Vem aí a Melting Gastronomy Summit para “simplificar os nossos apetites”

Vem aí a Melting Gastronomy Summit para “simplificar os nossos apetites”

[Fonte: Público]

Evento realiza-se no Edifício da Alfândega do Porto, em Novembro, e reúne mais de 30 oradores à volta da “mesa”. “Andarmos todos a comer o mesmo não faz sentido nenhum.”

O elogio da simplicidade. Tratará disso mesmo a Melting Gastronomy Summit, marcada para os dias 14, 15 e 16 de Novembro, no Edifício da Alfândega do Porto. Com mais de 30 oradores, a iniciativa da Agavi (Associação para a Promoção da Gastronomia, Vinho, Produtos Regionais e Biodiversidade) pretende colocar o foco na “maravilha dos ingredientes” — e sem “essas complicações todas”, como resumiu Miguel Esteves Cardoso, um dos moderadores dos quatro painéis (Sensações, Sugestões, Consciência e Construção).

“Simplificar é a coisa mais difícil de fazer porque o resultado fica à vista. Mas em 2019 a regra é acrescentar, equilibrar, individualizar, contrabalançar, reinventar e outros palavrões que equivalem a complicar”, escreve Miguel Esteves Cardoso, “defensor de boa mesa, boa conversa, boas causas e grandes paixões”. A missão da Melting passa por “simplificar a nossa vida e os nossos apetites”. “É o nosso dever. E é a nossa maneira de mostrar gratidão à natureza.” Mention

“A comida é muito mais do que os chefs”, sublinhou à Fugas Ricardo Dias Felner, jornalista e escritor com o estranho hábito de levar tudo à boca. “Andarmos todos a comer o mesmo não faz sentido nenhum.” A gastronomia, defende, “só faz sentido se houver diferença”. “As pessoas não vão à Melting para imitar as pessoas que estão a ver no palco, mas para perceber que podem fazer de maneira diferente”, sugere, destacando a “forma desempoeirada”, o “humor” e o “prazer” com que Jay Rayner (a sua intervenção terá como base “Os dez Mandamentos da Cozinha”), crítico gastronómico do The Observer e do The Guardian, escreve sobre o que prova, e o discurso simples de Chad Robertson (falará sobre “O novo pão de antigamente”), co-fundador e chef da icónica Tartine Bakery, em São Francisco, no que ao pão diz respeito. “É um padeiro que é uma estrela mundial. Fez com que a massa mãe se tornasse uma coisa cool. E vem cá explicar o que é que se está a passar com o pão”, explica Felner, adepto dos receituários do pão alentejano, da broa de Avintes, da broa de milho e de centeio — que junta ao seu leque de convidados nomes como Diogo Amorim (Gleba), Paulo Sebastião (Isco) e Nuno Carvalho (A Padaria Portuguesa). E do “preservar de uma identidade”. “Há padeiras que vão morrer e que vão levar com elas maneiras de fazer pão. Estes padeiros adoram ir buscar essas raízes e tradições. Não olham para a modernidade com espanto.”

“Há 15 anos não falávamos de comida como hoje”, lembra Nuno Queiroz Ribeiro, chef especialista em alimentação saudável e único chef português com uma distinção de mérito do Ministério da Saúde. “Estamos a regressar às origens na forma como consumimos”, diz o moderador que trará à conversa a australiana Lucy Legan (State of the art and what can we do?), co-fundadora do Ecocentro IPEC, bem como responsável pela criação dos jardins mágicos do Global Eclipse Gathering (EUA), dos festivais Rainbow Serpent e Earth Frequency (Austrália) e ainda no Boom Festival, onde desde 2006 supervisiona toda a equipa de gestão de resíduos, compostagem e reciclagem. 

A Melting Gastronomy Summit (download do programa aqui) inspira-se no sensacionismo, o último “ismo” criado por Fernando Pessoa, que se caracteriza por uma atitude cosmopolita de grande abertura — ao novo, ao antigo, ao nativo, ao estrangeiro — e por um contínuo esforço de renovação, por uma vontade de levar tudo mais longe. José Diogo Albuquerque, consultor e responsável pelo Agroportal, abre a discussão com Joana Maricato (“As tendências da alimentação, nutrição e saúde para 2020”), responsável de pesquisa de mercado da New Nutrition Business, empresa especializada em tendências de mercado e comportamento do consumidor, saltando depois para o chef João Rodrigues (“Do produtor para a mesa”). A Melting termina com a apresentação de André Chiang, conhecido pela sua “Octofilosofia” e proprietário do Raw Taipei (considerado o melhor restaurante em Taiwan), Bincho e Burnt Ends (ambos em Singapura), Porte 12 (Paris, França) e também ex-chef do restaurante Le Jardin des Sens com três estrelas Michelin, em França, e do ANDRÉ, em Singapura.

Comente este artigo
Anterior Anpromis sublinha a importância da realização do Seguro de Colheita para o Milho
Próximo Formação em Sanidade no Montado - 2 e 3 maio - Ponte de Sor, Avis e Évora

Artigos relacionados

Últimas

Fundão lidera consórcio que vai estudar internet aplicada à agricultura e ao ambiente

A Câmara do Fundão é líder de um consórcio europeu que visa estudar como a internet aplicada à agricultura e ao ambiente pode contribuir para aumentar a qualidade de vida nas cidades, […]

Últimas

El precio de la patata está un 42% más barato que el año pasado


El mercado de la patata está en calma desde hace varias semanas por la escasa actividad comercial, con un descenso en el mercado interior que ha incidido directamente en los precios, […]

Últimas

Produção de azeitona para azeite cresce 25% a ultrapassar as 900 mil toneladas

As previsões agrícolas do Instituto Nacional de Estatística (INE), em 31 de Dezembro, apontam para um aumento de 25% na produção de azeitona para azeite, […]