A neutralidade carbónica: desafios para o sector agrícola português – Francisco Avillez, João Maria Carvalho e Gonçalo Vale

A neutralidade carbónica: desafios para o sector agrícola português – Francisco Avillez, João Maria Carvalho e Gonçalo Vale

Acaba de ser publicada a Resolução do Conselho de Ministros (RCM) n.º 107/2019 que aprova o Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050 (RNC 2050).

O RNC 2050 foi mandado elaborar pelo Governo Português como apoio ao compromisso por ele assumido, em 2016, de atingir até 2050 a neutralidade carbónica, de modo a contribuir para os objetivos definidos em 2015 no âmbito do Acordo de Paris.

O objetivo visado pelo RNC 2050 é o de “explorar a viabilidade de trajetórias que conduzam à neutralidade carbónica, de identificar os principais vetores de descarbonização e de estimar o potencial de redução dos vários sectores da economia nacional, como sejam a indústria, a mobilidade e os transportes, a agricultura, as florestas e outros usos dos solos, os resíduos e as águas residuais” (RCM n.º 107/2019).

A AGRO.GES fez parte da equipa técnica[1] responsável pela elaboração do RNC 2050, no âmbito do qual ficou encarregue dos sectores da agricultura, floresta e outros usos dos solos.

Os relatórios técnicos elaborados pela AGRO.GES vêm apresentados de forma resumida no Anexo do RCM em causa e as suas versões completas irão ser, dentro em breve, disponibilizadas pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

Pareceu-nos, no entanto, justificar-se a elaboração deste artigo que visa a apresentação do contributo que o sector agrícola português poderá vir a ter para a descarbonização da economia portuguesa ao longo das próximas décadas, análise esta que irá ser apresentada de acordo com os seguintes aspetos:

  • a contribuição atual do sector agrícola português para as emissões de GEE;
  • as trajetórias de emissões de sequestro de GEE previstas para as próximas três décadas;
  • as principais medidas mitigadoras e sequestradoras preconizadas e respetivas implicações de natureza política.

Em breve procedemos à elaboração de um artigo semelhante em relação ao contributo da AGRO.GES no âmbito do sector florestal nacional.


[1] Esta equipa, que trabalhou em estreita colaboração com a APA, integrou, para além da AGRO.GES, a GET2C, a FCT – Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, a Lasting Values e a J. Walter Thompsom Lisboa.

→ Leia aqui o artigo técnico completo ←

Francisco Avillez
João Maria Carvalho
Gonçalo Vale

Comente este artigo
Anterior Mação. Autarca diz que arderam três mil hectares. "Está em risco de desaparecer o que sobrou de 2017"
Próximo 8500 hectares ardidos entre Vila de Rei e Mação

Artigos relacionados

Opinião

Acordo UE- Canadá: chegou a carne de bisonte – Lopo de Carvalho

O Parlamento Europeu, câmara eleita por todos os cidadãos europeus, aprovou o acordo comercial entre a União a 28 e o Canadá (CETA). […]

Sugeridas

Aprender com as Crises – Jaime Piçarra

Se olharmos para os últimos 15 anos, concluímos que a evolução do setor agroalimentar e, naturalmente, da Fileira Pecuária, foi marcada por duas alterações fundamentais: do lado da oferta, […]

Opinião

Barragem do Pisão – reflexões para um futuro sem desertificação – José Maria Amorim da Costa Falcão

Em plena seca violenta, na Primavera de 2017, pusemos as mãos à obra depois de uma conversa telefónica na qual se decidiu que a APAP – Associação de Produtores Agrícolas de Precisão, uma jovem start-up da região do norte Alentejo […]