Utilizar bactérias e fungos para tornar as plantas resilientes às Alterações Climáticas

Utilizar bactérias e fungos para tornar as plantas resilientes às Alterações Climáticas

Inês Rocha, investigadora do Centro de Ecologia Funcional da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), desenvolveu e testou um método simples que usa bactérias e fungos, em separado ou de forma combinada, para aumentar a resiliência das plantas às alterações climáticas e, em simultâneo, reduzir o uso de agroquímicos.

O método, desenvolvido no âmbito da sua tese de doutoramento, orientada por Rui Oliveira, consiste essencialmente em inocular plantas com bactérias presentes na rizosfera (na zona da raiz) e fungos micorrízicos. Estes dois tipos de micro-organismos possuem diferentes mecanismos de ação direta na planta, através da absorção de nutrientes, do fornecimento de água, etc., ou indireta (por exemplo, protegendo a planta de pragas ou melhorando a estrutura do solo).

O processo de inoculação traduz-se por incorporar micro-organismos que promovam o crescimento das plantas de uma forma mais resistente, permitindo a sua sobrevivência independentemente da degradação ambiental.

Até obter uma fórmula eficiente e sustentável, o estudo compreendeu várias fases, entre as quais a identificação de micro-organismos promotores de crescimento vegetal em culturas agrícolas e a seleção de fungos e bactérias com o potencial mais elevado para garantir o sucesso do método.

Os resultados alcançados até agora, afirma Inês Rocha, «são promissores, demonstrando vantagens na aplicação do método desenvolvido. Nos ensaios de avaliação do stress hídrico, as bactérias tiveram um efeito positivo no rendimento da cultura e os fungos foram responsáveis pelo aumento da absorção de nutrientes.»

Já nos testes de fertilização, em que as plantas inoculadas foram cultivadas com quantidades reduzidas de fertilizantes químicos, verificou-se um aumento de biomassa e de nutrientes. A próxima fase passa por avaliar o comportamento das plantas em cultivo ao ar livre, em campos agrícolas.

Com o prolema das alterações climáticas, «esta abordagem apresenta-se como uma solução eficiente e de baixo custo para promover uma agricultura sustentável através da redução do uso de agroquímicos e do aumento da sobrevivência das plantas face a stresses ambientais, como os problemas das secas, inundações e salinização dos solos», sublinha a investigadora da FCTUC.

O projeto, iniciado em 2015, é financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Cristina Pinto

Assessora de Imprensa

Universidade de Coimbra• Faculdade de Ciências e Tecnologia

91 7575022

Comente este artigo
Anterior Governo abre concurso para gestão de combustível com pastorícia
Próximo A Floresta está hoje pior do que estava no dia seguinte ao dos Incêndios !... - João Dinis

Artigos relacionados

Comunicados

Ministra da Agricultura marca presença em cerimónia simbólica de celebração do setor agropecuário

A Ministra da Agricultura, Eng.ª Maria do Céu Antunes, marcará presença no dia 18 de setembro de 2020, na Cerimónia Simbólica de Celebração do Setor Agropecuário, no Espaço AGROS – Póvoa […]

Últimas

Obrigatoriedade da indicação da origem nos rótulos de mel – Esclarecimento técnico n.º 2/DGAV/2021

O presente esclarecimento, que altera e revoga o Esclarecimento Técnico n.º 1/DGAV/2017, visa alertar os operadores nacionais para a obrigação da indicação do país ou países de origem […]

Dossiers

Intempéries 2020 – Nova linha de crédito especial

Para ajudar a superar as dificuldades de tesouraria ou de fundo de maneio resultantes da queda de neve, granizo e geada, de excecional intensidade, registadas entre março e maio de 2020 […]