Importância do Papel da Assistência Técnica PRODI e BIO na PAC – João Rodrigues

Importância do Papel da Assistência Técnica PRODI e BIO na PAC – João Rodrigues

Estamos praticamente a 1 ano do fim do compromisso de 5 anos das medidas agroambientais (MAA) deste quadro comunitário em vigor, e é essencial dar a conhecer o papel que a assistência técnica (AT) tem prestado aos agricultores e produtores agrícolas.

Todos os produtores que aderiram às MAA quer no Modo Produção Integrada (PRODI), quer no Modo de Produção Biológica (MPB), podem anualmente recorrer a este serviço altamente especializado como compromisso adicional, recebendo assim uma majoração de 15% do montante total do apoio anual atribuído, não podendo ser inferior a 250€ nem superior a 1750€.

O porquê de a Assistência Técnica ser um serviço altamente especializado?

Com a alteração da lei, este serviço apenas pode ser prestado por Associações de Agricultores ou Cooperativas Agrícolas, estando os seus técnicos acreditados pela Direção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural, nos Modos Protecção Integrada, Produção Integrada e Modo Produção Biológico.

Esta lista está disponível na DGADR e é de acesso público, conta neste momento com 826 Técnicos a nível Nacional

O trabalho diário do técnico AT, permite ao agricultor/produtor agrícola um acompanhamento quer no campo quer na parte documental, evitando assim, falhas e erros que possam originar penalizações dos apoios a receber.

O contato de proximidade entre técnico e agricultor/produtor agrícola é de extrema importância, já que, permite a ligação em todas as fases do processo.

Sempre que existe um controlo, seja ele de organismo certificador, ou organismo do IFAP, a assistência técnica com facilidade coloca à disposição toda a documentação solicitada num curto espaço de tempo, permitindo a estes, uma maior brevidade no carregamento dos relatórios de controlo, tornando todo o processo mais eficiente e com a fiabilidade que se pede.

A assistência técnica tem vindo a assumir um papel cada vez mais importante na área, conseguindo criar etapas, definindo metas e datas de cumprimentos, criando cadernos de campo realmente válidos e levando os agricultores/produtores agrícolas a romper com a resiliência à mudança, apresentando novas ideias e a constante evolução que existe na agricultura.

Uma espécie de gestão de proximidade.

Por outro lado, faz toda a ligação que é absolutamente necessária com os vários departamentos do IFAP.

O pouco contato verificado até então é quebrado com a AT, na procura de respostas a dúvidas que possam surgir, alterações que existam nas regras a cumprir, na leitura dos processos após controlo.

Financeiramente para o agricultor/produtor agrícola a AT é uma ferramenta essencial, porque com a majoração, este deixa de pagar este serviço como se verificava anteriormente , isto é, ao invés de pagar do próprio bolso, com o valor da majoração consegue pagar a AT e o restante poderá aproveitar para outras despesas resultantes da prática agrícola.

Sabendo-se que as negociações da nova PAC ainda darão “panos para mangas”, é absolutamente necessário que as Associações de Agricultores e Cooperativas Agrícolas que prestam o serviço de Assistência Técnica se façam ouvir aos seus parceiros associados (AJAP, CAP, CONFAGRI, CNA…) para que se consiga manter e melhorar este serviço na nova PAC em prol dos Agricultores/produtores agrícolas, evitando o retrocesso do que de bom tem sido realizado nestes quase 5 anos.

João Rodrigues

Licenciado em Engenharia Agronómica

PROBIFARMER

Comente este artigo
Anterior Carne de 150 dólares o quilo ameaçada por ração de 9 cêntimos
Próximo Renovar, valorizar e reorganizar a produção de leite

Artigos relacionados

Opinião

Será que a floresta portuguesa precisa de reforma? – António Gonçalves Ferreira

Devíamos primeiro tentar saber o que é preciso para que a floresta portuguesa se torne mais forte, e sobre isso há muitas vozes concordantes:

Melhorar a defesa da floresta, à escala da paisagem e não à escala da unidade de exploração. As ZIF (Zonas de Intervenção Florestal) são o exemplo óptimo deste tipo de acção, […]

Opinião

A aclimatação ao calor estimula a imunidade das plantas – Sílvia Palma Ferreira

Há mais de 20 anos que foi reportado um conjunto de estudos pioneiros que realçavam a importância da relação entre a temperatura elevada, a luz e a fotossíntese nas plantas, tendo demonstrando que a adaptação do metabolismo diário a períodos de mais calor é vantajoso porque permite ajudar na aclimatação das plantas a uma maior intensidade luminosa, […]

Opinião

“Carta” e “Estatuto” da Agricultura Familiar Portuguesa – João Dinis

Na actualidade, há um debate já alargado acerca do que (ainda) é Agricultura Familiar e da sua importância, bem como dos “Direitos dos Camponeses”, neste caso no âmbito da própria ONU.
Ao longo das últimas décadas, é incontestável, muita da terra agrícola deixou de cumprir a sua função social de alimentar as Populações e foi apropriada, […]