​Uma campanha pelos ares: com a época de incêndios à porta, Rangel sobrevoou área ardida em 2017

​Uma campanha pelos ares: com a época de incêndios à porta, Rangel sobrevoou área ardida em 2017

[Fonte: Rádio Renascença]

Paulo Rangel passou o dia em visita às áreas afectadas pelos incêndios de 2017. Apertadas como são as agendas de campanha, percorrer tudo por terra num dia só era pedir demais, a campanha optou por ver do céu o que o fogo destruíu.

Na companhia de Xavier Viegas, diretor do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais, o cabeça de lista do PSD sobrevoou as zonas de Pedrógão, Pampilhosa da Serra, Tábua, Lousã e Oliveira do Hospital, e ouviu os alertas do especialista sobre a falta de ordenamento e a rápida regeneração do eucalito que – segundo Xavier Viegas – pode dar origem a novos grandes incêndios dentro de dois ou três anos, mesmo nas áreas que arderam em 2017.

Alertas que Paulo Rangel aproveitou para criticar o governo, que nas vésperas da época de incêndios, voltou a fazer mudanças na estrutura da Proteção Civil.

Faz “lembrar o que aconteceu em 2017, com várias mudanças de chefias meses antes do verão”, disse o candidato, acrescentando que espera que tudo corra bem, apesar das várias preocupações suscitadas pela falta de prevenção.

Outro exemplo foi o SIRESP, que Rangel considera um exemplo de total incompetência e incapacidade de previsão: “os portugueses não querem saber se o SIRESP é público ou é privado, querem é que preste um bom serviço aos cidadãos”. Mais importante, para o candidato, é que o governo tenha demorado dois anos para tomar uma decisão: “chegámos a 14 de Maio de 2019 e estamos como estávamos em outubro de 2017”, acusou.

O IP3, a sinistralidade e um candidato com os dossiers na ponta da língua

O PSD quis mostrar mais um exemplo de obra por fazer, não poupando oportunidades para atacar o adversário Pedro Marques, ex-ministro do Planeamento e Infraestruturas.

Para mostrar os bastidores, desceu do IP3 ao nó da Espinheira, onde parte da estrutura rodoviária apresenta danos visíveis apenas deste ângulo: parece, aos olhos da repórter leiga em construção e obras públicas, que está em risco de queda uma parte do tabuleiro. Os militantes da concelhia do PSD explicaram que é assim há mais de 3 anos, e que lá em cima esta parte lateral está interdita à circulação, mas as queixas sobre a falta de uma nova ligação entre Coimbra e Viseu têm muitos mais anos.

Paulo Rangel não pára nem um segundo para responder à pergunta de um jornalista sobre essa promessa adiada de vários governos: “Claro que sim, mas se quer factos, falamos de factos”.

E dispara, sem pestanejar, os números que demostram um aumento da sinistralidade rodovária. Em 2016 morreram 445 pessoas nas estradas portuguesas, em 2017 foram 510, em 2018 foram 513 e “este ano já vamos com mais 9 do que no ano passado à data de 8 de Maio”, conclui sem hesitações, apesar da precisão dos números.

Paulo Rangel passou o dia acompanhado por Álvaro Amaro, número 5 da lista do PSD às europeias, e autarca da Guarda, e Lídia Pereira, segunda da lista e presidente do Yepp, a organização da juventude do PPE – PArtido Popular Europeu.

Na caravana está apenas uma pessoa da direção nacional do PSD, Maló de Abreu, vice-presidente do partido, e muito próximo de Rui Rio.

Comente este artigo

O artigo ​Uma campanha pelos ares: com a época de incêndios à porta, Rangel sobrevoou área ardida em 2017 foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Anterior Prolongamento da proibição de queimadas e de queimas de sobrantes de exploração
Próximo Governo prolonga proibição de queimadas em dez distritos até 16 de maio

Artigos relacionados

Últimas

Açores premiados em evento internacional por investigação aplicada em recursos cinegéticos

[Fonte: Açoriano Oriental]

O secretário regional da Agricultura e Florestas considerou que o prémio “Investigação Aplicada em Recursos Cinegéticos”, […]

Sugeridas

Governo vai suspender apoio ao investimento em olival no Alqueva

[Fonte: O Jornal Económico]

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, considera que as implicações do olival têm sido “distorcidas” pela opinião pública e não têm as pressões ambientais que lhe são atribuídas. […]

Últimas

Vinhos do Tejo na Polónia: aposta na promoção faz triplicar as vendas

[Fonte: Agricultura e Mar]
A Polónia é um dos países que a Comissão Vitivinícola Regional do Tejo (CVR Tejo) identificou como prioritários para a exportação dos Vinhos do Tejo. […]