A utilização de plantas autóctones em infraestruturas ecológicas

Foi-nos colocada uma questão: numa exploração em modo de produção biológico que plantas escolher para integrar um espaço que sirva de abrigo e alimentação à fauna auxiliar e que seja, ao mesmo tempo, agradável aos sentidos, ajardinado, um bom cartão de visita?

Sem perder muito tempo com definições, a fauna auxiliar será todo um conjunto de insetos, outros artrópodes, aranhas, pássaros, batráquios (sapos e rãs), morcegos, …, os que combatem de forma natural as pragas das culturas. 

Fotografia 1 – Joaninha sobre cardo branco (Carlina salicifolia)

Um exemplo que todos conhecemos é o das joaninhas; outro, um pouco menos comum, são as crisopas. Os sirfídeos são muito abundantes, mesmo em meio urbano. Existem ainda os parasitoides, como é exemplo o das pequenas vespas que colocam os seus ovos dentro dos ovos ou das larvas de pragas como os afídeos (que só veremos se estivermos atentos).

Fotografia 2 – Abelha sobre capítulo de uma Asteraceae

As abelhas e outros polinizadores também são auxiliares, sendo dos mais prioritários a proteger.

A área a reservar, a que se pode chamar infraestrutura ecológica, para além do valor ornamental, deve ser escolhida de forma a alcançar em pleno o seu objetivo. Assim:

– Deve estar situada suficientemente perto das culturas a proteger: alguns autores estudam a distância de voo das joaninhas e de outros insetos, por exemplo;

– Será uma zona de plantação de espécies anuais, bianuais ou perenes, mas que não exija cavas ou outras intervenções perturbadoras.

A escolha das espécies merece estudo e planeamento para que:

– Em caso algum se introduza na exploração plantas que possam tornar-se infestantes ou concorrentes com as culturas, que possam ser repositórios de vírus ou que tenham pragas e doenças coincidentes com a cultura agrícola;

As plantas devem assegurar várias funções:

– Produzir néctar, pólen ou melada e dar abrigo a artrópodes para nutrição dos auxiliares;

– Permitir aos auxiliares refúgio e proteção contra as condições meteorológicas e práticas culturais;

– Ornamental, que sejam plantas agradáveis à vista ou aos restantes sentidos, cabendo aqui um lugar especial às plantas aromáticas.

Em trabalhos que nos foram dados a conhecer recentemente, realizados em Espanha e Canárias (PERVEMAC), chegam-nos orientações que nos parecem importantes, entre elas a urgência em escolher plantas autóctones.

Sendo a ilha da Madeira, e com mais razão o Porto Santo, um ecossistema frágil por definição, não se deverá em caso algum introduzir novas espécies, uma vez que estas transportam em si o risco de se tornarem infestantes ou invasoras.

Faz então todo o sentido procurar dentro da flora autóctone plantas que cumpram os objetivos em questão e possam integrar a infraestrutura ecológica.

Há ainda muito trabalho de campo a realizar, essencialmente na observação e recolha de dados, no sentido de se avaliar as melhores plantas para cada situação edafoclimática (exposição, altitude, adaptação a barrancos, resistência à falta de água, etc.).

Propomos, por agora, as seguintes entre as nativas e endémicas:

Calendula (Calendula arvensis), estreleiras (Argyranthemum sp.), funcho (Foeniculum vulgare), hortelã de cabra (Cedronella canariensis), massaroco (Echium candicans ou E. nervosum, conforme a altitude), losna (Artemisia argentea), murta (Myrtus communis), orégão (Origanum vulgare), arruda (Ruta chalepensis), goivo da rocha (Matthiola maderensis); piorno (Genista tenera), os vários HelichrysumSonchusAndryalaLotus, a Teline maderensis, a Sinapidendron angustifolium, tão abundante junto ao mar em situações ventosas e muitas mais que se tem de estudar.

Fotografia 3 – Afídeos e larvas de joaninha sobre planta da seda (Asclepias sp.)

Para além das já mencionadas, nomeamos as seguintes que foram introduzidas na nossa Região há bastante tempo e cujo comportamento não é considerado infestante.

Fotografia 4 – Sirfídeo (Família Syrphidae) sobre
Planta de jade (Crassula argentea)

O alecrim (Rosmarinus officinalis), que, nas plantas mais velhas, floresce o ano inteiro; o basílico (Ocimum basilicum), plantas da seda (Asclepias fruticosa e A. curassavica), que apenas interessa a uma lagarta em particular, a monarca, mas onde sempre se encontram afídeos e joaninhas, a borragem (Borago officinalis) ,sempre visitada pelas abelhas e com floração abundante; a salsa (Petroselinum sativum) com floração prolongada, alfazemas (Lavandula sp.), calêndula (Calendula officinalis) e coentros (Coriandrum sativum).

Fotografia 5 – Sirfídeos (Família Syrphidae) sobre uma infestante da família das gramíneas

Já observou abelhas ou outros insetos auxiliares em plantas autóctones ou aromáticas? Faça-nos chegar as suas observações, para que se possa chegar a um consenso sobre quais as plantas mais eficazes para integrarem uma infraestrutura ecológica em cada uma das nossas ilhas e em cada uma das microrregiões (altitude, exposição), assim como as mais adequadas a cada cultura.

É sobretudo de desaconselhar a compra de sementes por catálogo, mesmo que pareçam agradáveis e bonitas e ainda que façam parte de listas internacionais de plantas para funções pré-estabelecidas.

Temos uma flora original, vasta e biodiversa e, ao estudá-la, encontraremos com certeza espécies que realizem as funções pretendidas.

Bibliografia

– Fontinha et al., “Plantas de São Lourenço”, Funchal 2008;

– Navarro, E. R. ,Fernández M. G. (2014): “Vegetación Autóctona y Control Biológico: diseñando una Horticultura intensiva sostenible”.

Fátima Isabel Freitas
Centro de Horticultura, DEMA
Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural

Comente este artigo
Anterior Nota de esclarecimento sobre a segurança sanitária de produtos frescos
Próximo Ministério da Agricultura mantém suspensão das eleições para a Casa do Douro

Artigos relacionados

Nacional

“Registo do Alho da Graciosa como IGP vai aumentar notoriedade e trazer benefícios aos agricultores”

“A classificação do Alho da Graciosa insere-se na estratégia regional de valorização, de reforço da notoriedade das nossas produções locais e aumento do rendimento dos produtores”, […]

Nacional

Investigadores criam e testam tecnologia de deteção de incêndios a partir de aeronaves

Investigadores estão a desenvolver um projeto científico que consiste em identificar incêndios a partir de sensores e imagens recolhidas por câmaras […]

Dossiers

Bayer insect‐resistant, herbicide‐tolerant GMO corn poses no risk to human health or environment, EU food safety panel confirms

Following the submission of application EFSA‐GMO‐RX‐014 …. from Monsanto Company the Panel on Genetically Modified Organisms of the […]