Setor vitivinícola nacional afirma-se no mundo exportando 296 milhões de litros em 2019

Setor vitivinícola nacional afirma-se no mundo exportando 296 milhões de litros em 2019

2019 foi um ano positivo para as exportações de vinho português. Segundo dados do Instituto Nacional de Estatísticas (INE), foram exportados cerca de 296 milhões de litros de vinho. Um valor que representa cerca de 820 milhões de Euros e que, face ao período homólogo, demonstra um aumento em volume (0,3%) e um expressivo crescimento em valor (+2,5%). Uma dinâmica que traduz um crescimento de cerca de 2,3% do preço médio do vinho exportado: em 2018, representava um preço médio de 2,71 Euros/litro e, já em 2019, o preço médio aumentou para 2,77 Euros/litro.

De realçar que assistimos a um comportamento muito positivo das exportações de vinho português para países terceiros, quer em volume (10%), quer em valor (6%). Em contraponto, a quebra, em volume, registada nas expedições para o espaço comunitário de cerca de 7% (mas com a manutenção do valor exportado em +0,3%) resultaram numa subida de cerca de 8% do preço médio do vinho nacional exportado para o espaço comunitário, que, no ano de 2018, se situou em 2,70 Euros/litro e, no ano de 2019, em 2,91 Euros/Litro.

No que diz respeito ao vinho certificado de Identificação Geográfica (IG), há também registo de um aumento significativo, quer em volume (9%), quer em valor (6%), resultando numa ligeira quebra no preço médio de cerca de 2,2%.

O ranking dos 10 principais mercados de destino do vinho português, em 2019, é ocupado pela França, Estados Unidos da América (EUA), Reino Unido, Brasil, Alemanha, Canadá, Bélgica, Países Baixos, Angola e Suíça. Especial destaque para as exportações destinadas aos EUA que contam com um expressivo crescimento de 10%, tendo passado de 81 Milhões de Euros, em 2018, para 90 Milhões de Euros, em 2019. No que respeita ao saldo da Balança Comercial, no ano de 2019, registou-se um saldo positivo de cerca de 653 Milhões de euros.

Comente este artigo
Anterior PortugalFoods comunica singularidade do setor agroalimentar português
Próximo O%riginal: a nova marca de vinhos sem álcool da José Maria da Fonseca

Artigos relacionados

Nacional

GEOTA: “Obras como as barragens do Tâmega jamais deveriam entrar no categoria de ‘verdes’”

“Lamentamos que obras com os profundos impactes ambientais e sociais das barragens continuem a receber apoios ditos ‘verdes’. Sobretudo projetos como o SET”, […]

Blogs

Greenfield Technologies faz mapas de solo dos campos da Agroglobal para mostrar sementeira, nutrição e fertilização de precisão

A Greenfield Technologies aplicou o seu sistema BIOMap2Soil nos campos de árvores de fruto, testes de fertilizantes e demonstração da colheita de […]

Últimas

“Plano”: uma palavra-chave para acabar com incêndios demolidores (porque incêndios “haverá sempre”)

Os incêndios nunca vão acabar mas não têm de ser estes incêndios que assustam, destroem ou às vezes até matam: Rui Barreira, […]