Outra crise de preços nos alimentos? – José Diogo Albuquerque

Outra crise de preços nos alimentos? – José Diogo Albuquerque

O índice de preços alimentares da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) registou em janeiro de 2021 o oitavo mês consecutivo de aumento de preços, o aumento seguido mais longo da última década e o maior aumento desde 2014.

A questão que se está a perguntar é se iremos voltar aos níveis de 2010, com subidas de preços de alimentos record e uma grande volatilidade.

Os ingredientes para uma receita de aumento de preços estão todos lá. E têm sobretudo que ver com a conjuntura atual e com as implicações da pandemia.

Primeiro, a China está a constituir stocks de cereais à medida que vai repondo o seu efetivo de porcos, reduzido pela peste suína africana, o que baixa a disponibilidade para os outros países.

Segundo, a produção de cereais foi menor do que a esperada nos Estados Unidos e as perspetivas são baixas na União Europeia, Rússia, Tailândia e América do Sul.

Terceiro, as taxas às exportações de cereais pela Rússia e, possivelmente, pela Argentina, limitam a oferta.

Finalmente, temos as implicações dos confinamentos e desconfinamentos por causa da Covid. Por um lado, levaram as pessoas a comprar alimentos e medicamentos para armazenar em casa. Por outro, os desconfinamentos impulsionaram as pessoas a gastar mais. Ora, ambos os fatores contribuem para uma inflação dos preços. Os artigos de Jaime Piçarra e Maria Carvalho no Agroportal explicam bem esta conjuntura.

Não sabemos o futuro próximo, mas os especialistas do sector alimentar e agricultura, em geral, consideram que o risco de aumento de preços é real, embora talvez não tão generalizado como em 2008.

Voltamos a ficar preocupados, como estivemos há 13 anos. Mas também como estivemos no ano passado, aquando do aparecimento do Coronavírus.

A verdade é que existe uma tendência natural para dar por garantidos o abastecimento de alimentos e a agricultura. Em 2008, com a crise de preços altos, houve falta de alimentos em alguns pontos do mundo, açambarcamentos e motins. Viveu-se uma realidade que não se imaginava.

No entanto, bastaram uns anos de normalidade para voltar-se a dar como garantida a produção de alimentos. Aliás, pior que garantido, o sector foi injustamente criticado nas eleições legislativas portuguesas, o Ministério da Agricultura foi reduzido e tiraram-lhe competências.

Chegámos ao ponto de um reitor proibir o consumo de carne de vaca na Universidade e de termos a telescola a apresentar um slide que, em traços largos, ensinava aos alunos que os impactos da exploração de recursos agropecuários eram nocivos para a saúde humana e para o ambiente.

E tivemos a agricultura nas últimas eleições legislativas como tema de troca de argumentos baseados em desconhecimento, ideias pré-concebidas e agendas políticas (os candidatos a Presidente da República neste tema foram mais razoáveis).

No ano passado, em março, apanhámos um susto. Com o primeiro confinamento, houve a dúvida se teríamos alimentos suficientes. Felizmente, o susto durou pouco tempo: foi pedido ao sector agrícola para continuar a trabalhar, ainda que com novas restrições e dificuldades.

O sector deu resposta, mostrando-se resiliente, e continuou a produzir. Os supermercados organizaram-se e o escoamento de alimentos foi assegurado.

Chegamos à data de hoje, com uma conjuntura mundial que pode afligir. Mas com a certeza, porém, que temos um sector agrícola nacional e europeu mais moderno, resiliente, com as ferramentas de inovação tecnológica e gestão chaves para produzir mais com menos impactos no ambiente e com uma política agrícola europeia que confere aos empresários agrícolas estabilidade e modernização.

Haja reconhecimento social e governamental aos nossos agricultores e um Ministério com dimensão e competências técnicas para o apoiar.

O artigo foi publicado originalmente em Eggas.

Olhem bem para a agricultura, meninos da cidade – José Diogo Albuquerque

Comente este artigo
Anterior Vai avançar projecto de valorização e preservação do pêro de Monchique
Próximo 6 anos após da inauguração, Barragem de Veiros regista o primeiro enchimento e já está a descarregar

Artigos relacionados

Cotações ES

Diciembre arranca con pocos cambios en los precios del aceite

Fuentes de Oleoestepa tan solo destacan el incremento registrado en los precios del lampante por el aumento de la demanda, mientras que el resto de calidades se mantuvieron estables. Se cerraron […]

Últimas

Legislativas. Jerónimo de Sousa defende “viragem na política ambiental”

“Os sucessivos governos têm vindo a avançar com processos de desresponsabilização do Estado também na área do ambiente, com incentivo à […]

Últimas

Mel português reconhecido mundialmente

Depois do prémio de melhor mel ibérico monofloral de rosmaninho com que foi distinguida em 2018, em concurso a nível da Península Ibérico […]