UMinho cria “app” que vai alertar agricultores sobre mudanças climáticas

UMinho cria “app” que vai alertar agricultores sobre mudanças climáticas

O Centro de Biologia Molecular e Ambiental (CBMA) da Universidade do Minho coordena um projeto para alertar os agricultores sobre mudanças climáticas, ajudando-os a otimizar a irrigação das culturas e a antecipar ou adiar colheitas, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a Universidade do Minho refere que o projeto, denominado “Climalert”, inclui uma aplicação para telemóvel e uma plataforma web.

“A aplicação de telemóvel, em fase de testes, permite de forma simples e gráfica que o agricultor registe e analise tendências do estado da sua cultura e da produtividade ou avalie ciclos de temperatura, precipitação e intempéries”, lê-se no comunicado.

A par da aplicação, está a ser concebida uma plataforma web de suporte à tomada de decisão no setor da água, de modo a planear cenários de exploração agrícola e uso hídrico a médio e longo prazo.

“Quem decide e investe, vê assim as probabilidades mais benéficas para o meio ambiente e para o seu negócio”, sublinha-se no comunicado.

O projeto junta parceiros de Portugal, Espanha e Alemanha e conta com 845 mil euros da União Europeia, até 2021.

Vai ser apresentado na sexta-feira, no Mosteiro de Tibães, em Braga, no âmbito do Greenfest, um festival de sustentabilidade.

A coordenadora do “Climalert”, Cláudia Pascoal, refere que a ferramenta pretende “casar” os interesses dos setores da agricultura e dos recursos hídricos”.

“O que é difícil, pois a água é muito utilizada na agricultura, mas por vezes devolvida aos ecossistemas de forma contaminada”, diz a também investigadora do CBMA e professora da Escola de Ciências da UMinho.

Para Cláudia Pascoal, “este projeto é valioso, pois promove a sustentabilidade com benefícios económicos para agricultores e para os gestores ambientais, que têm de gerir bacias hidrográficas tendo em conta as alterações climáticas”.

As ferramentas “Climalert” foram criadas na UMinho, através dos centros de investigação CBMA, Algoritmi e de Sistemas Microeletromecânicos, e estão a ser testadas nos três países do consórcio.

O “Climalert” envolve ainda o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o Instituto Catalão de Investigação da Água (Espanha) e o Centro de Investigação Ambiental Helmholtz (Alemanha).

Comente este artigo
Anterior App climática avisa agricultores como optimizar água e colheitas
Próximo Marcelo diz que agricultores portugueses são excecionais

Artigos relacionados

Últimas

Valorizar o interior? Claro que sim, mas o que isso significa? – António Cláudio Heitor

De nada vale um ministério promover as actividade agrícolas e agro-industriais e outro considerá-las apenas como depredadoras e […]

Nacional

Agricultores consideram “inaceitável” corte de 20 milhões de euros

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) considerou esta sexta-feira ser “inaceitável” o corte de cerca de 20 milhões de euros nas medidas agroambientais, […]

Nacional

Água, alternativas aos plásticos, lixo zero e banhos de floresta no ‘Greenfest’ de Braga

Um projecto para substituir o plástico ou outro para acabar
com a esferovite vão ser discutidos e apresentados esta semana no ‘Greenfest’, […]