Vai haver mais sobreiros em todo o país

Vai haver mais sobreiros em todo o país

[Fonte: Expresso]

No dia de Natal, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, plantou um sobreiro em Figueira, Pedrógão Grande, à espera de ter, dentro de uma década, “um símbolo bem frondoso” na terra marcada pelo incêndio de junho último. Por essa altura, a Associação Portuguesa da Cortiça (APCOR) espera ter, também, mais sobreiros em território nacional, de norte a sul.

Hoje, 84 em cada 100 sobreiros estão no Alentejo, mas a fileira da cortiça olha atentamente para todo o país. Vê oportunidades em Arouca, afetada por incêndios em 2016, em Trás-os-Montes, na região centro. “Vemos o território nacional sem espartilhos. Estamos a falar de uma árvore autóctone que se adapta às diferentes zonas do país, e há trabalhos em curso para perceber quais são as melhores áreas de plantação, em que solos temos melhor nível de crescimento”, afirma João Rui Ferreira, presidente da APCOR.

 

[wysija_form id=”2″]

O objetivo a curto prazo é aumentar a fatia de 23% da área de sobreiro na floresta portuguesa. Não há um indicador de crescimento definido, mas existe um estudo sobre o futuro da fileira que fala em reforçar com 50 mil hectares a atual área de montado (737 mil hectares) usando novas técnicas de subericultura para aumentar a densidade da plantação e a produtividade. Há a convicção de que a reforma da floresta traz novas oportunidades, e esta é uma espécie em que faz sentido apostar num cenário de aquecimento global. E, com a popularidade da cortiça em alta, “seria mau não ter matéria-prima disponível para responder ao mercado”, acrescenta o dirigente associativo, certo do potencial de crescimento dos sobreiros num país que produz cerca de 85 mil toneladas de cortiça por ano e tem de importar mais 66 mil toneladas.

No terreno, há já alguns sinais de mudança. Em 2016, a Corticeira Amorim anunciou uma parceria com 10 produtores para plantar 500 hectares de sobreiro em regadio. O projeto solidário Renascer, lançado no universo da cerveja artesanal, através das marcas Letra e Rapada, para ajudar na reflorestação, traz 10 mil árvores, sobreiros incluídos. O projeto Floresta Comum, que junta a associação ambientalista Quercus e o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, envolve mais 211 mil plantas, 10% das quais são sobreiros. Através do programa de reciclagem de rolhas Greencork, o reinvestimento na plantação de árvores autóctones soma mais de 25 mil sobreiros em dois anos.

Margarida Cardoso

 

Comente este artigo
Anterior Em 2017 os resultados económicos da Agricultura portuguesa melhoraram significativamente em relação a 2016 - Francisco Avillez 
Próximo Oferta emprego - Engenheiro Agrónomo (M/F) - Braga

Artigos relacionados

Nacional

“Não há uma cultura enraizada de preferir o que é nosso”

Patrícia Duarte, Associação Portuguesa de Kiwicultores
O consumidor nacional, de forma geral, sabe que o que se faz cá faz-se bem, […]

Eventos

Tertúlias do Montado na Herdade da Mitra -15 de Novembro – Évora

O ICAAM – Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas da Universidade de Évora, organiza periodicamente as “Tertúlias do Montado”, […]

Sugeridas

Commissioners to unveil proposal on EU food supply chain regulation in June

EU Agriculture Commissioner Phil Hogan will next month co-present to MEPs a proposal on fairer regulation of the bloc’s food supply chain. […]