Ministro do Ambiente apoia central de dessalinização no Algarve

Ministro do Ambiente apoia central de dessalinização no Algarve

O Algarve avança para o combate à seca em várias frentes. Por um lado, há a hipótese de avançar com a construção de dois açudes – um na ribeira de Monchique e outro na ribeira da Foupana. Por outro, a construção de uma central de dessalinização é também uma das soluções que estão em cima da mesa, diz o ministro do Ambiente e Acção Climática. Mas os autarcas reclamam “soluções de emergência”. Pedro Matos Fernandes responde numa corrida a duas velocidades. No curto prazo, diz, defende como prioritária “a gestão mais eficiente do uso da água”. Quanto às outras soluções, tudo está em aberto. O problema reside na seguinte questão: se não chove, de que vale construir mais barragens?

Até final do mês de Março, adiantou o ministro, o Governo terá concluído um plano de eficiência hídrica para o Algarve e o Alentejo. “Nós não podemos ter – nem devemos ter a expectativa – que a meteorologia nos ajude. Ou seja, o Algarve, no longo prazo, não vai ter mais água do que aquela que tem hoje”. Assim sendo, sublinhou, é “inevitável” o eficiente uso da água, na agricultura e na rega dos campos de golfe, sem descurar o corte nos consumos domésticos.

Porém, enfatizou, “estão a ser avaliados dois projectos para a construção de dois açudes – um na ribeira de Monchique, e outro na Foupana”. Por outro lado, destaca também, “a hipótese da dessalinização” está a ser avaliada. Com isto em vista, nesta terça-feira parte para Espanha, uma delegação de dez autarcas para visitarem uma central de dessalinização em Valência e um sistema de reutilização de águas residuais em Madrid.

Pedro Matos Fernandes falava aos jornalistas à margem do encontro em que se discute o plano municipal de Loulé de Adaptação às Alterações Climáticas, focado nos problemas que afectam a orla costeira e a perda de biodiversidade do interior.

O presidente da Câmara de Loulé, Vítor Aleixo, lançou um desafio ao ministro do Ambiente para que seja criado um fundo ambiental municipal para prevenir e acudir a situações de catástrofe. “Falo do litoral [a erosão], mas poderia falar do interior, onde temos o problema dos incêndios”. A câmara de Loulé, há mais de um ano, aprovou a criação de uma taxa turística mas a não a pôs em prática. A receita, estimada em 2,5 milhões euros seria aplicada nesse fundo ambiental. 

De caminho, o autarca socialista lembrou os Projectos Estruturantes (PE) ou de Potencial Interesse Nacional (PIN), “com 20 ou 30 anos, e que continuam válidos”, destacou.  Pedro Matos Fernandes manifestou-se disponível para apresentar uma proposta de “alteração legislativa” nesse sentido. Mas, acrescentou: “É preciso um grande consenso para [os projecto] poderem voltar atrás [por causa dos direitos adquiridos] mas nós tudo faremos com esse objectivo”. O momento escolhido, disse, será quando se fizerem as revisões dos planos regionais de ordenamento do território, dos planos directores municipais e do Plano de Ordenamento da Orla Costeira.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Dezassete cabras mortas por "mamífero de grande porte" ainda por identificar em exploração agrícola de Viana do Castelo
Próximo Conselho Regional da Agricultura realiza-se a 13 e 14 de fevereiro, em São Jorge

Artigos relacionados

Eventos

Maiores países produtores mundiais de azeite vão reunir-se em Espanha – 24 e 25 de março

A nova edição do Salão Mundial de Azeite (World Olive Oil Exhibition – WOOE) vai realizar-se em Madrid, nos dias 18 e 19 de março, no Pavilhão 14 do Ifema. […]

Últimas

Líderes europeus arrancam ‘maratona’ negocial sobre orçamento pós-2020

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia iniciam hoje, em Bruxelas, uma cimeira extraordinária em busca de um acordo sobre o […]

Últimas

O que não arder agora arde mais tarde

Não tenham expectativas: o país vai continuar a arder e o que não arder agora arde mais tarde. Os incêndios em Portugal são uma inevitabilidade. […]