Uso de antibióticos em zootecnia e resistência antimicrobiana – Manuel Chaveiro Soares

Uso de antibióticos em zootecnia e resistência antimicrobiana – Manuel Chaveiro Soares

A descoberta por Alexander Fleming, em 1928, da produção da penicilina por fungos e das suas propriedades antibióticas, designadamente causando a morte da bactéria Staphylococcus aureus (actualmente muito resistente aos antibióticos), foi inicialmente subestimada pela classe médica; mas, finalmente, já no início da Segunda Guerra Mundial, a penicilina foi produzida em escala industrial e, em 1945, Fleming recebeu o Prémio Nobel, vindo a ser enterrado como herói nacional na Catedral de São Paulo, em Londres, em 1955.

Efectivamente os antibióticos contribuíram de forma drástica para o avanço da terapêutica médica, tendo-se rapidamente verificado também que os seus efeitos eram igualmente notáveis quando usados em zootecnia, tanto no tratamento de doenças, como na promoção de crescimento dos animais.

Consequentemente, a uma maior velocidade de crescimento dos animais corresponde uma melhor eficiência alimentar e, portanto, um menor custo de produção. Assim sendo, desde o início da década de 1950, tornou-se usual administrar doses sub-terapêuticas de antibióticos a animais de produção.

Entretanto, porém, verificou-se uma crescente resistência aos antibióticos, nomeadamente nos humanos.

Se bem que seja reconhecido que a maioria das resistências a antibióticos tem origem no uso destes em medicina humana, e não se conheça uma evidência científica robusta que comprove que os agentes patogénicos zoonóticos com resistência a antibióticos transfiram essa resistência ao Homem, tanto na UE como nos EUA, está em curso uma campanha em ordem à redução do uso de antibióticos em zootecnia.

É interessante notar que, todavia, são diferentes as estratégias adoptadas.

Na UE têm sido principalmente os decisores políticos a tomar a iniciativa: em 1 de Janeiro de 2006, com base no princípio da precaução, a Comissão Europeia proibiu o uso de antibióticos como promotores de crescimento e, em 25 de Outubro de 2018, o Parlamento Europeu determinou que os antibióticos só sejam administrados aos animais de produção quando o médico veterinário diagnosticar uma infecção.

Nos EUA o uso de antimicrobianos promotores de crescimento está ainda a ser debatido pelas entidades oficiais, mas importantes cadeias de retalho e de restauração estão a manifestar preferência por alimentos de origem animal produzidos sem antibióticos – no antibiotics ever (NAE).

Considerando os condicionalismos anteriormente apontados, torna-se imperioso proceder ao uso judicioso de antibióticos em animais de produção – mormente melhorando biossegurança, maneio e nutrição – e, ainda mais importante, cumpre ter em atenção as práticas inerentes à medicina humana, inclusive no que toca às infecções nosocomiais, não raras nos nossos hospitais.

Manuel Chaveiro Soares

Engenheiro Agrónomo, Phd

→Consulte o artigo original aqui←

Economia Circular: uma importante perspectiva na fertilização das culturas – Manuel Chaveiro Soares

Comente este artigo
Anterior Los cerdos cebados bajan en Lérida tras siete semanas de repeticiones
Próximo El lío institucional de la UE, el dinero de la PAC, el marco financiero 2021-27 y el Brexit

Artigos relacionados

Opinião

Será que a floresta portuguesa precisa de reforma? – António Gonçalves Ferreira

Devíamos primeiro tentar saber o que é preciso para que a floresta portuguesa se torne mais forte, e sobre isso há muitas vozes concordantes:

Melhorar a defesa da floresta, à escala da paisagem e não à escala da unidade de exploração. As ZIF (Zonas de Intervenção Florestal) são o exemplo óptimo deste tipo de acção, […]

Opinião

10 medidas são suficientes para se proclamar uma reforma da floresta? – Luís Calaim

Estas 10 medidas são suficientes? Resolvem o problema da floresta? A floresta em Portugal precisava de uma reforma? SIM, o sector é unânime, quanto à necessidade de uma reforma, mas de uma reforma não com 10, mas de mais pelo menos 4 medidas! Medidas que fossem implementadas de forma assertiva e com o envolvimento de todo o sector. […]

Opinião

O leite já é nacional, falta o preço justo – Carlos Neves

“Pelo futuro de Portugal beba leite nacional!” Gritámos pela primeira vez esta frase em Junho de 2009, numa manifestação entre o “Feira Nova” (agora “Pingo Doce”) da Póvoa de Varzim e o “Modelo” (agora “Continente”) de Vila do Conde. Juntámos associações, cooperativas, 1000 agricultores e levámos as nossas famílias e os nossos filhos com uma faixa “O nosso futuro depende do consumo do leite nacional”. […]