A certificação florestal como instrumento de promoção da gestão ativa da floresta – Susana Brigido

A certificação florestal como instrumento de promoção da gestão ativa da floresta – Susana Brigido

Num país, com uma das maiores taxas de incêndios a nível europeu, em que os proprietários não são reconhecidos pela sua “boa” ou “má” gestão, em que as empresas florestais e rurais não são valorizadas pela sociedade, a certificação florestal é um mecanismo que reconhece e dá uma mensagem ao mercado e aos consumidores que aquele produto contribui para uma gestão sustentável e responsável das florestas mundiais.

Atualmente gestão da floresta em Portugal apresenta três grandes desafios:

  • A resposta às Alterações Climáticas: como aumentar a resistência das áreas florestais ao risco crescente dos incêndios florestais, à adaptação das árvores ao novo clima, ao aumento pragas e doenças existentes;
  • A resposta ao crescente abandono e falta de investimento por parte dos proprietários florestais na gestão das suas áreas florestais, e;
  • A escassez crescente de recursos humanos qualificados e com experiência a trabalhar na floresta.

Sendo a certificação florestal um dos instrumentos de mercado para dar resposta aos três grandes desafios que a floresta Nacional apresenta, através de um apoio continuo à gestão florestal, em 2017, a 2BForest lançou o grupo de certificação da gestão de áreas florestais, orientada para apoiar a gestão de proprietários florestais que queiram valorizar a sua floresta, recorrendo ao apoio técnico que é fornecido na implementação e manutenção da certificação da gestão florestal.

Os serviços de apoio aos proprietários florestais, às empresas florestais e à comunicação com as diversas partes interessadas tem por objetivo máximo otimizar a rentabilidade da produção dos proprietários florestais, apoiar no aumento da resistência dos povoamentos aos incêndios, pragas e doenças, através de parcerias que apoiem financeiramente e tecnicamente a implementação de medidas e por último garantir a salvaguarda dos valores ambientais e patrimoniais nas áreas certificadas.

Dos cerca de 300 proprietários que já aderiram ao grupo da 2BForest, que totalizam mais de 7800 ha de floresta, a certificação trouxe vários tipos de vantagens!

  • Valorização dos seus produtos florestais, por parte da indústria. Com o aumento da dificuldade em exportar produtos não certificados para certos mercados a indústria tem vindo a valorizar monetariamente a matéria-prima certificada;
  • Majoração nas candidaturas a mecanismos de financiamento. Proprietários que certificaram as suas áreas viram as suas hipóteses de obter financiamento por parte do PDR2020 aumentar uma vez que são alvo de majorações nas candidaturas;
  • Delimitação das florestas. Muitos dos proprietários que resolveram aderir à certificação não tinham qualquer mapa com os limites das suas parcelas. Com a entrada na certificação, o proprietário identifica as suas florestas e fica com os mapas!
  • Apoio técnico na gestão das matas. Todos os proprietários no grupo da 2BForest têm um acompanhamento feito por técnicos qualificados para uma maior rentabilização das áreas.
  • Profissionais qualificados na exploração da floresta. Recorrendo a empresas certificadas que são alvo de auditorias periódicas, o proprietário tem maior confiança na aplicação das melhores práticas florestais.

Vamos contribuir para uma melhor floresta, por isso apoie uma gestão ativa da floresta, certifique-a e adquira produtos com a marca da certificação florestal.

Saiba mais sobre certificação florestal em:  https://pt.fsc.org/pt-pt e www.2bforest.pt.

Susana Brigido

Engenheira Floresta

Diretora Geral da 2BForest

Comente este artigo
Anterior Se frenan las subidas en los precios de los corderos
Próximo Feira Internacional de Produção Animal – 10 e 13 de setembro – Rennes, França

Artigos relacionados

Opinião

Mitos e modas da alimentação – Isabel Bragança

Como é fácil cair em extremos e acreditar em teorias que nos impõem, sem ir procurar fundamentos! A dieta mediterrânica – baseada nos hábitos alimentares de países como Portugal, […]

Opinião

O meu contacto com a Vespa-asiática e as (possíveis) consequências da sua presença para a Agricultura e Apicultura Nacional – João Sousa

A presença de espécies invasoras no território nacional é um fenómeno cada vez mais comum, sendo um forte motivo de preocupação pelos danos ambientais, económicos e sociais que provocam. […]

Opinião

A nova política agrícola europeia. Desta vez vai ser (mesmo) diferente! – Luís Mira da Silva

De sete em sete anos é assim. Quando faltam 2 ou 3 anos para ter início o novo quadro comunitário europeu, […]