“Mata-Vacas  –  Processo RNC 2050”… –  João Dinis

“Mata-Vacas – Processo RNC 2050”… – João Dinis

Trazemos à liça a muito recente e mais detalhada apresentação, feita pelo “Ministro do Ambiente” com funções empoladas para a “Transição Energética”, do chamado “Roteiro para a Neutralidade Carbónica até 2050 – RNC 2050” que querem adoptar para Portugal com o objectivo, dizem-nos, de controlar, até eliminar, a emissão de gases com “efeito de estufa”.

Este é um tema já antes abordado noutras circunstâncias, aliás, obedecendo à “agenda” e a orientações de Bruxelas. Portanto, logo aqui a continuidade do “velha” prática dos nossos Governantes em se prestarem a ser os tais “bons alunos” de Bruxelas, porém, nas piores matérias…

Em geral, repete-se, propagandeiam agora atingir, até ao ano de 2050, a neutralidade quase completa em emissões de Carbono pela economia nacional. Esta uma data que está, apenas, a 31 anos de distância, portanto dentro do percurso da vida de grande parte das Portuguesas e dos Portugueses, mesmo dos já nascidos há 50 anos atrás. Ou seja, o que for decidido e entretanto aplicado vai ter repercussões para milhões de nós em Portugal e também por esse Mundo fora.

Bem, de facto é necessário resolver, com sabedoria, os graves problemas ambientais afinal causados pelas civilizações e pelos sistemas ditos modernos e desenvolvidos. Mas, atenção que, sendo todos nós “culpados”, há uns (muito) mais “culpados” que outros…pelo que não se deve meter tudo dentro do mesmo saco, ou dentro do mesmo sistema, das causas e consequências da situação. Neste contexto, gostaremos de conhecer quais são os “RNC 2050” propostos pela Holanda e pela França, por exemplo…

E querem “abater” as Vacas desta vez mesmo sem as acusarem de estar “loucas”…

Estaremos lembrados da crise dos anos 90 do século passado, com o rebentar da onda das chamadas ”vacas loucas” que provocou o abate forçado de dezenas de milhar desses simpáticos animais que de herbívoros que são, o sistema dominante da produção intensiva os quis transformar em carnívoros a comer farinha “animal” mas com péssimos resultados, pelos vistos…

Pois agorinha, a pretexto do tal “RNC 2050”, aliás “mais papista que o Papa”, divulgado pelo Governo Português e assumido pelo Ministro do Ambiente com a maior das “arrogâncias” tecno-burocráticas, a esse pretexto, ameaçam reduzir – para metade – as actuais, 1 milhão e 700 mil Cabeças de Bovinos – menos 50% = a 850 mil Cabeças a menos – redução a atingir em cerca de 31 anos, o que dará uma média na ordem de 27 500 Cabeças de Bovinos por ano ! – isto se, de facto, a “razia” começar já para o ano de 2019 o que, da nossa parte, se não deseja de todo.

E já nem pegamos nas “especulações”, mais ou menos percentuais, quanto à Floresta, aos Incêndios e às retenções e emissões de Carbono resultantes destes contextos, enfim, porquanto cada um está sujeito a confundir a realidade com as suas próprias “profecias” ainda que isso se possa classificar como “esquizofrenia”, no caso política…

Mas regressando às ameaçadas Vacas, as principais considerações económicas, sociais e práticas já foram feitas por várias Entidades que reagiram com duras e fundadas críticas perante o que se ouviu do Ministro. E este (infeliz) capítulo do “RNC 2050” – que podemos apelidar de “Processar as Vacas Gaseadoras” – ameaça já a reputação, habilmente engendrada, do Ministro do Ambiente e até é susceptível de azedar o relacionamento institucional entre alguns dos principais Governantes… E o debate desencadeado vai continuar aceso.

De facto, o assunto é muito sério por tudo o que nele aparece envolvido mas a indignação puxa-nos para também tentar afiar alguma ironia e quanto mais “verrinosa” melhor!   Vamos lá…

No século XIX, houve um importante Governante – foi mesmo Presidente do Conselho de Ministros de Portugal – que devido a uma dura e célebre Lei que promulgou e aplicou, foi alcunhado de “Mata-Frades” por ter atingido severamente a classe eclesiástica e muitos dos seus privilégios à época, e por tal “feia” alcunha ainda é hoje reconhecido.

Pois perante a intervenção do actual Ministro do Ambiente e da Transição Energética no processo decorrente do “RNC 2050” e, em especial, no assumir ostensivo do “abate”, em prazo curto, das 850 mil Cabeças de Bovinos, ele corre o risco de vir a ser alcunhado de “Mata-Vacas” ou, pior ainda, de “Mata-Vacas-Bois-Toiros-Vitelos-Bezerros” pois nenhum Bovino (que o seja de facto) deverá fugir à sua (do Ministro) “ira” legislativa e operacional. E o Ministro do Ambiente, perante as reacções adversas já manifestadas, mantém uma preocupante sobranceria a roçar mesmo a arrogância tecno-burocrática estilo “patrão de secretaria”…

