MAI garante que questões remuneratórias dos guardas-florestais estão a ser analisadas

MAI garante que questões remuneratórias dos guardas-florestais estão a ser analisadas

As questões remuneratórias dos guardas-florestais integrados na Guarda Nacional Republicana estão a ser analisadas no âmbito das negociações que estão a decorrer com as estruturas da PSP e GNR, disse hoje fonte do Ministério da Administração Interna (MAI).

A mesma fonte avançou à Lusa que as questões remuneratórias são “a única reivindicação pendente” dos guardas-florestais e estão a ser analisadas “em conjunto com as das forças de segurança”.

Os guardas-florestais integrados na GNR realizam hoje uma greve nacional e uma concentração em frente ao Ministério da Administração Interna para exigir a valorização dos salários, atribuição de suplementos decorrentes das funções policiais, o aumento das percentagens de compensação pelo trabalho prestado em dias feriados, o aumento do número de efetivos e a abertura dos concursos de promoção na carreira.

De acordo com um comunicado da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, os guardas-florestais reivindicam ainda a criação, na estrutura do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da Guarda Nacional Republicana, do corpo nacional de guardas-florestais.

A fonte do MAI disse ainda que “já foram resolvidas” questões relacionada com as promoções, fardamentos e estatuto.

Segundo o MAI, esta semana foi aberto um novo concurso para admissão de 90 novos guardas-florestais e até ao final de 2023 a GNR vai ficar dotada com mais de 500.

Os guardas-florestais foram integrados no SEPNA em 2006 e inicialmente estava previsto a sua extinção, mas foram reativados em 2018 após os grandes incêndios de 2017.

Atualmente a GNR conta com cerca de 400 guardas-florestais ao serviço e têm como missão fiscalizar e investigar os ilícitos nos domínios florestal, caça e pesca.

Os sindicatos da PSP e as associações da GNR têm mantido reuniões com o Ministério da Administração Interna para debater a revisão dos suplementos e subsídios nas forças de segurança, tendo sido criado um grupo de trabalho com elementos do MAI, Finanças e da Modernização do Estado e da Administração Pública para a sua atribuição.

Comente este artigo
Anterior Centro Pinus: Resultados do questionário sobre a Execução das Operações Florestais do PDR2020
Próximo Ministra da Agricultura não atira "a toalha ao chão" e retoma trabalhos para fechar PAC em junho

Artigos relacionados

Nacional

Observatório de Canábis Medicinal disponibiliza produto para que seja feita contra-análise

O Observatório Português de Canábis Medicinal (OPCM) colocou esta sexta-feira à disposição das “entidades competentes” o suplemento alimentar à base de óleo de sementes de cânhamo “Cannabis” onde foi detetada a bactéria E. […]

Notícias fitofarmacêuticos

Avisos Agrícolas 10/07/2019: Kiwi, Pomóideas, Pequenos Frutos, Castanheiro, Nogueira, Batateira, Milho, Tomate e Couve

O Serviço de Avisos Agrícolas é um serviço nacional do Ministério da Agricultura e do Mar (MAM) que tem por finalidade emitir avisos agrícolas. […]

Nacional

Dezenas de variedades STET Holland apresentadas em Dia de Campo

Na próxima 3ª feira (dia 21 de maio), das 16h30 às 19h30, a Advice.AgriBusiness vai realizar um Dia de Campo para apresentação de dezenas de variedades de batata da STET Holland, […]