Colômbia vai propor à ONU pacto regional de conservação da Amazónia

Colômbia vai propor à ONU pacto regional de conservação da Amazónia

O Presidente da Colômbia, Iván Duque, anunciou que irá entregar à ONU a proposta de um pacto regional de conservação da Amazónia, em resposta aos incêndios que afectam a maior floresta tropical do mundo.

“Queremos liderar um pacto de conservação entre os países que partilham o território da Amazónia”, afirmou Duque, num evento numa comunidade indígena em Isla Ronda, departamento do Amazonas. A proposta será entregue à Assembleia-geral da ONU em Setembro, indicou. “Não temos incêndios comparáveis aos do Brasil, mas devemos estar preparados”, acrescentou o chefe de Estado colombiano.

Os países das sete maiores economias do mundo (G7) e a União Europeia estão a discutir formas de “ajudar o mais rapidamente possível os países afectados” pelos incêndios que se multiplicaram nas últimas semanas na Amazónia, anunciou o Presidente francês, Emmanuel Macron, durante a reunião do G7. “Há uma verdadeira convergência” e estão a ser feitos contactos “com todos os países da Amazónia” para que sejam finalizados compromissos concretos “de meios técnicos e financeiros”, disse Macron, o anfitrião da cimeira do G7.

Os ecossistemas da floresta amazónica são os mais afectados pelo aumento do número de fogos no Brasil: quase 73 mil focos de incêndio contabilizados até 19 de Agosto, um aumento de 83% em relação ao ano passado. Apesar do clima estar mais seco do que em 2018, a maior parte dos incêndios é provocada por acção humana, “seja acidental ou propositada”, apontam os investigadores citados pela imprensa brasileira. “A culpa não é do clima, ele só cria as condições, mas alguém coloca o fogo”, afirmou Alberto Setzer, ao Estadão.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta. Tem cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (que, como o nome indica, pertence a França). Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a desflorestação da Amazónia aumentou 88% em Junho e 278% em Julho, comparando com o mesmo período do ano passado. Em 30 anos, calcula-se que tenha perdido cerca de 20% da sua área florestal original — o equivalente a oito vezes o território de Portugal.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior InovMilho- Dia de Campo mostra inovação na cultura do milho - 4 de Setembro - Coruche
Próximo Cotações – Bovinos – Informação Semanal – 19 a 25 Agosto 2019

Artigos relacionados

Últimas

Grupo Vila Galé investe 3,5 milhões de euros em lagar no Alentejo para produzir os seus azeites

A empresa Casa Santa Vitória, do grupo Vila Galé, inaugurou hoje um lagar para produzir os seus próprios azeites, no concelho de Beja, […]

Últimas

Especialista Xavier Viegas defende fixação de pessoas nas zonas florestais remotas

O professor universitário Domingos Xavier Viegas defendeu hoje, na Lousã, a fixação de pessoas nas zonas florestais remotas, para que o interior possa enfrentar as alterações climáticas e minimizar os riscos de incêndio. […]

Nacional

​Incêndios: 24 municípios sem plano de combate atualizado

Vinte e quatro municípios do continente não têm o Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI) atualizado, disse esta terça-feira no parlamento o ministro da Administração Interna, […]