Acordo de Princípio UE-MERCOSUL – Primeira análise dos termos do acordo

Acordo de Princípio UE-MERCOSUL – Primeira análise dos termos do acordo

[Fonte: GPP] Em 28 junho de 2019 os negociadores da UE e do MERCOSUL chegaram a um acordo político no contexto das negociações do Acordo de Comércio Livre (ACL) entre a UE e o Mercosul, na parte comércio de bens (produtos agrícolas e agroalimentares) e nos temas associados, com particular importância no que respeita aos produtos agrícolas e agroalimentares para as questões Sanitárias e Fitossanitárias e Indicações Geográficas.

Este Acordo de Princípio deverá traduzir-se ainda em textos finais e respetivas ofertas de acesso aos mercados os quais deverão posteriormente ser sujeitos a uma ratificação política final.

De uma forma sintética o acordo resulta na eliminação gradual dos direitos aduaneiros sendo eliminados em 93% das rubricas pautais relativas às exportações agroalimentares da UE para os países do Mercosul. Estas linhas correspondem a 95% do valor das exportações dos produtos agrícolas da UE. Por sua vez, a UE liberalizará 82% das importações agrícolas, ficando as importações remanescentes sujeitas a compromissos de liberalização parcial, incluindo quotas tarifárias para produtos sensíveis.

Importação

Os produtos sensíveis que foram objeto da fase final de negociação encontram-se assinalados abaixo, sendo os contingentes atingidos em seis etapas anuais iguais, à exceção das ramas de açúcar em que os direitos são suprimidos na totalidade na data de entrada em vigor do acordo:

  • Carne Bovina – contingente global de 99.000 t, expressas em peso equivalente carcaça, com um direito de 7,5% e direito nulo para a carne Hilton Beef.
  • Carne de Aves – contingente global de 180.000 t, com direito nulo.
  • Carne de Suíno – contingente de 25.000 t, com direito de 83 euros/t.
  • Ramas de Açúcar – acesso preferencial para ramas de cana-de-açúcar – 180.000 t para o Brasil e 10.000 t para o Paraguai, com direito nulo.
  • Arroz – contingente de 60.000 t, com direito nulo.
  • Mel – contingente de 45.000 t, com direito nulo.

O acordo envolve também melhorias recíprocas nos seguintes produtos, faseadas em 10 anos:

  • Queijos – 30.000 t com direito nulo.
  • Leite em pó – 10.000 t com direito nulo.
  • Fórmulas infantis – 5.000 t com direito nulo.

O acordo permitirá, ainda, que as indústrias da UE se aprovisionem com matérias-primas de alta qualidade, mais competitivas, ao reduzir/eliminar taxas à exportação e outras medidas restritivas que o Mercosul impõe atualmente às exportações para a UE, a exemplo dos produtos da soja.

Exportação – interesses de uma melhoria do acesso ao mercado do MERCOSUL

O Acordo de Princípio consigna uma série de produtos-chave de interesse à exportação: vinho, bebidas espirituosas, azeite, frutas frescas (maçãs, peras, nectarinas, ameixas e kiwis, a liberalizar à data de entrada em vigor do Acordo), pêssegos enlatados, conservas de tomate, malte, batata congelada, carne de suíno, chocolates, bolachas, refrigerantes.

Dado o interesse de algumas das exportações nacionais, com particular expressão para o sector do azeite, vinho, frutas e produtos transformados aguarda-se a transposição na oferta MERCOSUL para conhecer qual a real dimensão da liberalização e o prazo em que ela será atingida.

Nos produtos em causa, destaque para:

Pera – direito atual de 10%, oferta de eliminação do direito à data de entrada em vigor do acordo.

Maça – direito atual de 10%, oferta de eliminação do direito à data de entrada em vigor do acordo.

Pêssego – direito atual de 10%, oferta de eliminação do direito à data de entrada em vigor do acordo.

Kiwi – direito atual de 10%, oferta de eliminação do direito à data de entrada em vigor do acordo.

Azeite – direito atual de 31,5% argentina, 10% outros países. Até ao acordo de princípio estava excluído da liberalização. Prazo para liberalização ainda não especificado.

Vinhos – direito atual é de 27% no Brasil, 20% nos outros EM Mercosul. Prazo para liberalização ainda não especificado.

Carne de suíno – direito atual de 10%. Prazo para liberalização ainda não especificado.

Tomate preparado – direito atual de 14%. Prazo para liberalização ainda não especificado.

Comente este artigo
Anterior Agricultura em Marte? Investigadores de Harvard descobrem solução
Próximo São Miguel recebe formação sobre boas práticas na cultura do ananás em Outubro

Artigos relacionados

Notícias florestas

Presidente da Câmara de Viseu não quer show off: “Nunca fiz limpeza de matas, não vou simular que estou a fazer”

[Fonte: Observador]
O presidente da Câmara de Viseu vai faltar à limpeza de matas porque não é “um político de show off”. […]

Comunicados

ADP fertilizantes chega ao Agroportal como parceiro principal

Chegou a hora dos Fertilizantes entrarem no Agroportal, e nada melhor do que acontecer pela mão da ADP fertilizantes […]

Sugeridas

Aspetos importantes sobre a peste suína africana (ASF)

A peste suína africana (ASF) é uma doença altamente contagiosa e mortal que afeta porcos domésticos e selvagens, independentemente da idade e sexo. […]