Apetro quer ser mais “verde” e critica discriminação aos combustíveis fósseis

Apetro quer ser mais “verde” e critica discriminação aos combustíveis fósseis

A Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro) defende a criação de um preço único de carbono evitado para todos os setores energéticos, tendo em conta as disparidades atuais entre entre 20 e 50 euros por tonelada de dióxido de carbono na freflorestação, por exemplo, os 200 a 300 euros dos biocombustíveis e os 1000 a 1200 euros da mobilidade elétrica.

“Devia ser taxado de forma igual. Se o carbono tiver só um preço, podemos escolher a forma mais eficiente e hierarquizar os investimentos”, defendeu o secretário-geral da Apetro, António Comprido, em declarações aos jornalistas.

Sobre o fim anunciado do diesel, o responsável continua a rejeitar a ideia, tal como já defendeu em entrevista ao Dinheiro Vivo: “Não podemos desligar a torneira de um dia para o outro. Não podemos dizer a partir de amanhã vamos deixar de usar combustíveis líquidos. Temos de fazer a transição, até em colaboração com outros setores. Temos de evoluir no sentido de descarbonizar as fontes energéticas do presente”.

Ao fim de 27 anos de vida, a Apetro apresentou esta terça-feira a sua nova imagem de marca e novo posicionamento: soluções energéticas sustentáveis para o presente e o futuro. António Comprido garante que não é apenas um rebranding ou uma “limpeza” da imagem da associação que representa as maiores petrolíferas, e afirma que o setor está de facto “mais verde” e pode fazer parte da solução de descarbonização e não ser apenas parte do problema.

Em atualização

O artigo foi publicado originalmente em Dinheiro Vivo.

Comente este artigo
Anterior Valpaços é ‘capital’ Nacional de Olivicultura de 31 de Maio a 2 de Junho
Próximo ANPOC aposta na produção nacional e lança marca Cereais do Alentejo - 31 de maio - Santo Aleixo, Monforte

Artigos relacionados

Sugeridas

Trabalhos rurais proibidos até à meia-noite de terça-feira. “Grande parte dos incêndios é evitável”, diz Governo

O Governo decretou a proibição de todos os trabalhos rurais até às 24 horas de terça-feira e que os incêndios registados nos últimos dias se devem a […]

Nacional

Da pandemia ao pandemónio alimentar em Português – Francisco Sarmento

Todos os Estados da Comunidade de Países de Língua Portuguesa estão prestes a cair na mais grave crise alimentar de que existe memória. […]

Nacional

Portugal Fresh mostra em Madrid o melhor da produção nacional de frutas e legumes

A Portugal Fresh, Associação para a Promoção das Frutas, Legumes e Flores de Portugal, prepara-se para levar 46 empresas e organizações de produtores à […]