No rumo certo? – Jaime Piçarra

No rumo certo? – Jaime Piçarra

Se uma das lições da pandemia foi a resiliência demonstrada pela cadeia alimentar, em particular, ao nível da alimentação animal, que esteve sempre na linha da frente, não é menos verdade que tal só foi possível devido a uma notável cooperação entre todos os intervenientes: fornecedores, indústria, clientes e autoridades oficiais, num enorme sentido de responsabilidade.

E isso dá-nos esperança para o futuro, cada vez mais incerto e imprevisível, para ultrapassarmos esta grave crise que para além de sanitária, é muito profunda do ponto de vista económico e social.

Para já, esperamos que os fundos europeus (a “bazuca” de que tanto se fala), permitam relançar a economia, reforçar as empresas e a sua capacidade de afirmação nos mercados interno e externo, reduzir a burocracia, apostar nas infraestruturas portuárias e na ferrovia, e que possamos ter uma Administração Pública rejuvenescida, mais ágil e flexível, reduzindo os custos de contexto.

É preciso fazer diferente, mais com menos, e temos uma oportunidade que não podemos desperdiçar. Que implica um novo paradigma e um outro modelo de relacionamento e cooperação, sobretudo ao nível da ligação entre as empresas, a academia e a investigação.

Apesar das dificuldades colocadas pela pandemia, a União Europeia traçou uma linha clara que marcará o nosso desenvolvimento coletivo: a aposta na resiliência, na transição para uma economia verde, no combate às alterações climáticas, na digitalização.

Temos assim uma componente de proteção ambiental e de biodiversidade como nunca tivemos no passado, que tem de ser compatibilizada com economia e competitividade, geradora de emprego e de riqueza para Portugal.

O Green Deal e a Estratégia “Do Prado ao Prato” irão influenciar e condicionar os setores da alimentação animal e da pecuária, e toda a agricultura em geral. A IACA já teve oportunidade de se pronunciar e chamar a atenção sobre o impacto negativo de algumas metas, que são sobretudo “aspiracionais”, muito ambiciosas, e cujas preocupações são partilhadas quer pelos nossos parceiros, quer por Estados-membros como Portugal.

Apesar dos alertas, partilhamos das suas linhas gerais e estamos disponíveis para ser parte da solução. No entanto, temos de ter os nossos indicadores e evidências, dados concretos de impacto do nosso Setor e construir a nossa narrativa, numa base científica, sem deixar de assumir compromissos e responsabilidades.

Por isso, assinámos recentemente a Carta de Sustentabilidade FEFAC 2030, temos projetos em curso no quadro do Alentejo 2020, estamos no GO Efluentes e lançámos, com mais 18 entidades, o Laboratório Colaborativo FeedInov, que mostra uma aposta clara na Sustentabilidade e em soluções nutricionais inovadoras para se atingirem os objetivos e os desafios que nos são impostos pela Sociedade.

Apostamos na inovação e na investigação, no conhecimento e na ciência.

No entanto, temos dois grandes condicionantes que vão marcar decisivamente o nosso futuro coletivo, que devem estar interligados: a Agenda de Inovação e a reforma da PAC que, tal como em 1992, pode ser fechada numa presidência portuguesa.

Definidas na semana passada as orientações do Conselho e do Parlamento Europeu, é agora tempo de construir o nosso Plano Estratégico da PAC (PEPAC), com políticas públicas coerentes e dentro da flexibilidade que a Comissão nos “concede”. Aqui chegados, não podemos esquecer as realidades do País, que importa manter na sua diversidade, a dependência de matérias-primas, a soberania alimentar e a relevância da agropecuária no equilíbrio do território e da paisagem, travando o abandono e a desertificação, fixando os jovens no espaço rural.

Embora com uma orientação para o mercado, nunca a multifuncionalidade da agricultura e do espaço rural, introduzida na reforma Mac Sharry de 1992, foi tão atual.

Os 9 objetivos da PAC não se podem esgotar na Política Agrícola mas em políticas públicas que a complementem, seja do ponto de vista ambiental, social ou educacional, nas escolas ou na informação ao consumidor (sistemas alimentares sustentáveis), de saúde pública e segurança alimentar, mas igualmente nos programas de inovação e I&D, na adoção de novas tecnologias que potenciem a agricultura e a alimentação de precisão.

O caminho para a sustentabilidade é irreversível e o modelo que temos pela frente é o de recorrer cada vez menos a ”consumos intermédios”, menor quantidade de inputs e mais eficiência.

Menos intensificação e maior eficiência ecológica, ou seja, não faz mais sentido falar-se em produções intensivas ou extensivas, que apenas contaminam o debate, mas em produções ecologicamente eficientes.

No entanto, este modelo necessita de tecnologia e de inovação e de uma Agenda clara do que Portugal precisa no horizonte 2030.

A Agenda de Inovação recentemente apresentada pela Ministra da Agricultura que fala claramente no FeedInov e do investimento na EZN, vem, no essencial – com a multiplicidade de CoLab (InnovPlantProtect, B2E…), Grupos Operacionais, Centros de Competência, com estratégias de inovação setoriais (CEREALTECH, VALORCER, INOVMILHO, InovTechAgro…), desenvolvimento de novas matérias-primas (algas, insetos, o CEBAL, por exemplo com a esteva) – ao encontro dos nossos objetivos.

Compatibilizar sustentabilidade com competitividade só faz sentido com tecnologia, inovação, experimentação e compromissos, das empresas, das universidades, das unidades de investigação, e com políticas públicas motivadoras, coerentes e inclusivas.

Resta-nos acreditar e que as orientações dos fundos e desde logo a PAC, corporizem esta ambição.

De uma Terra Futura que tem de ser uma Terra com Futuro.

Tudo isto com maior interligação entre todos os Ministérios envolvidos e uma boa articulação entre as diferentes tutelas, que implica também um novo modelo de relacionamento entre o Estado, as empresas e instituições: “cúmplices” no mesmo objetivo.

Porque, não nos iludamos, esta poderá ser a última oportunidade para estarmos no Rumo certo!

Jaime Piçarra

Engº Agrónomo e Secretário-Geral da IACA

Coordenador da Task Force CAP da FEFAC

Representante da FIPA no Comité de Acompanhamento da PAC

Biodiversidade & “Do Prado ao Prato” – Incoerências e ambições: Como assegurar o equilíbrio sem colocar em causa os objetivos? – Jaime Piçarra

Comente este artigo
Anterior El porcino de capa blanca alcanza el precio mas bajo anual
Próximo Siguen bajando los precios en origen del aceite virgen extra

Artigos relacionados

Sugeridas

Novas medidas da CE – Ministra da Agricultura: “não responde em pleno a alguns dos setores que registam mais dificuldades”

Em resposta à declaração conjunta dos Ministros da Agricultura dos 27 Estados-Membros da União Europeia, sublinhando a urgência de […]

Últimas

Live-stream Agroglobal 2020: Agricultura de precisão – 9 de setembro – manhã

Livestream Agroglobal 2020: Agricultura de precisão – 9 de setembro – manhã […]

Últimas

​Salário médio atinge 911 euros no 2.º trimestre, mas maioria recebe valor inferior

O rendimento mensal médio líquido dos trabalhadores por conta de outrem atingiu 911 euros no segundo trimestre, o valor mais alto desde pelo menos 2011, […]