E o actual Conselho de Ministros de Portugal, que todo ele tem responsabilidades pelo caso, também poderá passar à posteridade com a classificação (depreciativa) de “Conselho dos Açougueiros Políticos de Bovinos” e o edifício onde funciona este mesmo Conselho de Ministros poderá vir a ser conhecido como “Matadouro dos 850 mil Bovinos condenados à morte – processo RNC 2050”…

Enfim, para obstar a tanta iniquidade, recomenda-se um “indulto oficial” – vamos apelar para o Presidente da República ! – para os inofensivos animais, cujo maior delito, afinal, é darem muitos “puns” – peidos, no calão, ou “vacum flatus” para elevar o nível linguístico – cheios de gás Metano, este um hidrocarboneto que contém muito carbono, e também por comerem pasto ou palhas (quando há) ! E na fúria persecutória, até esquecem que da respectiva Bosta também se pode obter Metano “bom” – gás que se utilizado com esse objectivo é uma energia dita “alternativa” – biogás – e, por aí, “amiga do ambiente” !         E esquecem ainda que com a eventual redução – drástica – da quantidade de Bosta a produzir, assim, equivalente quantidade deixará de regressar à terra como fertilizante ! Então, como e por que sucedâneo “artificial” vai ser substituída a Bosta (a ficar em enorme défice…) para este efeito ? Com agro-químicos ?…

Enfim, pelos vistos, e passe o exagero, lá teremos nós que passar a dar “puns” (e uns arrotos) silenciosos e inodoros, e ainda assim clandestinamente, senão, um dia destes, também estaremos a correr sérios riscos de ser metidos em um qualquer outro “processo” tipo “RNC 2050”…

Vamos lá a pegar as Vacas e os Bois pelos cornos…

Já agora, voltemos ao aspecto mais sério do assunto…

Está actualmente em processo acelerado, a instalação de mega-Explorações de Bovinos (Carne e também Leite), designadamente por parte do grande agro-negócio (cadeia de Hipermercados), com o objectivo expressado de “engorda intensiva” dos respectivos, e muitos, animais. Da parte desse grande agro-negócio trata-se, em última análise, de procurar lucrar mais, através do controlo de importante fileira da nossa Alimentação e desde o embrião dos Animais até ao Bife ou ao Cozido à Portuguesa e até ao Copo de Leite ou ao Yogurte !

Pois então, tendo nós em conta o sistema dominante em que nos “entalam”, quem, onde e como, se pode prever venha a ficar com milhares de Bovinos super-concentrados – com tanta emissão concentrada de Metano “mau” ! – mas também “indultados”, à priori, perante a Lei do “RNC 2050” ? Muito provavelmente, vão ser “indultadas” – por mais um manifesto privilégio a conceder-lhes por este sistema – essas tais mega-Explorações, super-intensivas, de Bovinos, portanto, assim se executando os “abates” prioritariamente à custa da grande maioria das outras Explorações de Bovinicultura !

Ou seja, perante o que já se pode antever face à “lógica” deste “RNC 2050”, a Carne e o Leite dos Bovinos “sobreviventes” vão permanecer com o grande agro-negócio…mas os “cornos” das vítimas da “razia” vão querer dá-los aos verdadeiros Produtores e Criadores de Bovinos…

Porém, atenção que aqui, deste lado da barreira, não aceitamos “cornos” ! …

Acudamos às Vaquinhas !

A luta continua !

7 de Dezembro de 2018

João Dinis

Pequeno Produtor Florestal lesado pelos Incêndios de Outubro.

Membro do “Grupo Céus Limpos”

Membro da Direcção da CNA, Confederação Nacional da Agricultura

A Floresta está hoje pior do que estava no dia seguinte ao dos Incêndios !… – João Dinis

Comente este artigo
Anterior Potencial da floresta portuguesa debatido em Live Lab com a academia
Próximo Recenseamento Agrícola 2019 - INE recruta entrevistadores a partir de janeiro

Artigos relacionados

Escalar para exportar – Miguel Lupi

Apesar dos avanços tecnológicos e do amadurecimento da Internet, as explorações agrícolas estão ainda muito focadas na produção, ignorando uma das principais formas de valorização dos seus produtos, o Marketing e o desenvolvimento de uma marca. Promover produtos agrícolas é uma tarefa complexa porque não há forma de diferenciar uma exploração de outra e estas estão limitadas na sua localização, […]

Opinião

“Carta” e “Estatuto” da Agricultura Familiar Portuguesa – João Dinis

Na actualidade, há um debate já alargado acerca do que (ainda) é Agricultura Familiar e da sua importância, bem como dos “Direitos dos Camponeses”, neste caso no âmbito da própria ONU.
Ao longo das últimas décadas, é incontestável, muita da terra agrícola deixou de cumprir a sua função social de alimentar as Populações e foi apropriada, […]

Opinião

O glifosato e a “guerra do glifosato” – Pedro Fevereiro

A Plataforma Transgénicos Fora (PTF) apresenta um estudo de quantificação de glifosato na urina de voluntários, realizado em 2018. Os valores médios detetados nas amostras foram de 0,35 ng/ml em julho e de 0,31 ng/ml em outubro. Os métodos de quantificação foram diferentes para cada data. […]