baixar o preço e pediram ao governo para ajudar a criar estes canais.

Maria do Céu Albuquerque garante que tem estado em conversa com as cadeias de distribuição e com o retalho e que já falou mesmo com dois grandes grupos económicos desta área em Portugal. “Pedi para ajudarem os agricultores para escoarem estes produtos que não têm saída”. Adianta que do lado do retalho encontrou “uma grande sensibilidade até para fazer pagamentos por adiantamento ou diminuir os prazos e ajudar na comercialização dos pequenos produtores que habitualmente não são fornecedores”.

Para que estes contactos entre produtores e retalho sejam agilizados foi mesmo criado um grupo de trabalho que integra elementos do ministério da Agricultura e da Economia.

A ministra considera que apesar de muitas famílias não se puderem juntar na Páscoa não há razão para não continuarem a consumir o cabrito, “para comprar na mesma”, ou mesmo “podemos comprar para congelar”, como forma também de “ajudar quem o alimenta”, frase que dá nome à campanha do ministério da agricultura lançada esta semana e que visa promover o consumo da produção nacional.

A ministra lembra que também houve uma alteração no padrão do consumo com consequências no mercado, motivado pela Covid-19, pela necessidade de afastamento social e do estado de emergência, que faz com que as pessoas estejam a consumir “menos e mais barato”. Há já dados que mostram uma diminuição da procura sobretudo de pequenos frutos e legumes. A ministra garante que os produtos nacionais são seguros e devidamente higienizados e não há razão para não serem consumidos.

Neste âmbito a ministra adiantou à RTP que enviou uma carta aos presidentes de câmara onde sugere aos autarcas a abertura dos mercados locais desde que sejam cumpridas as regras de higiene e segurança para permitir escoar alguma da produção agrícola, sobretudo ao nível dos pequenos produtores. Em cima da mesa está também a possibilidade de criar cabazes com produtos nacionais que possam ser entregues ao domicílio ou organizados para entrega em determinado local.

A ministra da agricultura acredita e apela a todos para criarem um movimento nacional para o consumo de produtos nacionais para garantir que depois da crise o sector regressa à dinâmica de crescimento que estava a ter.

O artigo foi publicado originalmente em RTP.

Comente este artigo
Anterior Agricultura. As primeiras medidas excecionais
Próximo Potencial da cultura da avelã “é enorme no nosso país”

Artigos relacionados

Últimas

Workshop: Stress Térmico em vacas leiteiras – 28 de novembro – Lisboa

Acontece a 28 de Novembro de 2019, das 10h00 às 16h00, no Salão Nobre do ISA […]

Nacional

FENAREG reclama medidas para a seca

Reunido o Grupo de Trabalho da Seca, foram identificadas medidas a aplicar no âmbito do Ministério da Agricultura, mas a FENAREG alerta para outras medidas essenciais para o sector do regadio e que dependem de esforço conjunto com os outros Ministérios:

Implementar regime de caudal mínimo diário nas bacias hidrográficas, […]

Nacional

Jornadas do Arade vão falar das “controvérsias” na saúde e pescas

O rumo dos serviços de saúde no Barlavento Algarvio, na opinião de Carlos Martins, presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Lisboa Norte e da médica Ester Coelho, […]