Cultivo de canábis vai criar 750 empregos em Portugal

Cultivo de canábis vai criar 750 empregos em Portugal

[Fonte: Observador]

Estão já a ser investidos 160 milhões de euros no cultivo de canábis para utilização medicinal. Empregos a criar vão desde a mão-de-obra agrícola até áreas especializadas na química e farmácia.

O cultivo da planta de canábis para fins medicinais, legalizado e regulamentado em janeiro, vai criar 750 postos de trabalho em Portugal — entre mão-de-obra agrícola até áreas qualificadas como a farmácia, biologia e engenharia química. Esta é a perspetiva das quatro empresas que já se estão a instalar neste setor, que partilharam com o Jornal Económico que já estão a ser investidos valores na ordem dos 160 milhões de euros. No mundo, este mercado vale mais de mil vezes esse valor.

A Sabores Púrpura, uma empresa de Coimbra mas que tem duas plantações em Tavira, Algarve, foi a primeira a receber a autorização (renovada anualmente) do Infarmed para participar nesta indústria — ao Jornal Económico, a empresa indicou que vai investir 100 milhões de euros e criar 400 postos de trabalho.

Outra empresa, de Sintra, a RPK Biopharma terá investido 40 milhões na fábrica em Aljustrel e vai criar 150 empregos. A terceira é a Tilray, uma canadiana que investiu 20 milhões numa fábrica em Cantanhede que está iniciar os trabalhos e contratou Jaime Gama, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, como consultor de produção. Existe, ainda, a Terra Verde, uma empresa que já foi criada em 2014 e opera a partir da região de Setúbal (Ângelo Correia, um histórico do PSD, terá comprado uma participação de 40% nesta empresa).

Comente este artigo
Anterior Apresentação do plano de sustentabilidade: Syngenta leva agricultores portugueses a Bruxelas
Próximo Vai exportar para o Qatar? Consulte a ficha de mercado da Aicep

Artigos relacionados

Sugeridas

Seis áreas críticas da “reforma florestal”

[Fonte: Público]
A política para os eucaliptos e o reforço dos poderes das autarquias são os principais focos de tensão de uma reforma que envolve 12 diplomas legais.
Um processo a passo estugado
Como todas as grandes mudanças legislativas sobre a floresta, esta reforma fez-se sob a pressão dos 160 mil hectares de floresta dizimados pelo fogo no ano passado. […]

Últimas

‘PCP de Coimbra defende “medidas de prevenção estrutural”

Coimbra, 23 jun (Lusa) — O PCP de Coimbra defendeu hoje a necessidade de “medidas de prevenção estrutural, de ordenamento florestal e de defesa da floresta contra incêndios” para evitar situações como as verificadas desde sábado em vários concelhos da região Centro.

Comente este artigo

#wpdevar_comment_5 span,#wpdevar_comment_5 iframe{width:100% !important;} […]

Sugeridas

Já se prefigura seca “terrível” para a agricultura no Alto Alentejo

[Fonte: Público]

Há 20 anos, a água potável que existia no planeta, por habitante, era “quatro vezes mais do que a que temos hoje” alertou, em Beja, o comissário europeu Carlos Moedas.
O que se previa há pouco mais de um mês, está a confirmar-se no Alto Alentejo. […]