Chuva recente melhorou situação de seca no Algarve mas não resolve problema

Chuva recente melhorou situação de seca no Algarve mas não resolve problema

A chuva que nas duas últimas semanas caiu no Algarve reduziu o nível de seca na região e contribuiu para aumentar o armazenamento nas barragens, mas foi ainda insuficiente, segundo o diretor regional de Agricultura e Pescas

“Esta chuva não resolve o problema da seca, nem o armazenamento necessário até ao final do ano, mas o nível de água no solo melhorou consideravelmente”, afirmou à Lusa Pedro Valadas Monteiro.

Na zona de Faro, indicou, a Direção Regional de Agricultura e Pescas (DRAP) chegou a registar em duas semanas quase 80 milímetros de chuva, o que classificou como “muito bom”. No nordeste algarvio, onde a seca tem sido mais persistente, os concelhos de Castro Marim e Alcoutim, também no distrito de Faro, registaram 70 milímetros no mesmo período, “o que representa mais de 10% dos 600 milímetros anuais”.

“Com a precipitação destas duas semanas deve ter havido um reforço nas barragens do sotavento [zona oriental do Algarve] de quatro hectómetros cúbicos — quatro milhões de metros cúbicos”, destacou.

Considerando os 20 hectómetros cúbicos necessários anualmente para agricultura e os mais de 30 hectómetros cúbicos do abastecimento público, mesmo somando ao que já estava nessas bacias de Odeleite-Beliche, há ainda “um défice de quatro a cinco hectómetros cúbicos até ao final do ano”.

No final de fevereiro a zona central do Algarve e o nordeste encontravam-se “em seca extrema”, mas no barlavento “já havia zonas em seca fraca e outras em moderada”. No sotavento “houve uma melhoria”, mas, ainda assim, “mantém-se em seca extrema ou severa”, dependendo das zonas.

Para as culturas de sequeiro, a quantidade de água no solo é um dado importante e em dezembro esses valores “eram dramáticos”, com “mais de metade do território algarvio abaixo dos 10% do chamado ponto de murcha permanente”, revelou, referindo-se ao nível de humidade a partir do qual a planta não consegue retirar mais água do solo.

A partir deste valor as raízes dos matos e sequeiro, habituadas a “explorar a água que existe naturalmente no solo, já não a conseguem absorver por ser tão escassa”, esclareceu.

Os dados do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) de terça-feira (31 de março) indicam uma melhoria acentuada a este nível, com valores acima dos 20% – uma grande parte do Algarve tem percentagens entre os 41% e os 60%, e algumas zonas superam os 60% de água no solo.

Estes valores “são suficientes para as culturas de sequeiro”, quer para a floração — a acontecer nesta altura -, quer para o início do crescimento do fruto durante as próximas semanas.

Os concelhos de Silves, Lagoa e Portimão “não apresentam preocupação de maior, tanto pela chuva registada como pelas “obras efetuadas nos últimos anos” no perímetro de rega, que, segundo o diretor regional, contribuíram para “a diminuição das perdas e melhor aproveitamento da água”.

No entanto, a decisão do Governo de passar a utilizar a água da barragem do Funcho, no concelho de Silves, para uso humano — e não só para uso agrícola — deixou os agricultores “com algum receio”.

Pedro Valadas Monteiro considerou a situação “gerível”, mas sublinhou ser essencial “uma boa gestão” por parte dos agricultores, “controlando muito bem a quantidade de água no solo e aplicando apenas o necessário”.

Para o futuro, o diretor regional defendeu que é necessário um reforço do armazenamento e referiu que “retirar água do rio Guadiana” é uma opção — à semelhança do que está a ser feito por Espanha. Isto aconteceria junto ao Pomarão, no concelho de Mértola, distrito de Beja, “já que os últimos estudos indicam que a água do mar não chega a esta zona”.

Outra medida “essencial” é, no seu entender, a construção do açude galgável na ribeira da Foupana, entre Castro Marim e Alcoutim, opção já defendida pelo ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes.

PYD // ROC

O artigo foi publicado originalmente em Visão.

Comente este artigo
Anterior Covid-19: Deputada do CDS defende articulação entre ministérios no tratamento da atividade agroalimentar
Próximo Não, Não está tudo bem no Sector Agrícola

Artigos relacionados

Nacional

Anselmo Mendes defende denominação de origem para Alvarinho de Monção e Melgaço

O novo presidente da Associação de Produtores de Alvarinho (APA) de Monção & Melgaço defendeu hoje a Denominação de Origem (DO) por […]

Blogs

Doenças | UE altera estratégia contra Xylella fastidiosa

A Comissão Europeia abriu uma consulta pública sobre novas medidas para impedir a introdução e a propagação de Xylella fastidiosa. O novo […]

Nacional

Taylor’s regressa a Angola em parceria com a Atlanfina

A Taylor’s, uma das mais antigas casas de vinho do Porto, voltou a apostar no mercado angolano, cerca de oito anos depois de deixar o país devido às “convulsões do mercado”. […]