Alerta vermelho. Rajadas até 70 km/h, funcionários públicos que sejam bombeiros dispensados para ajudar ao combate

Até domingo, Portugal estará em situação de alerta especial de nível vermelho, anunciou o Ministério da Administração Interna. Os meios de combate aos fogos serão reforçados, 85 patrulhas vão estar no terreno a vigiar áreas de risco. Mais: a título excecional, todos os trabalhadores da Administração Pública ou do setor privado que sejam também bombeiros voluntários, salvo aqueles que trabalhem em cuidados de saúde, estão dispensados das suas funções laborais para poderem em prontidão nos quartéis aos quais estão associados.

As condições climatéricas dos próximos dias serão propícias à propagação de incêndios florestais. É que além do calor que se fará sentir, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) alerta também para a ocorrência de vento moderado e baixa humidade. Ou seja, um cocktail de circunstâncias indesejáveis. “As elevadas temperaturas, vento seco de leste e baixa humidade do ar criam condições propícias para a ocorrência de incêndios rurais”, disse Eduardo Cabrita na quarta-feira, em declarações aos jornalistas.

Para esta quinta-feira, o IPMA prevê “tempo quente e vento moderado a forte, com rajadas, no litoral Norte e Centro e nas terras altas”. Estão previstas “rajadas até 70 quilómetros por hora até final da manhã e a partir do final da tarde”. Já amanhã, de acordo com o IPMA, também é esperada a ocorrência de vento “por vezes forte nas terras altas”.

No sábado, é esperado céu geralmente limpo, aumentando temporariamente de nebulosidade no interior do Baixo Alentejo e Algarve durante a tarde. “Vento fraco a moderado (até 30 km/h) do quadrante leste, temporariamente de noroeste durante a tarde na faixa costeira ocidental, e sendo moderado a forte (até 40 km/h) nas terras altas até meio da manhã e a partir do final da tarde, com rajadas até 65 km/h no Norte e Centro”, aponta o IPMA.

Cerca de uma centena de concelhos de 15 distritos de Portugal continental apresentam esta quinta-feira risco máximo de incêndio – cerca de cem concelhos dos distritos de Faro, Beja, Castelo Branco, Portalegre, Santarém, Leiria, Coimbra, Guarda, Viseu, Porto, Aveiro, Vila Real, Braga, Viana do Castelo e Bragança.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Expresso.

Anterior João Sena Cardoso: "Eu executava um plano de construção de centrais de dessalinização de água do mar para injeção na rede de abastecimento de água atual"
Próximo Reforma de la PAC. Planas con un ojo en el presupuesto europeo y el otro en cómo lograr un consenso nacional

Artigos relacionados

Últimas

PDR 2020: resultados alcançados e perspectivas futuras

Decorrido sensivelmente metade do período de vigência do Portugal 2020, no qual se inclui o PDR 2020, importa reflectir sobre os resultados atingidos até […]

Sugeridas

Câmara de Idanha-a-Nova e Grupo Vera Cruz acordam instalação de fábrica de amêndoa

A criação de uma fábrica para descasque de amêndoa em Idanha-a-Nova é o objetivo do Memorando de Entendimento que acabam de assinar a […]

Nacional

Incêndios: Chamas mobilizam 671 bombeiros em Miranda do Corvo

Segundo o site da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), na Sertã, Castelo Branco, estavam mobilizados para o combate às chamas 560 operacionais, […]