Ministra da Agricultura não atira “a toalha ao chão” e retoma trabalhos para fechar PAC em junho

Ministra da Agricultura não atira “a toalha ao chão” e retoma trabalhos para fechar PAC em junho

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, disse hoje recusar-se a “atirar a toalha ao chão”, acrescentando que na segunda-feira recomeçam os trabalhos para concluir a reforma da PAC durante a presidência portuguesa da UE.

“Não atiramos a toalha ao chão, o vigor e determinação continua de tal maneira que na segunda-feira retomamos o trabalho”, disse a ministra em conferência de imprensa, após o fracasso da tentativa de fechar um acordo sobre a nova política agrícola comum (PAC) depois de três dias de negociações, falhando o prazo de maio, que a presidência tinha fixado.

Na segunda-feira, salientou Maria do Céu Antunes, “começa uma ronda de reuniões com o comité especial de agricultura”, que inclui os serviços da Comissão e os representantes dos Estados-membros, estando reuniões informais também marcadas com Parlamento Europeu (PE), “no sentido de definir o calendário e a estratégia” a seguir.

“Estamos empenhados, continuamos empenhados, continuamos a trabalhar”, disse, sublinhando que o Conselho decidiu interromper as negociações por se ter chegado à conclusão de que ainda há divergências que separam as posições dos Estados-membros das dos eurodeputados.

“Queremos fazer um balanço e perspetivar como vamos querer concluir esta reforma”, acrescentou a ministra, mantendo a intenção de chegar a um compromisso durante a presidência portuguesa do Conselho da UE.

Os ministros têm agendado um Conselho informal, em Portugal, em 14 e 15 de junho, e um formal, no Luxemburgo, em 28 e 29.

A presidência portuguesa do Conselho da UE e os negociadores do Parlamento e de Comissão Europeia falharam, após dias de negociações, um acordo sobre a política agrícola comum, voltando ao tema em junho.

A proposta da PAC é composta por três regulamentos: dos regulamentos dos planos estratégicos, da governação horizontal – financiamento, gestão e acompanhamento da PAC – e da organização comum do mercado de produtos agrícolas.

A nova PAC deverá começar a ser aplicada em 01 de janeiro de 2023, já com os planos estratégicos de cada Estado-membro aprovados, vigorando até lá um regime transitório.

Presidência portuguesa está empenhada em construir um acordo para a reforma da PAC no mês de junho

Comente este artigo
Anterior MAI garante que questões remuneratórias dos guardas-florestais estão a ser analisadas
Próximo Pedrógão Grande: PS e PSD trocam acusações após inquérito parlamentar aos apoios

Artigos relacionados

Dossiers

Pedrógão Grande: Autarca de Oliveira do Hospital questiona ausência de deputados ou governantes como arguidos

O presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, questionou hoje a ausência de deputados ou governantes no processo para determinar […]

Nacional

CONFAGRI reúne centenas de organizações de todo o País

A CONFAGRI realiza, no próximo dia 1 de Fevereiro, o “Encontro Nacional de Técnicos”, um evento anual onde reúne todas as organizações agrícolas que compõem a sua massa associativa – […]

Últimas

Buenas sensaciones en el mercado del ovino


En el sector del ovino las lonjas reflejaron repeticiones casi generalizadas durante esta semana. No obstante, fuentes del sector apuntan que la tendencia empieza a cambiar: hay más animales en las granjas y los pesos suben ante la falta de envíos por vía marítima; […]