Trump aumenta expectativas de acordo comercial com China

Trump aumenta expectativas de acordo comercial com China

Num tweet publicado perto das 23h deste domingo (hora de Lisboa, 18h em Washington), o presidente norte-americano fez aumentar a esperança de que os EUA e a China cheguem a um entendimento na frente comercial antes da data-limite de 1 de março estipulada em novembro pelos líderes das duas maiores economias mundiais.

O dia 1 de março, recorde-se, é a data em que terminam os 90 dias de tréguas comerciais acordadas entre ambas as partes no final de novembro, à margem do G20 que decorreu em Buenos Aires, Argentina.

Chegou a ser aventada a possibilidade de se estender esse prazo, mas há ainda esperança num acordo até essa data.

“Congratulo-me em dizer que os EUA realizaram progressos substanciais nas conversações comerciais com a China”, escreveu Donald Trump na sua rede social preferida para fazer anúncios oficiais.

O chefe da Casa Branca sublinha que houve uma evolução positiva no que diz respeito a importantes questões estruturais, “incluindo a proteção da propriedade intelectual, transferência de tecnologia, agricultura, serviços, câmbios e muitos outros assuntos”.

“Em resultado destas conversações bastante produtivas, adiarei o aumento das tarifas aduaneiras sobre as importações chinesas que está definido para 1 de março. Partindo do princípio de que ambos os lados realizarão mais progressos, eu e o presidente Xi planearemos uma cimeira, em Mar-a-Lago [a residência de férias do presidente norte-americano na Flórida], para concluir um acordo. Foi um fim de semana muito bom para os Estados Unidos e a China!”, salienta Trump.

Trump tinha já afirmado na sexta-feira, 22 de fevereiro, que havia “uma boa probabilidade” de haver acordo e que poderia estender o prazo de 1 de março (de aplicação de tarifas alfandegárias adicionais) e avançar com um encontro com o seu homólogo chinês, Xi Jinping.

Ainda na sexta-feira, Trump e o secretário norte-americano do Tesouro, Steven Mnuchin, declararam que os EUA e a China tinham alcançado um entendimento em matéria cambial, mas sem darem mais pormenores.

Durante este fim de semana prosseguiram negociações de alto nível – este domingo Mnuchin esteve reunido com o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He – que culminaram agora com os tweets otimistas de Trump.

Se não for alcançado um acordo, os Estados Unidos vão aumentar de 10% para 25% a tarifa aplicada sobre o equivalente a 200 mil milhões de dólares de importações chinesas, a que Pequim deverá responder com uma subida das taxas aduaneiras sobre cerca de 60 mil milhões de dólares de bens norte-americanos (anunciadas no ano passado como forma de retaliação).

 (notícia atualizada às 23:15)

O artigo foi publicado originalmente em Jornal de Negócios.

Comente este artigo
Anterior Vemos, ouvimos e lemos. Não podemos ficar indiferentes - Idalino Leão
Próximo Fitch revê em alta PIB de 2019. Construção e agricultura vão ser decisivos

Artigos relacionados

Comunicados

Crédito Agrícola distingue 76 vinhos nacionais

Já foram revelados, em cerimónia realizada no passado dia 23 de Novembro, na Casa do Douro, Peso da Régua, os vencedores […]

Últimas

Temperaturas elevadas até domingo colocam todos os distritos sob alerta

O IPMA prevê a continuação de tempo quente pelo menos até domingo. Todos os distritos estão sob alerto amarelo e mais de 100 concelhos […]

Últimas

A angústia do feno

A colheita é para o agricultor motivo de alegria e realização, mas no caso concreto da colheita da erva escolher a data é uma decisão difícil, […]