Propostas demagógicas e populistas constituem um efetivo ataque ao “mundo rural”

Propostas demagógicas e populistas constituem um efetivo ataque ao “mundo rural”

A proposta de novas taxas a aplicar sobre o preço da carne é para a ANEB, Associação Nacional dos Engordadores de Bovinos, completamente insensata.

A coberto de motivações ambientalistas, a proposta do PAN para taxar a carne esconde uma agenda radical e agressiva, que pretende alterar os hábitos de consumo e as opções de escolha dos portugueses.

A aplicação da taxa e o aumento do preço da carne impediria, a um número crescente de consumidores, o acesso a esta fonte de proteína, tão importante para uma dieta equilibrada. Uma medida que seria irresponsável e socialmente discriminatória, uma vez que teria impacto acrescido junto dos consumidores com menos recursos.

A proposta, que pretende justificar a aplicação da taxa sobre a carne com a pegada ecológica, não tem em conta os impactos ambientais positivos do setor agropecuário na fixação de populações nas zonas rurais e do interior e não valoriza a relevância destas atividades no ordenamento do território, na sustentabilidade das terras e no contributo decisivo que dão para assegurar a biodiversidade.

No caso da produção agropecuária em extensivo, a qual tem um maior peso no nosso país e representa cerca de 50% da produção bovina em Portugal, há até evidências científicas que sustentam um reduzido impacto ambiental, uma vez que as pastagens e a floresta têm um papel determinante na fixação de carbono.

O setor agropecuário garante a não desertificação do interior e a valorização do território nacional em toda a sua extensão, exigindo igualmente o desenvolvimento de todas as atividades económicas e a manutenção dos serviços necessários às populações residentes, contribuindo para atenuar as assimetrias que a redução do agropecuário no interior iria potenciar de forma ainda mais evidente.

A diminuição do consumo de carne resultaria, de imediato, numa quebra da produção nacional e numa crescente fragilização da economia portuguesa, que já tem de importar cerca de metade da carne que é consumida no país e que, assim, ficaria ainda mais dependente do exterior.

A aplicação desta medida implicaria igualmente uma perda de competitividade dos empresários portugueses, que têm de concorrer num quadro global muito competitivo e que, devido a um forte investimento e à adoção de práticas mais sustentáveis, têm tornado o agropecuário nacional e a qualidade dos seus produtos cada vez mais reconhecidos e apreciados interna e externamente.

Porque entende que o agropecuário se assume estratégico na estrutura económica do país, a ANEB refuta todas as propostas populistas e agendas políticas específicas e parciais que, de forma ardilosa, não pretendem enquadrar todas as dimensões (ambiental, económica e social) que devem presidir a uma discussão séria destas questões, que não pode, de todo, ser feita em sede de discussão de orçamento.

A ANEB tem representatividade em todo o território continental e Açores, assumindo maior expressão nas regiões da Estremadura, Ribatejo e Alentejo, e encontra-se disponível para debater e fornecer todas as informações que possam promover medidas sustentadas e equilibradas.

Comente este artigo
Anterior Incêndios. Município de Seia planta cinco mil medronheiros na Mata do Desterro
Próximo João Ponte: Contamos com todos para a defesa de uma melhor proposta para a próxima PAC

Artigos relacionados

Eventos

VI Encontro Biotecnologia e Agricultura: O Futuro é Agora – 13 Julho 2017 – Porto

Nos últimos 10 anos, houve um progresso significativo na investigação científica na área do melhoramento de plantas, nomeadamente no desenvolvimento de novos métodos que permitem introduzir ou revelar características de interesse de forma mais precisa e eficiente e em diferentes variedades vegetais. […]

Nacional

Biólogo defende criação de plano ibérico para gerir populações de ursos pardos

O investigador da Universidade de Aveiro (UA) Carlos Fonseca defendeu esta quinta-feira um plano ibérico de gestão e conservação das populações de urso pardo que reúna dados sobre a biologia e ecologia da espécie. […]

Últimas

TWO SUCCESSIVE BLOWS TO WTO – WHERE DOES THE US-CHINA DEAL AND THE APPELATE BODY PARALYSIS LEAVE THE EU?

The WTO suffered two successive blows: the Appellate Body is paralyzed and the US-China trade deal is a major departure from trade multilateral rules. […]