Visita de acompanhamento da DRAPLVT às inspeções de frutos de citrinos importados

Visita de acompanhamento da DRAPLVT às inspeções de frutos de citrinos importados

O Diretor Regional Adjunto da DRAPLVT, Rui Hipólito e a Diretora de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar e Rural, Ana Arsénio, realizaram uma visita ao Porto de Lisboa, no dia 22/07/2020, no âmbito dos acompanhamentos setoriais in loco, com o objetivo de acompanhar os trabalhos desenvolvidos pela equipa técnica da Direção de Serviços, neste caso em concreto, o procedimento de inspeção fitossanitária de citrinos importados de países terceiros.

As inspeções fitossanitárias em frutos de citrinos compreendem o despiste de várias pragas de quarentena, a saber:

– as bactérias Xanthomonas citri pv. citri e Xanthomonas citri pv. aurantifolii;

– os fungos Cercospora angolensis Carv. et Mendes e Phyllosticta citricarpa (McAlpine) Van der Aa, anteriormente classificado como Guignardia citricarpa Kiely e

– os insetos da família Tephritidae (não europeus) e da espécie Thaumatotibia leucotreta (Meyrick).

A inspeção fitossanitária é constituída por três componentes: o controlo documental, o controlo de identidade e o controlo físico.

O controlo documental valida toda a informação submetida na plataforma comunitária TRACES – NT bem como todos os documentos de acompanhamento da remessa, o que inclui a verificação dos certificados fitossanitários emitidos pelas autoridades fitossanitárias dos países terceiros de origem.

O controlo de identidade consiste numa inspeção visual para verificar se o conteúdo e a rotulagem de uma remessa, incluindo os selos e os meios de transporte, correspondem à informação fornecida nos certificados oficiais e nos outros documentos que acompanham a remessa.

O controlo físico (Figura 2) consta de uma inspeção visual minuciosa de uma quantidade de frutos representativa de toda a remessa (largas dezenas conforme especificado na regulamentação), que poderá implicar a colheita de amostras para análise laboratorial, sempre que existem sintomas ou sinais suspeitos de pragas, para identificação em laboratório de referência nacional.

A época alta de importação de citrinos inicia-se habitualmente no final de junho e termina em meados de outubro.

Estas inspeções pretendem impedir a entrada de pragas “importadas” em Portugal e na União Europeia protegendo as nossas espécies vegetais de novos problemas fitossanitários.

Nos últimos três anos, atingiu-se o pico de inspeções em setembro de 2018 a 30.000 toneladas de frutas via porto e aeroporto de Lisboa (Figura 1).

1.png

Figura 1 – Peso total em toneladas, por mês, da carga sujeita a inspeção fitossanitária entre 2017 e 2019

2.jpg

​  Figura 2 – Aspeto da inspeção fitossanitária minuciosa aos frutos de citrinos

O artigo foi publicado originalmente em DRAPLVT.

Comente este artigo
Anterior Marés vivas entram por campos de cultura em Aveiro e destroem colheitas
Próximo Agricultores e moradores protestam contra dragagens na ria de Aveiro

Artigos relacionados

Dossiers

Syngenta organiza jornada formativa sobre olival e lança novo herbicida Minsk

A Syngenta reuniu mais de 100 olivicultores e técnicos numa jornada formativa sobre olival, a 27 de Fevereiro, em Beja. Especialistas desta cultura apresentaram estratégias de proteção do olival contra pragas e doenças e a Casa do Azeite revelou que a produção de azeite em Portugal atingiu um volume recorde de 110.000 toneladas na campanha 2017-2018. […]

Notícias mercados

Regras fitossanitárias aplicáveis às trocas com a Grã-Bretanha

Continuando a incrementar o conjunto de informações disponibilizadas relativamente aos requisitos fitossanitários aplicáveis ao movimento de vegetais, produtos vegetais e outros […]

Nacional

Carne de bovino – a perspetiva nutricional e de saúde

A inclusão do consumo de carne de grandes mamíferos representa um marco incontornável na história da humanidade, a par, por exemplo, […]