Em 2017 os resultados económicos da Agricultura portuguesa melhoraram significativamente em relação a 2016 – Francisco Avillez 

Em 2017 os resultados económicos da Agricultura portuguesa melhoraram significativamente em relação a 2016 – Francisco Avillez 

  1. No passado dia 13 de Dezembro foi publicado pelo INE (consultar aqui) a primeira estimativa das Contas Económicas da Agricultura (CEA) de 2017, da qual constam também alterações nos dados referentes aos anos de 2016 (substituição das estimativas por resultados provisórios) e de 2015 (substituição dos resultados provisórios por definitivos).

Da análise destes novos dados pode-se concluir que em 2017 os resultados económicos da agricultura portuguesas melhoraram significativamente em relação a 2016, apesar dos rendimentos do sector agrícola e dos produtores agrícolas se terem reduzido.

A aparente contradição entre as duas afirmações anteriores, justifica uma sua análise mais detalhada, a que irei proceder de seguida.

  1. De acordo com os dados da referida estimativa, o produto agrícola bruto em volume, medido pelo valor acrescentado bruto no produtor a preços constantes, cresceu 7,1% em 2017 em relação a 2016, o que contrasta muito favoravelmente com a variação de -9,2% verificada no ano anterior, se bem que tenha sido inferior ao aumento verificado entre 2014 e 2015 (+9,2%). Desta evolução resultou uma taxa de crescimento médio anual de +2% do sector agrícola no último triénio (Quadro 1).

Este crescimento ficou a dever-se a uma variação positiva, em 2017, do volume da produção agrícola de 4,2% superior à verificada para o volume dos consumos intermédios (2,8%). Para este crescimento do volume de produção agrícola contribui decisivamente a produção vegetal cuja variação de 7,2% mais que compensou a variação negativa de -1% sofrida pelo volume da produção animal.

Por outro lado, o produto agrícola medido pelo valor acrescentado bruto agrícola a preços no produtor correntes nominais, cresceu 6,4% em 2017 relativamente a 2016, o que tendo sido muito mais favorável do que o ocorrido no ano anterior (-1,4%) foi também mais positivo que o verificado entre 2014 e 2015 (+5,2%).

Comparando os ritmos de crescimento médios do valor acrescentado bruto agrícola em valor e em volume, pode-se afirmar que, em média, a evolução dos preços agrícolas foi desfavorável para os produtores, se bem que de forma bastante desigual entre os diferentes produtos.

  1. O rendimento do sector agrícola nacional, medido pelo valor acrescentado a custo de factores e a preços nominais, apresentou uma variação de -4,2% entre 2016 e 2017, bastante inferior à verificada no ano anterior (+12,6%).

Este comportamento desfavorável do rendimento do sector agrícola português ficou a dever-se a uma quebra muito elevada (-26%) no valor dos pagamentos directos aos produtores (PDP) recebidos no ano de 2017 pelos agricultores portugueses, o qual contrasta com o anormal aumento (+58%) verificado no ano anterior. Importa sublinhar que, apesar das grandes variações verificadas no valor dos PDP nos últimos anos, o rendimento do sector agrícola cresceu, em média, 3,1%/ano no último triénio.

  1. O rendimento dos produtores agrícolas, medido pelo rendimento dos factores deflaccionado pelo IPIB e dividido pelo volume de mão-de-obra agrícola total, teve um decréscimo de -3%, em 2017, o que contrasta com os aumentos médios anuais verificados em 2016 (+18%) e em 2015 (+9,2%).

Este indicador, que é designado pelo INE por rendimento da actividade agrícola, pode ser decomposto em dois indicadores distintos:

  • a competitividade dos produtores agrícolas, medida pelo valor acrescentado líquido a preços no produtor deflaccionado pelo IPIB e dividido pelo volume de mão-de-obra agrícola total;
  • o suporte directo aos produtores, medido pelo valor total dos pagamentos directos aos produtores líquidos de impostos, deflaccionado pelo IPB e dividido pelo volume de mão-de-obra agrícola total.

Procedendo a esta decomposição com base nas Contas Económicas da Agricultura (CEA) destes últimos três anos, é possível concluir que (Quadro 2):

  • no ano de 2017, o decréscimo de -3% no rendimento médio dos produtores agrícolas portugueses, teve subjacente um elevado ganho de competitividade (11,8%) e uma muito acentuada quebra nos respectivos pagamentos directos aos produtores (-23,4%);
  • no ano de 2016, o muito elevado acréscimo no rendimento dos produtores agrícolas (+18%) foi consequência do enorme aumento verificado no valor dos pagamentos directos aos produtores (+60%) que mais que compensou a ligeira perda de competitividade observada (-0,8%);
  • no ano de 2015, os ganhos relativamente elevados (+9,2%) observados para o rendimento dos produtores agrícolas, resultou de uma evolução favorável, quer da competitividade (+5,2%), quer do suporte directo aos produtores (+1,7%).

  1. Por último, gostaria de sublinhar que depois de um ano bastante desfavorável (2016), os resultados económicos da agricultura portuguesa atingiram em 2017 níveis semelhantes aos de 2015, o que vem bem expresso nos valores idênticos observados, quer para a produtividade do trabalho (+12% em ambos os anos), quer para a produtividade dos factores intermédios e de capital (cerca de +7% em ambos os casos) os quais contrastam com os valores muito negativos verificados em 2016 (respectivamente -6,5% e -11,9%).

 

Francisco Avillez

Coordenador Científico da AGROGES e Professor Emérito do ISA

Comente este artigo
Anterior Denominação de venda do arroz agulha e carolino tem novas regras comerciais
Próximo ARA califica 2017 como “un año crucial” para el inicio del programa LEADER en Andalucía

Artigos relacionados

Últimas

Estudo diz que dieta rica em azeite virgem melhora funções do “colesterol bom”

[Fonte: Observador]

Um estudo demonstrou que fazer uma dieta mediterrânica rica em azeite virgem melhora as funções das lipoproteínas de alta densidade (HDL), o denominado “colesterol bom”.
A investigação, feita pelo Instituto Hospital do Mar e de Investigações Médicas de Barcelona, […]

Nacional

Fundação AEP promove empreendedorismo sénior contra o desemprego

[Fonte: Agricultura e Mar]
A Fundação AEP acaba de lançar o Empreender 45-60 – Uma Estratégia de Apoio ao Empreendedorismo Sénior. O objectivo é atenuar o desemprego na faixa etária acima dos 45, particularmente em indivíduos com elevados níveis de qualificação, na Região Norte. […]

Últimas

Santos Silva diz que “único desconforto” do Governo é o que “o país sentiu”

[Fonte: Jornal De Negócios]

“O único desconforto que o Governo sente é o desconforto que o país inteiro sentiu, com o facto de ter sido atingido este ano por condições climatéricas absolutamente excepcionais e de o seu sistema de Protecção Civil não ter estado à […]