Danos provocados por javalis na região Centro mostram “situação descontrolada”, denuncia a CNA

A Confederação Nacional de Agricultura (CNA) afirma que os danos provocados por javalis e outros animais selvagens na agricultura da região Centro é uma situação descontrolada e exige medidas ao Governo. Em comunicado, a CNA diz ter-se reunido com representantes de comissões de agricultores lesados por javalis e outros animais selvagens, tendo-se concluído que “se mantém uma situação descontrolada, com os animais a provocar prejuízos”.

A reunião, realizada no domingo, em Coimbra, para analisar os problemas causados à lavoura e aos pequenos e médios agricultores do Centro, confirmou que aquelas espécies “continuam a invadir as explorações agrícolas e mesmo florestais e a causar grandes prejuízos em várias culturas, sazonais e permanentes, e até em vedações e sistemas de rega instalados”.

“Em consequência, centenas de pequenos e médios agricultores têm sido obrigados a deixar de produzir, o que também prejudica a produção regional e nacional. Simultaneamente, registam-se frequentes acidentes rodoviários causados pelos animais que atravessam as vias”, acrescenta a nota.

A CNA reafirma que a situação “continua fora de controlo” e que o Ministério da Agricultura e o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) não têm tomado “medidas eficazes de controlo das populações de animais selvagens, com destaque para os javalis e, em algumas zonas, também veados e corças”.

A confederação defende “a atribuição de indemnizações pelos prejuízos e o controlo sanitário e do número das populações destes animais”, alegando que as eventuais indemnizações “devem ser pagas, sobretudo nesta situação de crise, aos pequenos e médios agricultores, através do ICNF e do Governo”.

“Até porque o ICNF recebe mais de 11 milhões de euros por ano das zonas de caça e das licenças dos caçadores”, revela o comunicado.

Ainda segundo a CNA, o ICNF deveria ter divulgado até 30 de setembro (há cerca de um mês) o relatório de um estudo sobre as populações de javalis – conforme um despacho nesse sentido do anterior ministro da Agricultura -, mas “desconhece-se” se o referido relatório está concluído.

Foi lançada uma petição “sobre o problema da falta de controlo dos animais selvagens e dos consequentes prejuízos sobre a agricultura familiar, bem como as medidas urgentes a tomar”, dirigida ao Presidente da Assembleia da República “com conhecimento a outros órgãos de soberania” e para a qual a CNA vai pedir colaboração às autarquias.

A Confederação Nacional de Agricultura vai ainda solicitar uma reunião à Direção Regional do Centro do ICNF “para apresentar as posições dos agricultores lesados e da CNA”, encarando igualmente a hipótese de pedir audiências ao ministro do Ambiente e da Ação Climática, à ministra da Agricultura e à Comissão de Agricultura da Assembleia da República.

“Caso os problemas com os animais selvagens continuem sem que sobretudo o Governo tome as medidas preconizadas e eficazes, os agricultores lesados, a CNA e filiadas reservam-se desde já o direito de tomar medidas de protesto e reclamação”, avisa.

O artigo foi publicado originalmente em Expresso.

Comente este artigo
Anterior Melhores Queijos de Portugal 2019 já são conhecidos. Lacticôa “arrebatou” o júri
Próximo PEV insiste na proibição de financiamento público às touradas

Artigos relacionados

Comunicados

Beja acolhe pela primeira vez evento preparatório da World Olive Oil Exhibition

Portugal recebeu, pela primeira vez, o evento preparatório da maior feira mundial dedicada ao azeite. Neste encontro, que decorreu […]

Últimas

Guimarães: Reflorestação da Penha arranca neste mês com espécies nativas no lugar dos eucaliptos

A Câmara Municipal de Guimarães quer ver a Montanha da Penha integrada na Rede Nacional de Áreas Protegidas, enquanto Paisagem Protegida Local, […]

Últimas

A Fileira do Pinho em 2019. Número de plantas certificadas cresceu 51%

A fileira do pinho tinha 2,4 milhões de plantas de pinheiro-bravo certificadas pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) na campanha 2018/2019. Verificou-se assim um […]