Reservas de água no Alentejo muito perto do fim, agricultores continuam a alimentar animais à mão

Reservas de água no Alentejo muito perto do fim, agricultores continuam a alimentar animais à mão

[Fonte: Rádio Campanário] As primeiras chuvas chegaram com o outono mas a seca teima em castigar os agricultores.

Segundo o IPMA, entre maio e outubro, apenas em agosto o nível de precipitação atingiu o considerado normal, nos restantes meses tem sido sempre inferior.

Agricultores afirmam que a chuva que tem caído não é em quantidade suficiente ou significativa, garantem que não chega a penetrar o solo. As reservas continuam desta forma muito perto do fim e os animais continuam a ser alimentados à mão, numa altura em que os produtores esperavam já haver erva nos campos.

A esperança de todos é que o inverno seja chuvoso, uma vez que apesar da chuva que outubro trouxe, a seca continua a afetar todo o território continental, sendo particularmente preocupante a sul do país.

Comente este artigo
Anterior E se toda a agricultura fosse biológica? A produção alimentar poderia diminuir e os gases de estufa aumentar
Próximo Visita Vitivinícola da APH volta ao Alentejo

Artigos relacionados

Últimas

AgroVida Junho – PAC 2021-2027: um veto, se preciso for – Editorial de Teresa Silveira

Os números não mentem. Ainda que possam ser torturados. E, olhando para os divulgados esta semana pelo Ministério da Agricultura a partir do IFAP, quanto à evolução, crescente, das candidaturas às ajudas da Política Agrícola Comum (PAC) […]

Nacional

Transitex transporta pêra Rocha para a feira FHC 2019 na China

No âmbito da participação da Associação Nacional de Produtores de Pêra Rocha (ANP) na 23.ª edição da feira internacional Food & […]

Revistas

A chegada da Mercadona na Vida Económica – Suplemento Agrovida

Editorial Sã concorrência no retalho
A retalhista espanhola Mercadona definiu um plano de internacionalização que prevê a abertura, em 2019, de quatro supermercados no Grande Porto. […]