Governo aprovou mais 37 projetos de reabilitação de regadios

Governo aprovou mais 37 projetos de reabilitação de regadios

[Fonte: O Jornal Económico]

Os 37 projetos agora aprovados pelo Ministério da Agricultura situam-se todos no distrito de Vila Real e vão beneficiar 1.630 hectares, num investimento superior a 4,7 milhões de euros.

Foram aprovados pelo Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural mais 37 projetos de reabilitação de regadios tradicionais.

Estes projetos situam-se todos no distrito de Vila Real, que vão beneficiar mais de 1.630 hectares, com um investimento público superior a 4,7 milhões de euros.

Trata-se de regadios integrados nos concelhos de Boticas, Chaves, Montalegre, Murça, Ribeira de Pena, Valpaços, Vila Pouca de Aguiar e Vila Real, que vão beneficiar 1.700 agricultores.

“Estes projetos de recuperação complementam o Programa Nacional de Regadios, que prevê um investimento global de 560 milhões de euros na criação e na reabilitação de mais cerca de 100 mil hectares de regadio até 2023, que vão gerar 10.500 postos de trabalho permanentes”, destaca um comunicado do Ministério da Agricultura.
Capoulas Santos congratula-se com a aprovação destes projetos, considerando-os “uma aposta do Governo num pilar fundamental para o desenvolvimento da região”, lembrando que se trata de “um instrumento essencial para a fixação das populações e para o apoio à agricultura familiar”.

Segundo o referido comunicado do Ministério da Agricultura, “estes regadios fazem parte de um projeto mais amplo de valorização dos territórios e da atividade agrícola”, sublinhando o ministro da Agricultura que esta iniciativa vai tornar esta atividade “mais produtiva e mais competitiva, nomeadamente através do uso mais eficiente da água”, uma vez que, no seu entender, “a sustentabilidade da atividade agrícola é também uma prioridade”.

Capoulas Santos acrescenta ainda a necessidade de adaptação da agricultura portuguesa às alterações climáticas e de contribuir para os objetivos do Governo relativamente à estratégia de descarbonização, neste momento em discussão pública, considerando “urgente promover o uso eficiente do recurso água e a constituição de reservas para enfrentar tempos de escassez decorrentes das alterações climáticas”.

Comente este artigo
Anterior El lío institucional de la UE, el dinero de la PAC, el marco financiero 2021-27 y el Brexit
Próximo Governo aprova 37 projetos de regadio em Vila Real

Artigos relacionados

Últimas

Pedrógão Grande: Câmara reafirma que dinheiro angariado devia estar no Estado

Figueiró dos Vinhos, Leiria, 05 jul (Lusa) – O presidente da Câmara de Pedrógão Grande reafirmou hoje que o dinheiro angariado no concerto solidário em Lisboa e que foi entregue à União das Misericórdias devia de ter sido enviado para o Estado por uma questão de legalidade. […]

Sugeridas

Syngenta ajuda agricultores de Cantanhede a implementar agricultura sustentável

Os agricultores da freguesia da Cordinhã, no concelho de Cantanhede, vão ter à disposição, na próxima campanha agrícola, um Centro de Lavagem de Pulverizadores, para recolha e tratamento de resíduos de produtos fitofarmacêuticos. O sistema Héliosec®, fornecido pela Syngenta, ajudará os agricultores a proteger o ambiente e a manterem-se seguros. […[

Sugeridas

ACOS congratula-se com classificação do Campo Branco a Reserva da Biosfera e alerta para as alterações climáticas como ameaça a este ecossistema

A ACOS – Associação de Agricultores do Sul congratula-se com a classificação do concelho de Castro Verde como Reserva da Biosfera da UNESCO e felicita os subscritores da candidatura, a Associação de Agricultores do Campo Branco, o Município de Castro Verde e a Liga para a Proteção da Natureza. […]