Trump aumenta expectativas de acordo comercial com China

Trump aumenta expectativas de acordo comercial com China

Num tweet publicado perto das 23h deste domingo (hora de Lisboa, 18h em Washington), o presidente norte-americano fez aumentar a esperança de que os EUA e a China cheguem a um entendimento na frente comercial antes da data-limite de 1 de março estipulada em novembro pelos líderes das duas maiores economias mundiais.

O dia 1 de março, recorde-se, é a data em que terminam os 90 dias de tréguas comerciais acordadas entre ambas as partes no final de novembro, à margem do G20 que decorreu em Buenos Aires, Argentina.

Chegou a ser aventada a possibilidade de se estender esse prazo, mas há ainda esperança num acordo até essa data.

“Congratulo-me em dizer que os EUA realizaram progressos substanciais nas conversações comerciais com a China”, escreveu Donald Trump na sua rede social preferida para fazer anúncios oficiais.

O chefe da Casa Branca sublinha que houve uma evolução positiva no que diz respeito a importantes questões estruturais, “incluindo a proteção da propriedade intelectual, transferência de tecnologia, agricultura, serviços, câmbios e muitos outros assuntos”.

“Em resultado destas conversações bastante produtivas, adiarei o aumento das tarifas aduaneiras sobre as importações chinesas que está definido para 1 de março. Partindo do princípio de que ambos os lados realizarão mais progressos, eu e o presidente Xi planearemos uma cimeira, em Mar-a-Lago [a residência de férias do presidente norte-americano na Flórida], para concluir um acordo. Foi um fim de semana muito bom para os Estados Unidos e a China!”, salienta Trump.

Trump tinha já afirmado na sexta-feira, 22 de fevereiro, que havia “uma boa probabilidade” de haver acordo e que poderia estender o prazo de 1 de março (de aplicação de tarifas alfandegárias adicionais) e avançar com um encontro com o seu homólogo chinês, Xi Jinping.

Ainda na sexta-feira, Trump e o secretário norte-americano do Tesouro, Steven Mnuchin, declararam que os EUA e a China tinham alcançado um entendimento em matéria cambial, mas sem darem mais pormenores.

Durante este fim de semana prosseguiram negociações de alto nível – este domingo Mnuchin esteve reunido com o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He – que culminaram agora com os tweets otimistas de Trump.

Se não for alcançado um acordo, os Estados Unidos vão aumentar de 10% para 25% a tarifa aplicada sobre o equivalente a 200 mil milhões de dólares de importações chinesas, a que Pequim deverá responder com uma subida das taxas aduaneiras sobre cerca de 60 mil milhões de dólares de bens norte-americanos (anunciadas no ano passado como forma de retaliação).

 (notícia atualizada às 23:15)

Continue a ler este artigo no Jornal de Negócios.

Comente este artigo
Anterior Vemos, ouvimos e lemos. Não podemos ficar indiferentes - Idalino Leão
Próximo Fitch revê em alta PIB de 2019. Construção e agricultura vão ser decisivos

Artigos relacionados

Nacional

Covid-19: Surto com 29 infetados entre trabalhadores agrícolas de Torres Vedras

Um surto de covid-19 com 29 infetados foi registado entre trabalhadores agrícolas, na sua maioria estrangeiros, no concelho de Torres Vedras, o que obrigou ao realojamento de 21 […]

Últimas

Recenseamento Agrícola suspenso pelo INE

O Instituto Nacional de Estatística (INE) decidiu suspender “até ao final do mês de abril, com reavaliação da situação até essa data”, todas as […]

Últimas

CoimbraMaisFuturo realiza sessão de esclarecimentos sobre medida de apoio às Cadeias Curtas – 26 de maio

A CoimbraMaisFuturo tem a decorrer, para as 16 freguesias rurais do concelho de Coimbra, concursos para apoio aos investimentos nas explorações agrícolas. Constituindo a medida de apoio às Cadeias Curtas, […]