Imprevisível?

Imprevisível?

[Fonte: Público]

Aquilo a que na maior parte das vezes se chama “imprevisibilidade” em matéria de fogos é, na verdade, ignorância.

Pedem-me que escreva em cima de incêndios trágicos quando me sinto dividido entre calar-me agora, por respeito para com as vítimas, ou falar agora, por respeito para com as vítimas, as de agora, mas sobretudo as do futuro.

E, no entanto, depois de um sismo, bem mais imprevisível que o fogo, raramente se ouve a mesma ladainha da imprevisibilidade.

A diferença fundamental é que ninguém se lembra de pôr os paramédicos especializados no resgate às vítimas dos sismos a moldar as políticas de prevenção contra sismos, porque não é o contacto directo com os sismos e as suas consequências que qualifica alguém para antecipar o risco sísmico e para desenhar as soluções que nos permitem conviver com esse risco.

Em Portugal, aparentemente, admite-se que o contacto prolongado com os fogos e as suas consequências qualifica as pessoas para a gestão do problema, que está muito a montante desse combate.

Deveria bastar a quantidade de vezes em que os comandos operacionais dos fogos têm de mudar precipitadamente do sítio onde estão instalados, para se perceber que existe um claro problema de leitura do fogo e de antecipação da sua evolução por parte de muitos comandos operacionais.

PÚBLICO -

Não é estranho que assim seja, a verdade é que grande parte dos comandos operacionais não têm preparação sólida em ecologia do fogo, são excelentes profissionais de logística, são homens determinados, muitos deles com uma inexcedível coragem física e dedicação ao bem comum mas, infelizmente, conhecem mal o fogo.

Quando um governante diz que o fogo é imprevisível, o que há é uns académicos que têm umas teorias sobre isso, está claramente a fazer uma opção obscurantista de desprezo pelo conhecimento, apoiando um suposto conhecimento prático sem muito suporte teórico.

Esta opção obscurantista é especialmente grave num país em que o Presidente da República declara, antes de qualquer investigação, que foi feito tudo o que era possível.

Esta opção é especialmente grave quando o representante patronal dos bombeiros (a Liga dos Bombeiros Portugueses não representa os bombeiros, mas sim as corporações de bombeiros) pode dizer impunemente: “98% dos incêndios em Portugal têm origem humana e, desses, 75% são de origem criminosa, não tenhamos dúvidas, e eu desafio as pessoas a que ponham em causa aquilo que eu digo, eu não tenho de provar nada, eles é que têm de provar que eu não tenho razão”, contrariando toda a informação existente, disponível e facilmente acessível sobre o assunto, sem que isso afecte minimamente a sua credibilidade.

Esta opção é especialmente grave num país em que, apesar dos recursos públicos afectos à protecção civil, não existe qualquer avaliação séria e independente do seu desempenho.

E é este desprezo pelo conhecimento que existe, e existe mesmo, aliado a uma fobia à avaliação independente de desempenho, que faz com que se possa invocar sempre a imprevisibilidade, como se não houvesse dezenas de textos a dizer que tragédias como a deste fim-de-semana são apenas uma questão de tempo, se a gestão do fogo se mantiver como tem sido.

O que é imprevisível é apenas o dia em que ocorrem estas tragédias, mas tudo o que nos leva a esta situação é absolutamente previsível.

Há projectos de grande dimensão científica, como o Fire Paradox, assentes exactamente na ideia, mais que comprovada, que quanto mais eficaz for a política de supressão do fogo, mais dramático será o primeiro fogo que fugir do controlo, exactamente porque impedir o fogo em territórios de acumulação de matos e folhada é encher barris de pólvora, à espera de uma das milhares de origens que pode ter uma ignição.

O que não nos impede de continuar a ter como doutrina base a ideia de que todos os fogos devem ser suprimidos à nascença e que, na suposta reforma das florestas, o plano nacional de fogo controlado o exclua exactamente dos sítios onde faz mais falta: os povoamentos florestais.

