Fogos de outubro contam para a candidatura ao Fundo de Solidariedade

Fogos de outubro contam para a candidatura ao Fundo de Solidariedade

O Governo vai atualizar a candidatura ao Fundo de Solidariedade Europeu com os fogos de 15 de outubro, estando em perspetiva a alteração do grau de desastre regional para grande catástrofe, disse esta segunda-feira o executivo.

A atualização da candidatura deve decorrer até ao natal e, com a inclusão dos incêndios de 15 e 16 de outubro, deve permitir elevar o grau de desastre ocorrido, passando de desastre regional para grande catástrofe, informou esta segunda-feira o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, que falava aos jornalistas durante a visita da comissária Europeia Corina Cretu à zona afetada pelo grande fogo de Pedrógão Grande.

Vir a atingir e ultrapassar o limiar mínimo para se atingir o conceito de ‘major disaster’ [grande catástrofe]”, que, no caso de Portugal, será de cerca de mil milhões de euros de prejuízo

Nelson Souza

Secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão

Os incêndios de Pedrógão Grande e Góis, em junho, e os fogos ocorridos em agosto na região Centro já tinham permitido atingir o limiar de 500 milhões para concorrer à ajuda do fundo, segundo o conceito de desastre regional, aclarou.

Com os incêndios de outubro, o Governo pensa “vir a atingir e ultrapassar o limiar mínimo para se atingir o conceito de ‘major disaster’ [grande catástrofe]”, que, no caso de Portugal, será de cerca de mil milhões de euros de prejuízo (0,6% do PIB de Portugal). “Isso dará acesso a uma taxa de apoio maior do que aquela que teríamos se fosse apenas um desastre regional”, sublinhou Nelson de Souza.

Até 500 milhões, há um apoio de 2,5% dos danos registados, sendo que essa taxa é majorada para o valor acima desse limiar (de acordo com a Comissão Europeia, é um apoio de 6%). “Seguramente, antes do natal, vamos submeter a atualização“, disse o secretário de Estado, salientando que a perspetiva é a de que haja “uma decisão rápida relativamente a esse assunto” por parte da Comissão Europeia.

“Isso dará acesso a uma taxa de apoio maior do que aquela que teríamos se fosse apenas um desastre regional”

Nelson de Souza

Secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão

Nelson de Souza explicou que o Fundo de Solidariedade Europeu não permite a reconstrução de casas, nem a reposição de empresas, sendo utilizado, maioritariamente, para a recuperação de infraestruturas públicas. A comissária europeia da Política Regional, Corina Cretu, visitou hoje alguns locais afetados pelo grande incêndio de Pedrógão Grande, que fustigou a zona em junho.

Na visita, Corina Cretu esteve acompanhada pelo ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, pelo secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, pelo secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, e pela presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), Ana Abrunhosa.

Comente este artigo
Anterior Comunicação da Comissão sobre o futuro da PAC: mais do mesmo
Próximo Comunicação da PAC resumida a 10 questões e a 2 minutos

Artigos relacionados

Últimas

Governo afirma ter acordo fechado com Bloco e PCP para aprovar reforma das florestas

Lisboa, 18 jul (Lusa) – O Governo fechou hoje um acordo global com o Bloco de Esquerda e PCP para a aprovação em votação final global, na quarta-feira, no parlamento, de quatro dos cinco diplomas da reforma da floresta proposta pelo executivo.
Fonte do executivo disse à agência Lusa que na reunião plenária de quarta-feira, […]

Últimas

Líder do CDS critica descentralização “sem clareza” e “sem recursos”

[Fonte: Público]

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu hoje que o Governo do PS falhou no processo de descentralização, argumentando que foi feito “sem clareza” e “sem recursos”.

“Temos todas as condições para ter uma descentralização mais eficaz. Quando vemos o Governo a lançar o tema da regionalização só […]

Nacional

Debate virtual sobre a governança comunitária de florestas nos países de língua portuguesa – 26 de Novembro a 9 de Dezembro de 2017

As florestas e sua gestão mudaram substancialmente nos últimos 25 anos. Embora globalmente, a extensão das florestas do mundo continue a diminuir à medida que as populações humanas e a procura de alimentos e terras continuam a crescer, a perda foi reduzida em mais de 50% (FAO, […]