Valpaços é ‘capital’ Nacional de Olivicultura de 31 de Maio a 2 de Junho

Valpaços é ‘capital’ Nacional de Olivicultura de 31 de Maio a 2 de Junho

O Pavilhão Multiusos de Valpaços vai receber de 31 de Maio a 2 de Junho a OliValpaços – Feira Nacional de Olivicultura, que tem como objectivos promover e divulgar as potencialidades olivícolas, oleícolas e agro-alimentares da região e do país e que conta com o Concurso de Azeite Virgem.

O certame pretende, por outro lado, colocar à disposição dos empresários tecnologias e sistemas inovadores ligados a temática central do evento, nomeadamente pela participação de empresas/instituições de âmbito nacional e desenvolver as condições económicas, sociais e turísticas já existentes para o engrandecimento de um certame que é uma verdadeira montra empresarial. A organização tem ainda como objectivo desenvolver actividades que contribuam para atrair um maior número de visitantes e para o desenvolvimento turístico do concelho de Valpaços.

O certame de maior tradição e antiguidade no sector

A Feira Nacional de Olivicultura é o certame de maior tradição e antiguidade no sector e conta já com mais de duas décadas. Realiza-se anualmente, entre as cidades de Moura e Valpaços, e constitui o ponto de encontro da produção nacional de Azeite.

A OliValpaços reúne exposição de produtores e fornecedores e a realização do concurso de azeite virgem, que distingue os melhores azeites nacionais, os melhores azeites monovarietais de Galega e Cobrançosa, os melhores azeites de produção biológica, os melhores azeites de quinta e de cooperativa, e os melhores azeites com Denominação de Origem Protegida (DOP).

O concurso é realizado pelo Centro de Estudos e Promoção do Azeite do Alentejo, com o apoio de um painel de provadores de referência e em parceria com os municípios de Moura e Valpaços.

Segundo a organização, este concurso destina-se a distinguir a qualidade de lotes homogéneos propriedade de produtores de Azeite Virgem, com lagar próprio sediado em Portugal, e que recorram à prestação de serviços de extracção de azeite a partir de azeitona própria, proveniente de olivais situados em Portugal. Cada lote a concurso corresponderá a uma quantidade não inferior a 1.500 litros de azeite virgem de características homogéneas.

Produção agrícola com grande peso na economia transmontana

O azeite é a segunda produção agrícola com maior peso na economia transmontana, a seguir ao vinho, e movimenta anualmente um valor bruto de 30 milhões de euros. No concelho de Valpaços, a produção média anual de azeitona é de 11 mil toneladas, dos quais se extraem cerca de dois milhões de litros de azeite.

A quantidade de azeite produzido e a qualidade comprovada com a obtenção de inúmeros prémios a nível nacional e mundial, fizeram de Valpaços um lugar de eleição para a realização bianual desta Feira Nacional de Olivicultura.

A OliValpaços é organizada pela Câmara de Valpaços, a Cooperativa de Olivicultores de Valpaços, o CEPAAL – Centro de Estudos e Promoção do Azeite do Alentejo, a AOTAD – Associação dos Olivicultores de Trás-Os-Montes e Alto Douro e a CAP – Confederação de Agricultores de Portugal.

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Tetra Pak aposta em Fábrica do Futuro e em Embalagens Conectadas
Próximo Apetro quer ser mais “verde” e critica discriminação aos combustíveis fósseis

Artigos relacionados

Últimas

Sequenciação do genoma do abacate pode salvar produção do fruto apetecido

Seja à mesa, seja na cosmética, o abacate tem hoje, no mundo inteiro, uma legião de fãs a estimularem uma procura maior do que a oferta, […]

Sugeridas

INE: Pastagens e culturas forrageiras com bom desenvolvimento

O aumento dos teores de humidade do solo, as temperaturas amenas e a ausência de geadas promoveu o rápido desenvolvimento vegetativo dos prados, […]

Nacional

Incêndios de Outubro: o que mudou em dois anos?

Quando estudava Fotografia, todos os jovens aspirantes a fotógrafos sonhavam ser fotojornalistas. Existia uma visão romântica e apaixonada. Todos sonhavam ser fotógrafos de guerra. […]