E isso não nos impede de ter o ministro da Agricultura a usar os dinheiros do mundo rural para “domesticar os mercados”, isto é, através de subsídios à produção em sectores que estão livremente no mercado, como o leite e a carne de porco, em vez de os usar para resolver as falhas de mercado em sectores que produzem serviços de ecossistema que nos são úteis, como gerir os matos. As propostas para pagamento de serviços, como a gestão de matos, quer na pastorícia, quer na resinagem, quer mesmo na gestão da biodiversidade, têm sido sistematicamente recusadas.

É mais que previsível que a ausência de competitividade de grande parte do sector florestal, a ausência de pagamento de serviços de ecossistema no mundo rural e o desprezo pelo conhecimento de ecologia do fogo nos levem onde estamos agora.

Tal como é previsível que, em alguns dias de alguns anos, haja condições meteorológicas extremas para as quais os territórios devem ser preparados com tempo e inteligência: ninguém tem soluções miraculosas para problemas tão complexos, é mesmo preciso seguir Camões, “honesto estudo com longa experiência misturado”.

O que implica a integração entre prevenção e combate, isto é, a presença de profissionais de gestão do território que trabalhem todo o ano para criar condições de contenção do fogo, isto é, zonas de diminuição da carga combustível, e que depois, em situação de combate, as conheçam como as palmas das suas mãos e as utilizem para parar os fogos.

Pretender que problemas desta magnitude e complexidade se resolvem com voluntários é retomar a velha discussão do princípio do século XX que Pedro Almeida Vieira lembrou, um destes dias, da profissionalização ou não das enfermeiras.

O absurdo que hoje reconhecemos em pretender que a dedicação inegável das enfermeiras voluntárias poderia ser mais eficaz que a sua profissionalização é o absurdo que um dia reconheceremos na ideia peregrina de que o combate aos fogos deve ser primordialmente feito por voluntários que desconhecem os terrenos que pisam e não fazem a menor ideia de onde andaram os pastores, ou os resineiros ou se fez um fogo controlado.

Aquilo a que na maior parte das vezes se chama “imprevisibilidade” em matéria de fogos é, na verdade, ignorância.

Uma das armas mais letais que existem.

 

Comente este artigo
Anterior Proteção Civil: “combate ao incêndio evolui favoravelmente nos três distritos”
Próximo ‘Que se los fume Trump’: La campaña de boicot que ha permitido la venta de tabaco extremeño a la multinacional BAT

Artigos relacionados

Nacional

Madeira fechou ano de 2016 com mais 60 empresas

[Fonte: Agricultura e Mar]
O saldo entre o número de constituições e de dissoluções de sociedades na Região Autónoma da Madeira, em 2016, foi positivo. Segundo os dados fornecidos pela Direcção-Geral de Política de Justiça ao Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2016, o número de constituições de sociedades (878) com sede na Região Autónoma da Madeira foi superior ao de dissoluções (818), […]

Últimas

Trioza erytrea – psila africana dos citrinos

[Fonte: ffl revista]
Quadro 1: Lista de hospedeiros
Quadro 2 – Lista de inimigos naturais da T. erytreae
MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS A APLICAR EM TODA A ZONA DEMARCADA
(Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária – Oficio Circular n.º 18/2015, 2 de Julho)

Em citrinos isolados e pomares localizados em freguesias positivas:

Os proprietários de citrinos localizados em freguesias em que a praga está […]

Nacional

J. Faria & Filhos ganha medalha de ouro no Chile com Branca Fire Rum da Madeira

[Fonte: Agricultura e Mar]
O Branca Fire Rum da Madeira da J. Faria & Filhos recebeu uma medalha de ouro no Chile. A qualidade do Rum Agrícola da Madeira (aguardente de cana-de-açúcar) produzido pela empresa madeirense, através dos Engenhos do Norte, localizados no Porto da Cruz, […]