Vai avançar projecto de valorização e preservação do pêro de Monchique

Vai avançar projecto de valorização e preservação do pêro de Monchique

No dia 17 de Fevereiro, pelas 10 horas, será celebrado o Protocolo de Cooperação Institucional entre a Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve (DRAP Algarve), e o Município de Monchique, com vista ao desenvolvimento e implementação de um projecto conjunto para a preservação e valorização do Pêro de Monchique como produto tradicional, através da instalação de um Campo de Demonstração e de uma Colecção de pêro de Monchique que conterá uma réplica das diversas variedades existentes na Colecção instalada no Centro de Experimentação Agrária de Tavira (CEAT) da DRAP Algarve.

O protocolo será homologado pelo secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Rui Martinho, presente na sessão online, onde serão intervenientes o director Regional, Pedro Monteiro, e o presidente da Câmara Municipal de Monchique, Rui André, contando também com a participação dos técnicos António Marreiros e Sónia Martinho, representantes de cada uma das entidades empenhadas na implementação do projecto.

A prospecção, recolha, preservação e caracterização dos Recursos Genéticos Vegetais Regionais tem sido uma prioridade da DRAP Algarve, complementada com o estudo agronómico e de adaptação desses recursos às condições edafoclimáticas locais, do importante património genético tradicional de fruteiras, onde se inclui o pêro de Monchique.

No escopo das suas atribuições e da sua circunscrição territorial, cabe à DRAP Algarve incentivar acções e projectos de intervenção no espaço rural e de programas ou planos integrados de desenvolvimento rural.

Após um intenso trabalho da DRAP Algarve, de mais de uma década, na reinstalação, manutenção e caracterização de uma colecção de variedades tradicionais do pêro de Monchique, instalados no CEAT após recolha na região de Monchique nos finais do séc. XX, o principal objectivo é agora, através da celebração deste protocolo, “devolver” a essa região e aí instalar um duplicado da colecção que preserva material genético único, cuja manutenção nesse território terá sido severamente ameaçada nos grandes incêndios do passado recente.

A instalação do campo de demonstração do pêro de Monchique permitirá a recuperação de uma área agrícola inserida na zona envolvente ao Convento de Nossa Senhora do Desterro, um antigo convento da “Ordem Terceira Regular de São Francisco”, fundado em 1631, cuja importância para o concelho remonta ao desenvolvimento da actividade agrícola, com o incremento de técnicas agrícolas e de regadio, dinamizadas pelos monges franciscanos.

É intenção do município adquirir as restantes parcelas desta quinta de modo a reabilitar toda a zona envolvente ao Convento, devolvendo-lhe as funções agrícolas que outrora desempenhava. Esta iniciativa vem reforçar o efeito defensivo deste anel, criando um mosaico de gestão de combustível que permitirá aumentar a protecção da vila aos incêndios rurais.

Assim, este projecto conjunto de preservação e valorização do pêro de Monchique «traz uma oportunidade inquestionável para valorização deste produto tradicional», reforçam na nota à imprensa.

Poderá assistir à sessão, em direto, a partir da página Facebook da DRAP Algarve.

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas, Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior Escassez deixa pequenos produtores de Aljezur sem acesso a água para rega
Próximo Outra crise de preços nos alimentos? - José Diogo Albuquerque

Artigos relacionados

Nacional

Governo investe mais 60 milhões de euros em regadio para todo o país


GOVERNO INVESTE MAIS 60 MILHÕES DE EUROS EM REGADIO PARA TODO O PAÍS
Está já aberto mais um novo concurso para apresentação de candidaturas ao Programa Nacional de Regadios (PNRegadios). […]

Últimas

Açores: Programa “Açores Bio21” já percorreu cinco ilhas e tem elevado papel dos agroalimentos

No âmbito do programa da Secretaria Regional da Agricultura e do Desenvolvimento Rural “Naturalidade da Terra – Açores Bio21”, o primeiro […]

Nacional

Extinção de 600 plantas nos últimos 250 anos “é uma má notícia para todas as espécies”

A extinção de plantas está a ocorrer 500 vezes mais depressa do que seria expectável

Nos últimos 250 anos, 571 espécies de plantas foram extintas, […]