Governo dos Açores apoia o desenvolvimento do setor vitivinícola

Governo dos Açores apoia o desenvolvimento do setor vitivinícola

Governo dos Açores apoia o desenvolvimento do setor vitivinícola, afirma João Ponte

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas assegurou, na ilha Terceira, que o Governo dos Açores vai continuar a apoiar o desenvolvimento do setor vitivinícola e a garantir a autenticidade dos vinhos dos Açores junto dos consumidores.

“Publicámos, em Jornal Oficial, uma portaria que define o regime de produção e comércio de vinhos e demais produtos vitivinícolas com direito à denominação de origem e direito à identificação geográfica”, salientou João Ponte, frisando que uma das principais alterações diz respeito à natureza do vinho, ou seja, fica salvaguardado que, uma marca uma vez utilizada num vinho certificado não possa ser usada num vinho não certificado.

João Ponte falava na inauguração do evento ‘Wine in Azores’, que decorre no Pavilhão Multiusos do Parque Multissetorial, em Angra do Heroísmo, até domingo.

João Ponte destacou ainda que foram recentemente reforçados os mecanismos para garantir a autenticidade dos vinhos açorianos, através do controlo que será feito pela CVR Açores à rotulagem dos vinhos não certificados produzidos ou engarrafados nos Açores, através de um protocolo celebrado entre esta entidade e a Direção Regional do Desenvolvimento Rural.

“O desenvolvimento deste setor, com resultados evidentes na paisagem, na atração de fluxos turísticos e no crescimento das exportações, resulta de uma estratégia vencedora, que exige permanentemente uma sintonia e forte parceria em toda a cadeia de valor da vitivinicultura”, afirmou.

O Secretário Regional salientou a trajetória de sucesso que o setor tem feito e manifestou a expetativa que, nos próximos anos, “os operadores locais percebam o quanto é importante a aposta em vinhos açorianos certificados” para garantir a sustentabilidade desta importante atividade económica, social e cultural.

“Em 2018, a produção de vinho apto a ser certificado atingiu os 450 mil litros, representando a maior produção de vinho apto a ser certificado de sempre, perspetivando-se que em 2020 a quantidade do vinho apto a ser certificado ultrapasse um milhão de litros”, afirmou João Ponte.

O Secretário Regional referiu que o setor da vitivinicultura tem pela frente desafios importantes, desde logo, atrair novos investidores para a transformação das uvas, dado o enorme potencial que existe neste momento em termos de produção de vinho, que ultrapassará nos próximos anos a capacidade de transformação instalada, mas também a procura de novos mercados, capazes de valorizar ainda mais os vinhos únicos e genuínos dos Açores.

Por outro lado, é fundamental assegurar previsibilidade da ajuda à manutenção da produção da vinha DO e IG paga anualmente aos produtores, no âmbito do programa POSEI.

Para o Governo dos Açores, o ‘Wine in Azores’ constitui “uma importante janela de oportunidade, tanto para notabilizar os vinhos genuinamente dos Açores, como para estabelecer contactos e realizar negócios”.

Fonte: www.azores.gov.pt/

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Pres. IFAP considera 700M € insuficientes e diz que “vamos ter de encontrar novas formas de financiamento para alavancar a agricultura”
Próximo 6ª Ação de Demonstração CompetitiveSouthBerries - Framboesa - 9 de maio - Odemira

Artigos relacionados

Nacional

Avaria no principal furo de captação de água afeta ilha de Santa Maria

“O principal furo de captação de água que se localiza na freguesia de Almagreira está inoperacional neste momento devido a avaria da bomba. […]

Últimas

Condições adversas. Precipitação prejudica campanha da cereja. Redução de 30% na produtividade

O mês de Abril alterou por completo o cenário da cultura da cereja que, até ao último dia de Março, perspectivava uma boa campanha. O Instituto […]

Dossiers

Incêndios: Política de gestão florestal é “desastre” que prejudica proprietários, diz especialista

A política de gestão da floresta, desde os incêndios de 2017, tem sido “um desastre”, em que “o ónus cai todo em cima dos proprietários”, […]