Fernando Paiva, o produtor de 74 anos que trocou os sulfitos por flores de castanheiro

Fernando Paiva, o produtor de 74 anos que trocou os sulfitos por flores de castanheiro

[Fonte: Público] Há poucos produtores em Portugal com a sua ética de trabalho e a sua determinação em fazer vinhos bons, puros e saudáveis. Um verdadeiro “senhor do vinho” e um exemplo tanto para quem começa a dar os primeiros passos neste ramo como para quem já é veterano

Fernando Paiva é um produtor de Amarante que nunca entra nas cogitações para os prémios de melhor viticultor, melhor enólogo ou personalidade do vinho que as revistas da especialidade atribuem todos os anos. A sua produção é pequena (este ano, para a sua marca Quinta da Palmirinha, só vinificou 7 mil litros), não pertence a nenhuma “família vintage” (não me lembro de designação mais elitista do que esta criada pela SIC), anda apenas no circuito mais alternativo do sector e não tem nem dimensão, nem margem financeira para investir em publicidade e eventos sociais. Na verdade, é um ilustre desconhecido. No entanto, há poucos produtores em Portugal com a sua ética de trabalho e a sua determinação em fazer vinhos bons, puros e saudáveis, por filosofia e não por mimetismo. Um verdadeiro “senhor do vinho” e um exemplo tanto para quem começa a dar os primeiros passos neste ramo como para quem já é veterano.Aos 74 anos, continua a ser o único produtor biodinâmico certificado em Portugal. E por estes dias foi notícia por ter sido o primeiro a usar flor de castanheiro nos vinhos em substituição de sulfitos, o conservante mais usado na indústria vinícola. Com idade para se reformar, parece um jovem sempre disposto a dar um novo passo em frente, na ânsia apenas de fazer vinhos ainda melhores e mais puros.

Já vamos à flor de castanheiro, mas antes vale a pena recordar a sua “história”. Fernando Paiva é um produtor tardio. Tinha 56 anos quando decidiu olhar com mais interesse para os cerca de 3,5 hectares de vinhas que havia herdado dos pais. Acabara de se reformar como professor de História e de Português em Amarante e, após ter participado numa formação, em Celorico de Basto, com um dos gurus da agricultura biodinâmica, o francês Pierre Masson, ficou sensibilizado para a possibilidade de passar a produzir uvas e vinhos num ambiente mais natural, holístico e saudável. No início, teve dúvidas. Questionava-se sobre se a agricultura biodinâmica poderia ser generalizada ao ponto de poder assegurar a alimentação da humanidade. Mas acabou convencido.

Comente este artigo
Anterior Floresta amazônica, uma commodity?
Próximo Cultivares de Oliveira: Cordovil de Castelo Branco

Artigos relacionados

Últimas

Oferta de emprego – Engenheiro Agrónomo – Santarém

A nossa atividade é da área da produção de produtos hortícolas para a Industria e Frescos. Procuramos para integrar o nosso projeto um: […]

Últimas

Incêndio de Tomar. O fogo passou o rio e chegou aos concelhos de Abrantes e Constância

O incêndio que deflagrou na tarde deste sábado numa zona florestal de Tomar passou o rio Zêzere e a frente, bastante extensa, […]

Últimas

Syngenta busca visão partilhada para o futuro da agricultura sustentável

Empresa compromete-se com os stakeholders na construção de uma visão partilhada para o futuro da agricultura sustentável
Considerando o importante papel que as modernas tecnologias agrícolas podem desempenhar
Sessões de consulta em todo o mundo para informar e construir consenso e identificar áreas-chave de atuação

A Syngenta inicia este mês de Setembro, […]