Pedrógão Grande: PS e PSD trocam acusações após inquérito parlamentar aos apoios

Pedrógão Grande: PS e PSD trocam acusações após inquérito parlamentar aos apoios

A deputada socialista Eurídice Pereira acusou hoje o PSD de “lançar suspeições” sobre os apoios após os incêndios de 2017 no Pinhal Interior, mas a deputada social-democrata Emília Cerqueira criticou a posição do PS argumentando que “não aprendeu nada”.

Na apreciação em plenário do relatório final da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar à atuação do Estado na atribuição de apoios na sequência dos incêndios de 2017 na zona do Pinhal Interior, a deputada do PS Eurídice Pereira disse que “o PSD não teve comportamento político que se recomende”.

“O contexto dramático definiu as condições da resposta e, perante a extrema dificuldade do contexto, o Governo foi capaz de responder de forma adequada. Esta é a convicção do grupo parlamentar do PS, uma convicção que, de resto, este relatório não pôde contestar, assim como não pôde acolher a tentação do PSD em lançar suspeições sobre as pessoas apoiadas, pela voraz vontade de querer atingir o XXI Governo Constitucional”, afirmou a deputada socialista.

Eurídice Pereira referiu ainda que, relativamente aos apoios prestados no domínio da floresta, o relatório limita-se a apresentar “um conjunto de conclusões manifestamente tendenciosas”, destacando as conclusões que provam que foi eficiente a resposta à atividade económica e a existência de apoios aos agricultores.

Em resposta, a deputada social-democrata Emília Cerqueira lembrou que a comissão eventual de inquérito parlamentar foi requerida potestativamente pelo PSD e “sempre contestada pelos restantes partidos, especialmente pelo PS e pelo PCP”.

“Passado um ano, infelizmente, o PS não aprendeu nada. Chegou cá com a mesma postura que teve durante um ano, de desconsideração, de obstaculização e de negação da realidade e de tudo o que correu mal, usando sempre o eterno discurso de tornar as vítimas em criminosos, nada mais errado, nunca foi essa a intenção e a verdade é que, audição após audição, o tempo deu-nos razão”, argumentou a deputada do PSD, recordando que o PS não votou contra o relatório, mas sim absteve-se, “porque não teve alternativa tal forma era cristalina a verdade que dele sobressaía”.

Emília Cerqueira realçou ainda o trabalho de “defender as vítimas e os seus direitos”, questionando sobre o porquê da não construção das habitações e da ausência de medidas de reflorestação, prevenção e combate aos incêndios, concluindo que, “perante a inação no terreno, persiste o medo” que volte a acontecer uma nova tragédia.

Na perspetiva do PSD, os trabalhos desta comissão vão permitir ajudar as vítimas dos incêndios, mas as conclusões e as recomendações têm de “ser consequentes”, pelo que o grupo parlamentar social-democrata já apresentou um projeto de lei para a “criação de um fundo de emergência solidária para que situações como as de Pedrógão não voltem a repetir-se”.

Também após a intervenção da deputada do PS, o deputado do CDS-PP João Pinho de Almeida lamentou que “uma comissão com a importância desta seja tão utilizada para confronto político ou partidário, e ainda mais para tirar das costas responsabilidades”.

“Qualquer pessoa que tenha responsabilidades públicas em Portugal, que as tenha tido antes daqueles brutais incêndios, que as estivesse na altura e que as tenham hoje em dia, dificilmente deve dizer que não sente nenhuma responsabilidade. Eu não sou capaz de dizer isso e era incapaz de dizer que me sentia aliviado por uma comissão de inquérito dizer ‘afinal não se disse que o Governo tinha qualquer responsabilidade sobre coisa nenhuma’”, referiu o centrista, acrescentando que assumiria responsabilidades se o CDS-PP estivesse no Governo.

João Pinho de Almeida indicou ainda que o relatório da comissão não exclui responsabilidades, “nem era possível, porque obviamente perante uma tragédia daquelas, fosse qual fosse o Governo, ia haver sempre responsabilidades”, destacando a falta de intervenção em matéria de ordenamento florestal.

“Se dependesse do que o Governo fez não voltar a acontecer uma tragédia como aquelas, infelizmente podia voltar a acontecer, porque tudo aquilo que se fez no papel não passou para o terreno”, acrescentou o deputado do CDS-PP, referindo que, das pessoas ouvidas na comissão, desde autarcas a responsáveis de organismos públicos, “ninguém conseguiu dizer que estava no terreno uma alteração substancial do ordenamento florestal que pudesse evitar uma situação como aquela”.

A Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar à atuação do Estado na atribuição de apoios na sequência dos incêndios de 2017 na zona do Pinhal Interior funcionou entre 24 de março de 2020 e 27 de março deste ano.

Em 25 de março, após votação das conclusões e recomendações sobre os apoios à agricultura, atividade económica e infraestruturas, floresta e habitação, o relatório foi aprovado com a abstenção de PS e PCP e os votos a favor de PSD e BE.

Uma das recomendações é que “o Estado deve reforçar os mecanismos de apoio, e participar financeiramente neles, relativamente à reconstrução total ou parcial das segundas habitações afetadas pelos incêndios de junho de 2017, comprovada, por via de condição de recursos, a incapacidade económica dos seus proprietários”.

Relativamente à floresta, os deputados concluíram que “o risco de incêndio na região do Pinhal de Interior mantém-se muito elevado, existindo uma grande preocupação sobre a possibilidade de uma nova ocorrência se voltar a repetir”, apresentando como uma das recomendações a realização de uma avaliação global externa ao Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios, que integre a análise da eficiência dos investimentos realizados.

O incêndio que deflagrou em 17 de junho de 2017 em Escalos Fundeiros, no concelho de Pedrógão Grande, e que alastrou depois a municípios vizinhos, nos distritos de Leiria, Coimbra e Castelo Branco, provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, e destruiu cerca de 500 casas, 261 das quais habitações permanentes, e 50 empresas.

Comente este artigo
Anterior Ministra da Agricultura não atira "a toalha ao chão" e retoma trabalhos para fechar PAC em junho
Próximo Comissário garante ter sido mediador e facilitador nas rondas da PAC

Artigos relacionados

Últimas

EU farm policy reform: Council must be more flexible – we cannot waste more time

Council’s lack of flexibility threatens security for EU farmers, Agriculture Committee Chair Norbert Lins warned, calling on Council to return to proper negotiations. […]

Notícias mercados

Espanha: Agricultores de Valência fazem manifestação pelos baixos preços das uvas

Os agricultores espanhóis da região de Valência estão preocupados com os baixos preços da uva. Por isso convocaram uma manifestação, para o próximo dia 5 de Setembro, […]

Notícias apoios

Incêndios: Agricultores afetados já podem reportar prejuízos – Ministério

Os agricultores afetados pelo incêndio nos concelhos de Castro Marim, Tavira e Vila Real de Santo António já podem reportar os prejuízos causados, […]