João Bica Diplomas sobre florestas e ordenamento aprovados em Conselho de Ministros

Diplomas sobre florestas e ordenamento aprovados em Conselho de Ministros

O Conselho de Ministros aprovou um conjunto de diplomas relativos ao ordenamento do espaço agrícola e florestal e à gestão integrada de fogos rurais.

No que respeita ao sistema de gestão integrada de fogos rurais (SGIFR), foram aprovados os seguintes diplomas:

– Proposta de lei que solicita à Assembleia da República autorização legislativa para o estabelecimento de meios de tutela para o cumprimento dos deveres de prevenção da ocorrência de incêndios rurais, mecanismos de responsabilização pelo incumprimento desses deveres, e medidas de segurança em situações de elevada perigosidade ou perigo de incêndio rural, no âmbito do decreto-lei que cria o SGIFR e estabelece as suas regras de funcionamento;

– Resolução que aprova, na generalidade, o Programa Nacional de Ação do Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais (PNGIFR) e que, segundo o comunicado divulgado no final da reunião, será submetido a consulta pública;

Na conferência de imprensa após o Conselho, o Ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, disse que a proposta de Lei, a ser enviada à Assembleia da República, visa concretizar «o propósito da comissão nomeada logo a seguir aos incêndios de 2017» e cria o princípio da especialização, em que o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas passa a ser responsável pela gestão dos fogos rurais juntamente com o sistema de defesa das populações contra incêndios rurais.

Sobre o Plano Nacional de Ação, João Pedro Matos Fernandes disse que o mesmo concretiza o Plano de Gestão Integrada de Fogos Rurais, aprovado com quatro princípios gerais: «a valorização dos espaços rurais; o cuidado dos espaços rurais, que obriga a uma intervenção, de 20% (1,2 milhões de hectares) naquilo que é a área nacional de florestas, de matos e de pastagens biodiversas; a necessidade de modificar comportamentos, tendo como meta a redução de 80% do número de ignições em que o risco é maior; e uma forma eficiente de gerir o risco».

Investimento no ordenamento florestal

Relativamente aos investimentos para a política de paisagem e ordenamento da floresta, o Conselho de Ministros aprovou um conjunto de medidas que «significam um investimento de 30 milhões de euros».

O valor vai dividir-se entre «as matas públicas e os perímetros florestais» e a «extensão a mais quatro parques dos projetos de intervenção para o restauro dos ecossistemas», designadamente, os Parques Naturais do Litoral Norte, do Alvão, da Serra da Estrela, de Sintra-Cascais e do Vale do Guadiana, perfazendo um total de 19 parques que sofrerão intervenções.

Foi também aprovado o «Projeto de promoção da cogestão em áreas protegidas de âmbito nacional», através do qual se pretende dinamizar, ao longo de três anos, a adoção, o desenvolvimento e a execução do modelo de cogestão, dotando cada uma das 32 áreas protegidas de âmbito nacional de financiamento para apoio técnico e operacional, dedicado à implementação das atividades consideradas prioritárias.

O Prémio Nacional das Florestas, de periodicidade bianual, foi outras das medidas aprovadas neste Conselho de Ministros dedicado às florestas.

Este prémio – no valor de 50 mil euros – visa, segundo o comunicado, «a dinamização e divulgação do conhecimento produzido na área da floresta, das técnicas e boas práticas de gestão florestal e da boa informação; a promoção da resiliência dos territórios e a valorização sustentável dos seus ativos, mobilizando a sociedade e o desenvolvimento de processos colaborativos; e o reforço da consciência cívica sobre o valor dos territórios florestais».

Sobre este prémio, João Pedro Matos Fernandes acrescentou que o mesmo será «muito focado na ciência e na divulgação».

O Conselho aprovou ainda medidas relativas à proteção civil no âmbito da reforma florestal, que foram também apresentadas na conferência de imprensa do Conselho de Ministros, que se seguiu a uma declaração do Primeiro-Ministro António Costa e do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Nota enviada pelo Governo.

Comente este artigo
Anterior Marcelo defende que tem de haver "solidariedade estratégica" na prevenção de fogos florestais
Próximo Comissão Vitivinícola Regional Távora-Varosa nomeia nova direção

Artigos relacionados

Últimas

Conselhos para uma boa preparação do terreno

A correta mobilização do solo facilita o desenvolvimento de uma plantação florestal mais produtiva e sustentável. […]

Últimas

Declaração de Impacte Ambiental produção de abacates em Lagos

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve, na sua qualidade de Autoridade de Avaliação de Impacte Ambiental, emitiu Declaração de Impacte Ambiental (DIA) […]

Últimas

Acréscimo: de 2016 a 2020, primeira vez, ardeu mais floresta do que área de matos

A Acréscimo — Associação de Promoção ao Investimento Florestal garante que de acordo com os registos oficiais sobre área ardida em Portugal, o presente quinquénio (2016-2020) regista, “pela […]