Comer feijoada é bom para perder peso?

Comer feijoada é bom para perder peso?

[Fonte: Publico]Portugueses comem menos leguminosas do que o recomendado. Universidade de Lisboa organiza nesta quinta-feira uma conferência para discutir como será possível aumentar o consumo e a produção.

Quando a nutricionista Isabel do Carmo sugere a um dos seus pacientes que coma, por exemplo, uma feijoada ou um prato de racho num regime alimentar em que o objectivo é perder peso, recebe muitas vezes um olhar surpreendido. Feijoada não é um prato que associemos a dieta. E, no entanto, diz, “tanto o feijão como o grão são bons para perda de peso”.

Porquê? “Têm menos calorias, para o mesmo peso, do que massa ou arroz”, explica. O que significa que se pode comer uma quantidade um pouco superior, ficando mais saciado. “Dão maior saciedade e, portanto, maior satisfação”.

Isabel do Carmo, fundadora da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade, é uma das oradoras na mesa-redonda da 1.ª Conferência Anual do Colégio F3 (Food, Farming and Forestry), nesta quinta-feira, no Salão Nobre da Reitoria da Universidade de Lisboa, com o tema “Produção e Consumo de Leguminosas: um passado com futuro?”, onde vai defender precisamente um “regresso ao futuro” que passa por “feijoadas, ranchos e outras almoçaradas”.

Os portugueses comem menos leguminosas do que o recomendado — estas deveriam representar 4% da roda dos alimentos e não representam mais do que 0,7%. Isabel do Carmo nota resistências quando fala no tema, sobretudo da parte dos jovens. “Quando as leguminosas são secas têm uma confecção mais morosa porque é preciso pô-las de molho na véspera e esse foi um factor que levou as pessoas a abandoná-las.” Há, contudo, os enlatados que “perdem alguma qualidade mas ainda conservam bastante”.

Os portugueses comem menos leguminosas do que o recomendado — estas deveriam representar 4% da roda dos alimentos e não representam mais do que 0,7%

Depois há a questão do tempo. Feijoada não é fast food. É um prato que se come devagar e que se digere devagar. “O feijão tem amido resistente, que, como o nome indica, resiste à acção das enzimas digestivas. E isso não só dá uma maior sensação de saciedade como diminui a absorção dos hidratos de carbono”, explica a nutricionista.

Aumento do consumo de carne
Mas, atenção, a ideia não é comer uma daquelas feijoadas cheias de carnes e em que o feijão é apenas um acompanhamento. É fundamental que o aumento do consumo de leguminosas seja acompanhado por uma diminuição do consumo de proteína animal. O que trouxe um grande desequilíbrio à nossa alimentação nas últimas décadas foi precisamente o enorme aumento da carne.

Numa tese sobre os benefícios económicos e ambientais da expansão da produção de feijão e grão-de-bico, Maria da Piedade Malheiro, do Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, traça um quadro que nos permite perceber o que aconteceu: entre 1970 e 2000 o consumo de carne aumentou cerca de 70% e o de leguminosas caiu 55,5%.

O feijão tem amido resistente, que, como o nome indica, resiste à acção das enzimas digestivas. E isso não só dá uma maior sensação de saciedade como diminui a absorção dos hidratos de carbono

Isabel do Carmo
Ou seja, a proteína vegetal foi substituída — e ultrapassada em muito — pela animal. E juntamente com a proteína animal vem a gordura animal, que hoje consumimos em excesso. A par disso, comendo menos leguminosas, ingerimos também menos fibra.

Apesar de o feijão e o grão serem os mais consumidos em Portugal, as lentilhas, as favas e as ervilhas são também recomendadas por Isabel do Carmo. “Temos necessidade de aminoácidos essenciais que o organismo não fabrica. As leguminosas são ricas nisso, embora não tanto como a carne ou o leite. Mas pode-se conjugar as duas coisas numa dieta equilibrada.”

O tremoço e a soja
E depois há o tremoço, bastante popular em Portugal, que tem a vantagem de ter, no nosso organismo, “uma absorção muito pequena de hidratos de carbono em relação ao seu volume, o que significa uma diminuição da absorção de açúcar”. Já a soja — que Portugal não produz — não entusiasma a nutricionista. “Nós, povos da Europa, da Península Ibérica, não temos os organismos habituados ao consumo de soja” como acontece com alguns povos asiáticos. Por isso, diz, não faz muito sentido introduzi-la agora com um papel importante na nossa alimentação.

Com Isabel do Carmo na mesa-redonda da Conferência do Colégio F3 (entre as 10h e as 13h) estarão Helder Muteia, representante em Portugal da Organização para a Alimentação e a Agricultura das Nações Unidas (FAO), Charles Godfray, professor na Universidade de Oxford e director do programa Futuro da Alimentação, Eduardo Diniz, director-geral do Gabinete de Planeamento e Políticas do Ministério da Agricultura, Florestas e do Desenvolvimento Rural e Vítor Martins dos Santos, director do Centro de Biológia Sintética e de Sistemas da Universidade de Wageningen, na Holanda.

À tarde, entre as 14h e as 17h30 haverá um workshop no qual vários investigadores da Universidade de Lisboa apresentarão trabalhos ligadas ao desafio do aumento de consumo e produção de leguminosas — um objectivo anunciado pelas Nações Unidas para 2016, Ano Internacional das Leguminosas.

O Colégio F3 – que integra 12 Escolas da Universidade de Lisboa nas áreas de ciências naturais e sociais e que visa promover o conhecimento transdisciplinar ligado à alimentação, agricultura e florestas, associa-se assim à iniciativa da Nações Unidas. A conferência é aberta ao público, com inscrição gratuita mas obrigatória.

O artigo “Comer feijoada é bom para perder peso?” foi publicado originalmente em Publico.pt

Comente este artigo
Anterior Crédito Agrícola parceiro do Agroportal
Próximo El embalse de Alqueva. Una oportunidad para invertir y exportar - 26 de Outubro 2016

Artigos relacionados

Nacional

Dominado fogo em Azeméis que chegou a envolver mais de 400 operacionais

[Fonte: Rádio Renascença]

O incêndio que lavrava em Oliveira de Azeméis, no distrito de Aveiro, desde as 03h30 de terça-feira e que chegou a ser combatido por 436 bombeiros foi dado como dominado às 23h00, revelou fonte do comando das operações. […]

Últimas

Madeira: candidata do CDS quer defender na UE regime específico para agricultura em poios

[Fonte: O Jornal Económico]

A candidata do CDS-PP Madeira às eleições europeias, Margarida Pocinho, assumiu, na passada quinta-feira, o compromisso de defender na União Europeia um regime específico para a agricultura em poios, “para valorizar a paisagem e um património único com impactos positivos no turismo, […]

Internacional

La revisión de la PAC, pero sobre todo los efectos del Brexit, marcarán 2017 para el campo en la UE

[Fonte: Agroinformacion]  La Unión Europea (UE) inicia un año de debates, en el que se conocerán las primeras propuestas sobre una nueva reforma de la Política Agrícola Común (PAC), aunque no será inicialmente hasta final de año cuando se den a conocer las propuestas planteadas al sector por parte de la CE, […]