Ilustração de Rui Lourenço Tamanho das vinhas influencia função das aves no combate a pragas – estudo

Tamanho das vinhas influencia função das aves no combate a pragas – estudo

Um estudo da Universidade de Évora concluiu que vinhas de pequena dimensão rodeadas por paisagens heterogéneas “estão potencialmente mais protegidas de pragas de insetos”, porque atraem mais diversidade de aves, face a outras em contextos homogéneos.

A investigação, apresentada num artigo publicado no boletim científico Ecological Indicators, “demonstra que as características das vinhas influenciam o potencial das aves como aliadas no controlo de pragas”, diz Rui Lourenço, investigador do Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento (MED) da Universidade de Évora (UÉ) e primeiro autor do artigo, citado em informação divulgada pela universidade.

Rui Lourenço sublinha que as conclusões do estudo contribuem para “facilitar uma agricultura mais biológica e com menor uso de químicos”, resultando em “melhores vinhos e proteção da natureza”.

As aves insetívoras comuns nas vinhas que apresentam maior potencial de controlo de pragas são o cartaxo-comum, a cotovia-comum, a cotovia-escura, a felosa-poliglota, a poupa, o rouxinol-do-mato, a toutinegra-de-cabela-preta ou ainda a poupa, adianta Rui Lourenço.

O investigador, que integra também o Departamento de Biologia da UÉ, refere que estas aves se alimentam de lagartas, traças, escaravelhos, cigarrinhas e outros invertebrados, combatendo de forma natural as pragas nas vinhas, adiantando que os resultados do estudo permitem aos vitivinicultores definirem “boas práticas, beneficiando os produtores, mas também a biodiversidade”.

A heterogeneidade da paisagem junto às vinhas pode ser alcançada “através da conservação de habitats ripícolas, sebes naturais, árvores, muros de pedra e edifícios rurais”.

“Esta complexidade estrutural beneficia as comunidades de aves fornecendo alimento, abrigo e locais de nidificação”, argumenta Rui Lourenço.

E as aves “têm um grande potencial no controlo de pragas porque muitas espécies são insetívoras” e “são comuns na maioria dos habitats”, segundo Rui Lourenço, que lembrou ainda que “existem provas” de que “as aves desempenham o serviço de biocontrolo em vinhas e outras culturas”.

O estudo incluiu amostras de comunidades de aves, utilizando pontos de escuta em 31 parcelas de vinha localizadas no distrito de Évora, representativas de diferentes práticas de gestão e contextos de paisagem.

“A diversidade funcional de aves foi mais elevada em vinhas pequenas rodeadas por paisagem mais diversificada com árvores”, quando comparadas com vinhas de média dimensão rodeadas sobretudo por parcelas agrícolas ou ainda em vinhas de maior dimensão e frequentemente rodeadas por outras vinhas, resume a informação divulgada pela UÉ.

IN VINO VERITAS: As características das vinhas influenciam o potencial das aves como aliadas no controlo de pragas

Comente este artigo
Anterior Oliveira do Hospital realiza feira digital do queijo Serra da Estrela
Próximo Posição da OMV sobre a desonestidade intelectual em suposto jornalismo de investigação

Artigos relacionados

Últimas

Relatório da CE: “UE completamente sem pesticidas não é um objectivo realista, incluindo na agricultura biológica, onde pode também ser utilizado um número limitado de pesticidas”

A Comissão Europeia publicou um relatório, que enviou ao Parlamento Europeu e ao Conselho. relativo à colocação dos produtos fitofarmacêuticos […]

Últimas

Greve motoristas. CAP aconselha agricultores a fazer reservas

A Confederação de Agricultores de Portugal (CAP) apela ao setor que se “precavenha e faça reservas de combustível para evitar percalços de última hora”. […]

Nacional

Sabe o que são bioregiões?

O movimento das Bio-Regiões nasceu em Itália em 2004 e nos últimos anos passou as fronteiras do país, rondando hoje as 40 comunidades em todo o mundo. […]