Um plano corajoso – José Martino

Um plano corajoso – José Martino

Se Pedrógão, em 2017, marcou um ponto de viragem social e político, o Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Florestais, em 2019, marca uma tomada de posição política forte e consequente.

 

O Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Florestais configura, pela 1.ª vez, um documento estratégico onde fica claro qual a estratégia a delinear para travar ou minorar o flagelo a que todos os anos assistimos: uma floresta portuguesa consumida pelo fogo.

 

Se Pedrógão, em 2017, marcou um ponto de viragem social e político, este plano, em 2019, marca uma tomada de posição política forte e consequente. O plano, que está em consulta pública, não se limita a enunciar uma série de medidas mais ou menos meritórias e bondosas.

Ao contrário do que acontecia no passado, agora existem metas definidas e objetivos a atingir. Um assumido compromisso político que revela coragem da parte do ministro do Ambiente, Matos Fernandes.

Mais importante é o anúncio das verbas que vão ser canalizadas para a prevenção e combate aos fogos rurais: o plano fala de cerca de seis mil milhões de euros durante dez anos, 550 milhões de euros/ano em prevenção e combate.

Não me junto ao coro dos que acham que este “número” mais não foi do que um show-off de Matos Fernandes, acabadinho de receber no seu ministério o pelouro das Florestas e, coincidência ou não, poucos dias depois da nova ministra da Agricultura ter protagonizado uma série de entrevistas.

Passo à frente desta mera intriga política e registo apenas a satisfação pessoal de verificar que o reforço de verbas para a Floresta e a entrada em ação do arrendamento coercivo das terras são duas medidas que já andava a defender há muito tempo em artigos de jornais.

O ministro do Ambiente chama-lhe “intervenção musculada” e, a mim, parece-me bem. Espero agora que consiga convencer o seu colega de Governo, ministro das Finanças, a canalizar as verbas respetivas para dar exequibilidade a este plano.

Esta nova abordagem à dinâmica da gestão florestal deve ter como prioridade a diminuição da massa combustível na floresta. Isso só se consegue com a criação de mosaicos florestais, que criem zonas tampão, investimento em fogo controlado no Inverno em faixas de 500 metros a cada dez quilómetros e plantação de culturas que sirvam de bloqueio à propagação dos fogos e que sirvam para viticultura, pastagens, medronheiro, etc..

Ao ler o programa, apenas discordo da distribuição das verbas pelas várias áreas em questão: valorização dos espaços rurais, cuidar dos espaços rurais, modificar comportamentos, gerir o risco eficientemente. 

Ao invés de uma distribuição muito igual dos seis mil milhões de euros nos dez anos, julgo que seria mais eficiente se se concentrasse o dobro da verba nos três primeiros anos de execução do programa – 3500 milhões de euros, em vez de 1755 milhões de euros. O combate que temos pela frente exige uma intervenção forte e musculada já, tendo em conta a biomassa combustível que está no terreno e alterações climáticas, que permita controlo e menos preocupações no futuro.

O autor escreve segundo o novo Acordo Ortográfico

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Ação climática, agroecologia e baixa densidade - António Covas
Próximo Microclima e aumento da procura fazem produção de abacate disparar no Algarve

Artigos relacionados

Últimas

Las ventas al exterior empujan al mercado del vacuno

Las subidas en las cotizaciones de las canales de vacuno han sido casi generalizadas esta semana. El mercado ha registrado mucho movimiento lo que ha provocado aumentos continuos en los precios de las distinas lonjas y mercados nacionales. […]

Nacional

Incêndios: Ministro destaca “grande profissionalismo” do sistema de combate

O ministro da Administração Interna destacou hoje o “grande nível de profissionalismo” do sistema de combate a incêndios, com mais de 2.200 […]

Sugeridas

A UE está a proibir os pesticidas. Existem alternativas?

A redução do uso de fitofármacos, que do ponto de vista ideal fará sentido, não é acompanhada pela disponibilização de alternativas eficientes, o que tem deixado os produtores agrícolas, em particular […]