Projecto AgrosmartGlobal quer apoiar internacionalização de cooperativas europeias

Projecto AgrosmartGlobal quer apoiar internacionalização de cooperativas europeias

Foi apresentado no fim de Outubro, em Santiago de Compostela (Espanha), o projecto AgrosmartGlobal, que envolve 10 entidades, de Portugal, Espanha e França. Este projecto, que termina em Setembro de 2022, visa promover «melhorias para a internacionalização digital nas cooperativas», nomeadamente «facilitar a internacionalização» de produtos cooperativos destes três países para os mercados da China e dos Estados Unidos da América (EUA) «através de estratégias digitais».

Assim, existem vários objectivos, como estabelecimento de relações comerciais com a China e os Estados Unidos da América, intercooperação entre as entidades participantes, desenvolvimento de estratégias de marketing digital, programas de formação e projectos-piloto de internacionalização. De Portugal, participam no AgrosmartGlobal a Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal (Confagri) e a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

Este projecto transnacional é cofinanciado pelo Programa InterregSudoe 2014-2020 – a 75%, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) –, no eixo prioritário da promoção da competitividade e internacionalização das PME no sudoeste europeu, e conta com um orçamento total de 1.598.000 euros. Em Portugal, são abrangidas as regiões Norte, Centro, Lisboa, Alentejo e Algarve.

A Confagri explica que as principais actividades do AgrosmartGlobal se desenvolvem em torno de três vertentes. Por um lado, «a capacidade de diferenciar os produtos das cooperativas agroalimentares será aperfeiçoada e serão feitos esforços para definir medidas para proteger e promover as Indicações Geográficas Protegidas (IGP) e as Denominações de Origem (DOP) nos mercados digitais». Por outro lado, «serão criados serviços de suporte à internacionalização digital, através de uma plataforma on-line para aceder a ferramentas de TIC e serviços de consultoria», sendo que «também se trabalhará com as cooperativas para o desenvolvimento de estratégias de marketing digital para introduzir e posicionar os seus produtos em plataformas de comércio digitais B2B e promoção de missões comerciais à China e Estados Unidos para se estabelecerem laços comerciais». Por fim, também serão concebidos «um programa de formação multidisciplinar e uma rede de networking e de intercooperação entre as cooperativas envolvidas no projecto, bem como com entidades dos mercados-alvo».

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores .

Anterior Espécie rara de abutre avistada pela Palombar no concelho de Mogadouro
Próximo ¿Cómo se aplicará la PAC en 2020-2021?

Artigos relacionados

Nacional

Feira de Magos 2019 de 9 a 12 de Maio em Salvaterra de Magos


Exposições, atividades económicas, artesanato, carrosséis, máquinas agrícolas, equitação e concertos são ingredientes da Feira de Magos 2019 que decorre de 9 a 12 de Maio em Salvaterra de Magos, […]

Nacional

Exportações: Os pequenos frutos são os maiores!

(Artigo publicado na edição de Fevereiro por Luís Medeiros Vieira, secretário de Estado da Agricultura e Alimentação)
Num sector que continua a revelar uma notável dinâmica exportadora, […]

Últimas

Estação Zootécnica Nacional evolui para Centro de Excelência para a Agricultura e a Agro-indústria

A Estação Zootécnica Nacional, pólo de Santarém do INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, vai evoluir para Centro de Excelência para a Agricultura e a Agro-indústria (CEAAI). […]