“Tenho de pagar quanto?”, perguntou um trabalhador que Rodrigo queria contratar

“Tenho de pagar quanto?”, perguntou um trabalhador que Rodrigo queria contratar

Ao Douro Superior vão chegando alguns imigrantes indianos em busca de um contrato de trabalho que lhes permita obter autorização de residência. Há prestadores de serviços que não os querem contratar por lhes faltar conhecimento para fazer uma poda ou uma enxertia. Rodrigo Gusmão ensina-os a fazer trabalhos mais simples e depara-se com relatos reveladores de abuso, com o de Binzu Mathew

Tantas vezes o produtor agrícola Rodrigo Gusmão se afligiu com falta de mão-de-obra no Douro. “Tinha 25 hectares e sentia-me na mão de meia dúzia de homens capazes de fazer o trabalho necessário.” Resolveu criar a sua própria empresa de prestação de serviços recorrendo a estrangeiros. Depressa se deparou com a acção das máfias e procurou desviar-se delas.

Já lhe ofereceram dinheiro para fazer contratos de trabalho e comunicar a admissão à Segurança Social. “Fiz print screen e reencaminhei para a polícia.” Já lhe aconteceu estar a contratar alguém e perguntarem-lhe: “Tenho de pagar quanto?” “Não, eu é que tenho de pagar”, retorquiu.

O enfermeiro Binzu Mathew, chefe da equipa que tem a trabalhar no Douro Superior, pagou sete mil euros a uma agência de recrutamento indiana para viajar para Portugal com um visto de trabalho. Aterrou em Lisboa no final de Julho de 2019 e, afinal, não tinha trabalho. Disseram-lhe que “estava difícil”. Pôs-se à procura. Rodrigo publicara um anúncio num dos grupos de Facebook de indianos em Portugal. Binzu respondeu-lhe. E avançou para as vindimas.

Quando se pergunta a Binzu porquê Portugal, responde, em inglês, sem rodeios: “Portugal é um país bom para arranjar o cartão de residência.” O seu objectivo já foi obter o cartão e partir, como outros. Agora, é chamar a mulher, também enfermeira, a trabalhar na Arábia Saudita, e os filhos, que ficaram com os avós paternos, na Índia. “Estou a tentar viver aqui.” Quão difícil será aprender português, ter as habilitações reconhecidas e trabalhar como enfermeiro?

Chegou na mais agitada época do ano ao Douro. São 45 mil hectares de vinha para vindimar, sintetiza Mário Joaquim Abreu Lima, vice-presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal. “Não temos gente para isso. A maior parte dos produtores de uvas não recruta directamente, não tem capacidade para isso, recorre a empreiteiros agrícolas.”

Antes, só as épocas de pico exigiam mão-de-obra de fora da região. Os trabalhadores sazonais formavam as chamadas “rogas”, que com os seus folguedos tratavam da apanha, do transporte, da lagarada. Com o êxodo rural, a emigração, o envelhecimento, a falta de mão-de-obra alargou-se ao ano todo. Quanto mais se sobe o Douro, mais se sente.

No Baixo Corgo e no Cima Corgo, que antes se chamava Alto Douro, ainda vai havendo braços para trabalhar. No Douro Superior, é o drama. “Se não viessem pessoas de fora, não tínhamos capacidade de agricultar as vinhas”, reconhece Manuel Cordeiro, presidente da Câmara de São João da Pesqueira. Ao romper do dia e a meio da tarde é ver as carrinhas de nove lugares

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Da precariedade ao tráfico: um retrato dos “cerca de 50 mil trabalhadores” imigrantes na agricultura
Próximo Dorin, o empreiteiro agrícola que veio da Roménia

Artigos relacionados

Últimas

Inquérito: A tecnologia torna a agricultura na sua região mais inteligente?

[Fonte: Rede Rural Nacional] A Comissão Europeia publicou online um questionário com o objetivo de catalogar o uso de tecnologias de Agricultura de Precisão da perspectiva das Autoridades Públicas (Ministérios Agrícolas, […]

Últimas

Anuário Agrícola de Alqueva de 2018 já está online

O Anuário Agrícola de Alqueva, referente ao ano de 2018, já está online, no site oficial da EDIA. […]

Eventos

Mesa redonda “Floresta Portuguesa: cada parcela sua sentença? – 23 de novembro – Porto

Assinalando o Dia da Floresta Autóctone, no dia 23 de novembro de 2019, entre as 18h00 e as 19h30, o Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto acolhe, […]