Armadilha para a vespa-asiática funciona como um cavalo de Tróia

Armadilha para a vespa-asiática funciona como um cavalo de Tróia

[Fonte: Público] Cientistas em Portugal desenvolveram uma nova armadilha para destruir os ninhos de vespas-asiáticas. Esta sexta-feira discutiram-se os resultados já obtidos e os próximos passos deste projecto.

A vespa-asiática tem vindo a conquistar terreno em Portugal, mas também está prestes a ganhar uma nova inimiga. Perto das colmeias, a Vespa velutina poderá vir a encontrar pequenas esferas. Como as confundirá com o tórax de abelhas – que tanto aprecia –, levá-las-á para o seu ninho. Aquilo que a vespa-asiática não sabe é que esse petisco é, afinal, um “cavalo de Tróia” que libertará um biocida e matará as vespas no ninho. Criadas por cientistas do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), em Braga, estas cápsulas vão entrar na última fase de desenvolvimento e ser testadas numa zona aberta (mas ainda num ambiente controlado) a partir de Junho. Os resultados e potencialidades desta armadilha foram discutidos esta sexta-feira no INL.  

Em 2016, o INL foi desafiado para criar uma nova armadilha para a Vespa velutina. “O desafio foi lançado para termos algo que pudesse ser selectivo e destruísse os ninhos da vespa-asiática de forma não convencional”, conta ao PÚBLICO Miguel Cerqueira, engenheiro biológico do INL e um dos envolvidos no projecto científico Arma4Vespa. “As formas convencionais estão relacionadas com a identificação de ninhos, a sua recolha e muitas vezes com o uso de insecticidas ou pesticidas. Há ainda quem os destrua através de fogo.”

Liderado pelo INL, este projecto tem como parceiros a TecMinho (uma associação promovida pela Universidade do Minho e a Associação dos Municípios do Vale do Ave), a Associação de Apicultores do Cávado e Ave (Apicave) e a Federação Nacional dos Apicultores de Portugal (FNAP). O Arma4Vespa foi financiado pelo Programa Apícola Nacional do Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFAP) em cerca de 150 mil euros.

Acabou então por desenvolver-se uma cápsula esférica composta por polissacarídeos, bem como proteínas animais (com fígado de bovino ou carne de aves) e aromas (como óleo de camélia), que atraem a vespa-asiática. Esta cápsula terá ainda um biocida: um insecticida, pesticida ou um microorganismo de combate biológico. Com cerca de quatro milímetros, estas bolinhas imitam o tórax de uma abelha. Afinal, quando apanha uma abelha, a vespa-asiática corta-lhe as pernas, asas e a cabeça e leva o tórax para o ninho.

A partir dos testes já realizados, percebeu-se que estas cápsulas funcionam melhor perto das colmeias. Colocadas pelos apicultores junto da colmeia, serão apanhadas e levadas pela Vespa velutina para o seu ninho. “Como normalmente as temperaturas no ninho são mais altas e os materiais acabam por se degradar, esperamos que a vespa coma uma parte da cápsula e ajude à sua degradação [total]”, explica Miguel Cerqueira. Estima-se que durante uma semana a cápsula liberte um biocida e mate as vespas dentro do ninho.

Neste momento, já se percebeu qual deverá ser a formulação da cápsula. Também se verificou que – normalmente – as vespas vão buscar as cápsulas ao final da tarde ou logo pela manhã.

Em Junho, entrar-se-á na última fase deste projecto – que terá três meses –, para testar a cápsula em zonas abertas com ambiente controlado, como uma gaiola. Em princípio, será testado um ninho de vespa-asiática num local da Apicave em Braga. Nesse teste, quer saber-se qual é o número de cápsulas mais indicado para destruir um ninho e como é que as cápsulas têm de degradar para matar as vespas.

Na tarde desta sexta-feira, deu-se o “arranque” desta fase com a apresentação dos resultados obtidos até agora e da discussão dos próximos passos. Além dos parceiros do projecto, estiveram presentes Soraia Falcão, do Centro de Investigação de Montanha do Instituto Politécnico de Bragança, e Maria Shantal Rodríguez Flores, da Universidade de Vigo, em Espanha.

Objectivo: poupar dinheiro

Depois do final do projecto científico, pretende testar-se a cápsula numa zona aberta num ambiente não controlado. Para tal, espera-se que sejam criadas parcerias com instituições científicas, empresas e entidades reguladoras. “Acredito que, se validarmos a cápsula no próximo ano, em poucos meses a teremos no mercado”, diz Miguel Cerqueira. “Isso está não só relacionado com a validação no campo mas também pelo interesse comercial de alguma empresa.”


Comente este artigo
Anterior ​Agravamento do risco de incêndio. Queimadas proibidas até 30 de maio
Próximo Los primeros albaricoques a precios inferiores al año anterior

Artigos relacionados

Sugeridas

Mercadona reduz consumo de recursos naturais e poupa mais de 16 toneladas de plástico virgem em Portugal

A empresa está comprometida ativamente com o meio ambiente e continua a incorporar medidas para produzir de forma sustentável e […]

Últimas

Dominado fogo em Azeméis que chegou a envolver mais de 400 operacionais

O incêndio que lavrava em Oliveira de Azeméis, no distrito de Aveiro, desde as 03h30 de terça-feira e que chegou a ser combatido por 436 bombeiros foi dado como dominado às 23h00, […]

Últimas

Le réchauffement climatique menace lourdement la santé des enfants

Poings serrés, Aurore dort paisiblement. La petite fille vient de naître, et ses parents attendris ne voient pas les mauvaises fées qui se penchent sur l’enfant endormie. […]